terça-feira, agosto 04, 2015

Meia maratona do RIO de Janeiro: Meta pessoal vencida!!!!

"Um domingo de tarde sozinha em casa dobrei-me em dois para a frente - como em dores de parto - e vi que a menina em mim estava morrendo. Nunca esquecerei esse domingo. Para cicatrizar levou dias. E eis-me aqui. Dura, silenciosa e heróica. Sem menina dentro de mim." Clarice Lispector 🍀




Início de 2014.... E diferente de outros "começos" de ano, consigo traçar uma meta diferenciada para minha "vida corrida". Isso devido a estar com a rotina um "pouco mais estável". Faculdade e trabalho somente.

A verdade é que eu desejava iniciar o ano  dizendo que havia chegado a hora de correr uma maratona. No entanto, após muitas conversas e reflexões, já relatadas nesta postagem  , cheguei a conclusão que não era o momento. 
Hoje, passados mais de 6 meses tenho a certeza que tomei a decisão mais acertada. Deixando a maratona para mais adiante. Agora tendo a convicção que ela esta cada dia mais distante para minha rotina.... Tenho muitos planos e projetos que fazem ela ser adiada ainda mais. Sou nova e tenho uma vida pela frente. Por isso quero muito mais meias e desafios diferenciados.

Corro desde  2010 e sempre fui muito cautelosa nas distâncias e em cada desafio traçado.  Por  sorte ou devido ao cuidado, de lá para cá nunca me machuquei. Espero que continue sendo assim. (Continuarei vencendo a mim mesma, mas jamais ultrapassarei os limites do físico.)

* Decidida  não ser a hora da tão sonhada MARATONA, optei por me desafiar de uma outra forma. Com algo diferente do que já havia realizado.
Já que "estava" com a vida um pouco mais tranquila como a de outros anos. Podendo, mesmo com o cansaço, driblar os treinos com a faculdade e o trabalho... optei por ir em busca do sub2h na meia maratona. Acredito que após ter corrido mais de 10 meias maratonas estava na hora. Com certeza!!
Momento algum envergonho-me dos meus tempos. Jamais!!Foram conquistas minhas, pessoais e quase nunca planejadas. 

DART com SUB2h...??? Eta planozinho "filho de uma peste". Não imaginava o quanto seria difícil e sofrido. Que iria mastigar o pão que o diabo amassou. Mas que ao  final teria orgulho de derramar lágrimas de uma vitória pessoal. Tão bom quando as coisas chegam desta maneira.  
Dizer: EU CONSEGUI é maravilhoso. Mas senta para ouvir o qão foi "brabo".

Pelo menos para Dart não foi fácil. E como não sou  hipócrita conto tim tim por tim tim. Doeu? Claro que sim. Muito mais no psicológico que no físico, que por via das dúvidas já estava bem adaptado a corrida. Não me questiono quanto ao físico que tenho para uma maratona... questiono o meu psicológico, que não estava preparado.

Os que estiveram comigo durante este processo de treino, viram o quanto foi trabalhoso a metamorfose da atleta "café com leite" para a atleta amadora "café preto amargo" e barril dobrado. kkkk!!! esta última titularidade não veio de mim. rs!!! Suei e derramei muitas lágrimas. Só quem esteve comigo sabe. Tive sempre ao meu lado o meu amor que embora não estivesse correndo me apoiou e incentivou em tudo. Além dele amigos e minha família que me acompanha em tudo...mas não dá muito crédito a corrida. rs!!!

O primeiro passo após a decisão pelo sub2, foi ir em busca de algum treinador.  Indicado por Larissa Lima, escolhi treinar com Renato Maia. Já o conhecia desde o meu início de corridas, não como treinador, mas como um excelente atleta. Um dos motivos em ficar com o mesmo, foi poder continuar correndo com a camisa BALEIAS. Quem acompanha o blog há muito tempo, conhece o que se trata a filosofia BALEIAS. Além disso sabe o quanto valorizamos o uso da camisa, tendo em vista que é nosso único meio de "divulgação" do grupo. Maia foi bastante compreensivo com relação a este ponto e nunca me "obrigou" que vestisse a sua camisa. Muito pelo contrário, as vezes que o fiz. Fiz por que quis. Mas jamais deixei de divulgar, principalmente aqui no blog, que estivesse com algum treinador. Seu nome sempre foi divulgado, essencialmente nas vezes em que baixei tempos e alcancei conquistas pessoais.

