quinta-feira, outubro 29, 2015

Disney Magic Run em Salvador / 2015


No dia 18 de outubro participei da Disney Magic Run em Salvador. Embora desde que lançada eu já estivesse no desejo de ir, a decisão por correr este evento veio de última hora.  Tive dúvidas por que tínhamos muitas opções de corridas na cidade. No entanto tendo em vista que no sábado eu teria um treino de 15km no COE, optei fazer esta corrida por saber que faria mais leve do que se fosse para ASA. Iria para brincar. E de fato foi o que fiz, indo até fantasiada de Minie. O treino de sábado resumia-se a muitas ladeiras e descidas. Então Magic Run seria meu regenerativo. Era uma corrida diferente, mais minha cara e valia a pena ir para conhecer.

Fui definitivamente para brincar!!!! Sai na "elite" (embora não me considere elite), mas larguei fraca dentro do padrão que perguntaram e fiz uma corrida mediana. Só corri de verdade a partir da 2 volta e meia. Isso mesmo!!!Uma corrida de voltas. Como muitos já haviam me alertado...horrível para cronometragem e de fato foi. Fiquei imensamente frustrada e decepcionada com a empresa que cronometrou este evento. Falarei um pouco mais desta frustração. Primeiro vamos aos elogios.

Uma corrida realmente linda, da qual recomendo participarem, desde que abram mão da sua classificação de chegada bonitinha. Inscreva-se sabendo que esta poderá vir errada e que a empresa por sinal confirma este erro e nada faz.

O valor do kit foi um pouco salgadinho. Mas paguei com desconto de 30% - o que me custou r$82,00 com a taxa de conveniência do site.
Amei a camiseta e embora meu kit tenha vindo faltando coisas, não cheguei a questionar nada. Achei bem fofinho. Além dele a medalha de participação. Linda principalmente a da caminhada.
No dia em que fui fazer a retirada do kit, na sexta-feira, os bichinhos ainda não estavam lá. Só estiveram presente no sábado. Sendo assim não pude tirar uma fotinha próxima aos fofinhos. risos!!! Nem no dia da corrida...só podia chegar perto com eles em cima do palco.

Achei bem legal o local da arena da prova.  No entanto percurso bem pesadinho para crianças. Com muitas ladeiras.

Imagens por Nil Hora , Edson Magoolin e Álvaro da Correndo em SSA


A largada aconteceu no horário certo. E no momento desta, o locutor fez questão de avisar para  as mulheres que faziam pace abaixo de 4:30 a 4:50 que passassem para frente da faixa, para largarem com a elite. Eu embora envergonhada, já que não me considero elite, ainda assim avancei. Muito mais por que fiquei com receio de demorarem a dar a próxima largada. Eramos pouquíssimas mulheres e praticamente nos conhecíamos, nem que fosse de vista.Mas de outras corridas. Antes mesmo da largada eu já estava tietando a provável campeã. Claro que seria Tati e eu estava na torcida por ela. Sempre vou estar. Ela merece demais.

Eu fui para fazer uma corrida fraca e de fato fiz. Mas fiz todas as voltas. O que não admito e não admiti  neste evento foi a falta de organização e enrolação da empresa de cronometragem. Não tiveram o mínimo de cuidado em desclassificarem as pessoas que não deram as 3 voltas. Não julgo as pessoas que não fizeram, nem acredito que tenham feito de má fé. Não!!! Suponho que devido a largada tarde, 8h e por se tratar de pessoas que não correm sempre, e terem enfrentado um percurso de ladeiras, tenham desistido de todas as voltas. Mas jamais que tenham agido de má fé. Pessoas até de 60 anos, 74 anos....

Mas a empresa de cronometragem falhar na divulgação? Ainda assim as colocarem no resultado e ao serem interrogados, ainda confirmarem que o fizeram devido a ser uma corrida festiva. Ora, qual corrida festiva faz premiação?? Foi tão feio. A ponto da 3 colocada chegar no palco e informar que não treina, mas possui pace de 4:30. Soa bem estranho, quando sabemos que é uma nata que faz isso, como no caso das meninas triatletas que estavam no palco. Não estou dizendo que ela não tenha sido a 3. Jamais...mas que é estranho não treinar, não participar de corridas e ter este tempo é. E isso foi algo que a própria disse e o locutor repetiu.
Idália, eu, Ivete e Nil 
Visualizando o rapaz todo perdido na mesa de cronometragem, minha indignação se estendeu quando vi o resultado no site. Ora....se havia tanta gente elite assim, por que não largaram junto com a gente????

Sei que muitos ao lerem este relato vão me julgar. Ora como ela é vaidosa e quer estar bem classificada. Não gente.... não se trata de vaidade. Espera-se um minimo de respeito e coerência. Visualização de um "mérito pessoal". Ele não me dá nada demais...não é algo que vá encher meu bolso de dinheiro. Não.... é um mérito em saber que treinar gera bons resultados. Antes, ou algum tempo atrás talvez eu tenha cometido a mesma falha, com outros atletas, que quem esteja lendo este texto  também possa vir a cometer. Mas só de fato, após treinarmos pesado,  suarmos para driblar junto o cansaço do dia a dia é que passamos a dar importância a isso. Não se trata de vaidade e muito menos eu esperasse pódio desta corrida. Se eu quisesse pódio talvez tivesse ido para a corrida da ASA. Se é que fosse vaidade, lá eu teria muito mais condições por ter pódio de faixa etária. Mas trata-se apenas de querer visualizar uma classificação certa e digna. É como quando estudamos, um bom exemplo dado por Paim. Estudamos, não esperamos uma boa nota??? Quando se treina também queremos sim saber em que nível estamos. Dizer que não, é hipocrisia. Dizer que você compete consigo mesmo também é hipocrisia e não admito. Nossa melhora depende sempre de quem vai na frente. Quem nunca fez uso de coelhos para baixar tempos??? Então fingir que se compete é consigo mesmo  é enganar a si mesmo. Claro que nesta eu não tive com quem competir e nem fui