Escolhido o treinador, pulemos para a  pior parte... rs!! Por as planilha em prática. 
Uma pessoa que simplesmente saía para correr quando quisesse, e corria quanto quisesse passar agora a ter obrigação de cumprir o que tivesse prescrito para o dia. RUMMM!!! Foi fácil não. rs!! Determinados momentos a vontade foi de mandar aquela planilha para o "inferno" e jogar fora.... 
mas, pensei.... assim como nos estudos, a corrida também necessitaria de dedicação. Se queria melhorar meus tempos era preciso disciplina. Se havia planejado ser esta a meta do ano, que corresse atrás. Nada cairia do céu. Era preciso suar para chegar onde desejava. 

Treinei na pista no primeiro mês ou mais algum tempo. No entanto, me sentindo pressionada e desacostumada com o hábito de treinar com tanta gente observando, optei por abandonar. Acredito ter feito uma escolha desacertada,mas coerente naquele momento. Desacertada por ser um pouco mais sofrido crescer, "em ritmo", sozinha. O treino em equipe e na pista torna o treino "mais prazeroso" para alguns e ajuda muito a adquirir velocidade.  Mas penso que naquele momento foi a melhor decisão que puder tomar e  que me ajudou muito a crescer e amadurecer enquanto pessoa.  A sofrer quando julgava que meus treinos não estavam bons e a animar nos momentos "bacanas". Não foi fácil!!! Contudo necessário. Hoje julgo que foi muito bom!!

Treinando sozinha tive muitos momentos de baixa e desânimo. De vontade de jogar o "desejo" no lixo. Chamo desejo, por que isso é muito pouco para que eu chame de sonho. A corrida não é meu "ganha pão", sendo assim trata-se apenas de um hobby e sempre foi motivo de prazer. Já que corro por que AMO. Escolhi sozinha e para mim...sem incentivo ou empurrada. Não trata-se de sonho, nem vaidade. Sonho talvez seja correr para o resto da vida. Ai sim qualificaria como um sonho.

Os momentos de baixa acredito terem sido importantíssimos. Mesmo quando eu saía para treinar chorando. Ohhh como fui besta... acho que a TPM deve ter chegado com força total alguns dias. Ainda penso que estes dias foram os melhores. Que mostraram onde morava a minha força. Os dias em que torci o pé, o da véspera da viagem - em que cai de costas ralando o braço e batendo a bunda. Que me fez sentir por toda a meia maratona e que persiste roxa até hoje. Estes momentos foram capazes de me mostrar a energia que eu não conseguia enxergar. Além disso  capazes de  me mostrar quem estava e não estava do meu lado. Quem torcia por mim e não torcia.  

No caminho tiveram aqueles que foram capazes de me ver mal e terminar de jogar a areia nos meus planos. Mas abrindo espaço para aqueles que de fato torciam por mim, aparecesse para me dá a mão e reerguer do buraco. Foram momentos fundamentais. Um  processo doloroso que foi além das corridas... 
que me fez crescer como pessoa e enxergar o quanto o mundo é cruel não só fora. Mas em todo o meio. O quanto nem todos vão estar ali como você deseja. Como você espera. Que muitos preferem te ver chorando, a ver seu belo sorriso. Mas que mesmo assim era preciso estar sempre com o coração aberto e ao invés de agir igual, ser diferente. Era preciso ser mais que isso....
Não aguenta? melhor se distanciar. Precisei de muitos momentos em silêncio. Dos meus espaços sozinha... que fizeram  os que hoje estão em meu coração se aproximarem. Não me envergonho de ter necessitado dos momentos de solidão. Me fizeram melhor. 

Mesmo quando me aborrecia e desacreditava que o sub2 viria. Chegavam pessoas e amigos que diziam para ter calma. Que não desistisse, que o tempo daria resposta. Há muitos a agradecer. 
Mas antes deste agradecimento já feito em tantos espaços e pessoalmente,  vamos ao suprassumo. Por que há dias de choro, tristeza, suor, mas há os dias de glória e felicidade. A claridade sempre surge no fim do túnel.
Um noite nunca dura para sempre.....

E este dia não podia ter sido mais claro se não na cidade maravilhosa. Na corrida escolhida para bater a única meta do ano de 2015!!! 
Cheguei ao RIO de Janeiro na quinta-feira, muitos dias antes da corrida. 
Neste primeiro passei o dia perambulando na rua com Nil Hora. Diversão garantida com esta. Na sexta-feira parte dos amigos BALEIAS chegaram e fui ficar no Hotel IBIS com os demais. A farra já começou neste dia,  estendendo-se para o sábado quando passamos o dia em Copacabana e fiz tudo que não deveria fazer. - Hidratação excelente. Acredito que tenha bebido mais de 3 litros de água. Mas devido a estar na praia não quis almoçar por lá e tive de esperar a farra dos meninos acabar. Ou seja, almoço que é bom não houve. Só comi de verdade no jantar. Neste tive de tirar o atraso. Botei para dentro um spaghetti a bolonhesa e 3 fatias de pizza. Esperando que fosse suficiente para não me deixar na mão no dia seguinte. Já entrava em pânico ali mesmo, achando que tinha feito tudo errado.

Passei o dia de sábado um pouco tensa, embora na praia com os meninos BALEIAS.
Fui dormir quase 23h... pode se dizer que foi um cochilo, já que ás 3:30 já estavamos de pé. 
Para minha infelicidade acordei com uma enxaqueca que me tirou do trilho. Tentei vomitar antes de sair, para ver se sanava a tensão na testa. Como de costume todas as x que tenho este tipo de dor de cabeça, vomitando passa. Mas foi em vão, não consegue.
Sai do hotel  preocupada com a dor de cabeça e com muito receio da mente fraquejar por isso. 
Henrique, amigo que me acompanhou durante todo este processo, foi me deixar na porta do ônibus para largada. Tranquilizando-me e dizendo que aquela dor de cabeça iria passar e que fosse tranquila que tudo iria dar certo. Não tenho palavras para agradecer o quanto ele foi importante.

Cheguei na Barra da Tijuca tão cedo que faltava  1h45 para a largada. O tempo  foi suficiente para preparar minha mente e terminar de engolir  o que eu havia levado. Acredito até que comi demais. 3 bananas e meia com um gole de café preto.

Sentei no paralelepípedo lá na boca da largada. Grudada com a fita!!! Queria largar  na frente, para não sofrer tentando ultrapassar  muitos corredores.
Diante da enxaqueca e com receio de que ela atrapalhasse, decidi fazer tudo diferente do planejado. Dei a cara a tapa. Sou péssima com regras e manuais. Não consegui seguir a tabela orientada pelo prof. para o dia da corrida. Primeiro que não tive paciência de passar todos os tempos (que deveria estar por km) para o esparadrapo. Colei no braço apenas até o km 7. Mas, como inventei de não seguir nada por conta da dor de cabeça, no km 4 joguei fora. 

Iniciei a prova forte, bem mais baixo do que o planejado. Deveria começar a 5:40, mas meu 1km foi a 5:02. Tiveram km que cheguei a ficar a 4:43/ 4:59. E na Niemeyer que deveria estar com 5:50 variei em 5:10 - 5:22. 

Minha estrategia de prova depois do km4, quando senti a cabeça aliviar um pouco, foi correr em dupla. Passei a me aliar com pessoas e ir no bate papo. Já nem gosto né???  Perguntava para quanto a pessoa estava indo e se era boa eu colava nesta. Minha respiração estava ótima e conseguia conversar sem sofrer. O clima do RIO nem se compara ao de Salvador. Cheguei até a sentir um friozinho, devido a água muito gelada.
Dentre estas pessoas em que me aliei, havia uma menina que disse ter feito  a última a 1h48. Pensei é nesta que vou ficar.  Disser ser carioca, com um pé na Bahia. Nos encontramos na subida da Niemeyer, onde ficamos juntas até a orla, quando eu acelerei  e a larguei. Após esta, tive o prazer de ser ultrapassada por Claudia Gama, pessoa que sou fãzona e que era impossível eu conseguir acompanhá-la. Na orla ainda conversei com alguns rapazes e já fechando a prova reencontrei meu vizinho de poltrona, do busu da largada. Ele ainda me cumprimentou por eu estar conseguindo concluir a prova da maneira que almejava.
Correr assim me deixou mais leve e embora não tivesse dado a maior trela para fotógrafos neste evento, hoje vendo as fotos percebo que me diverti mesmo correndo forte. O mais engraçado é que cheguei dizendo que todas as fotos sairiam horríveis, por que de fato só olhei com atenção para as da curva  do pórtico. Onde de fato vinha feliz da vida mostrando o relógio. E dizendo eu consegui. Além de uma  da subida da Niemeyer, em que aproveitei para me divertir.
Não foi ainda desta vez que cheguei no tiro de 1k no pórtico. Sou muito besta com isso...deveria chegar explodindo, mas ainda não chego.  No entanto minha chegada foi linda.
E encho a boca para dizer que consegui fazer um sub2h digníssimo. Fechei a prova com 1h46. Meta mais que cumprida.  



Saio deste evento com uma bagagem de coisas boas!!! E com a sensação de que aprendi muito. Principalmente com meus erros. Do quanto é preciso humildade para aprender com os mais experientes. Do quanto é preciso não se deixar contaminar com vaidades. A corrida sempre foi minha válvula de escape, por isso embora queira melhorar meus tempos e ultrapassar "limites" pessoais....espero jamais me deixar ir além dos meus princípios. Das minhas raízes. 

Valeu a pena ter abdicado de muitas provas. E principalmente de não ter perdido o meu jeito de ser. Mas ter aprendido muito.

Agradeço imensamente ao meu amor - Lucas de Souza, que compreendeu minhas ausências, me segurou nos momentos de fragilidade e  pacientemente mostrou-me o caminho que deveria seguir. Agradeço ao amigo Henrique da Hora, que não faltou em nenhum momento. Nil Hora, Mary Sarvazoni, Ricardo Estratégia, Nara Oliveira, Larissa Lima, Nelson Evencio, Edmilson, Leo Cunha, Silene, Silvana, Glaucia, Cris Cangussu, Claúdia, Januário, Luciana, Bruno Sodré, Terezinha Amorim, Romário, Bruno Morais, Bruno Fraga, Ricardo, minha irmã, família. Prof Maia, Toda equipe Maia, equipe BALEIAS, minha cunhada. São muitos a agradecer, mas estes faço questão de diante mão citá-los. Perdão aos que não citei aqui, mas que sabem do carinho que os tenho e do quanto sou grata, são muitos a agradecer.
Obrigada aos que acreditaram em mim e aos que não - pois me concederam energia para vencer a mim mesma. 

4 comentários:

Edmilson disse...

Valeu Dart vc mereceu pelo seu esforço fez uma bela prova!Parabens garota

Cassia Santana disse...

Arrasou atleta, acima de tudo foi uma conquista sua.
Tenho certeza que por mais que não estivesse na pista, soube aproveitar seus treinos mesmo que solitários da melhor forma, o resultado veio.
Parabéns, feliz com seu resultado.

tutta disse...

Maravilhoso este seu relato e principalmente o tempo que você fez nesta prova Dart.
Sensacional. Meus Parabéns e que Deus permita muitas conquistas como esta.
Grande abraço e boas corridas sempre.


tutta/Baleias-PR
www.correndocorridas.blogspot.com.br

Roberto Encarnação (Bikeselva) disse...

Chegou bem para a prova, conseguiu um ótimo tempo podendo bater papo o que indica respiração tranquila. Resultado: Correu feliz e de quebra mandou um senhor sub 1h 50. Está pronta, caso queira, para fazer uma maratona com o mínimo, ou quiçá nenhum, sofrimento.
Estão de Parabéns vc seu treinador.
Abraços!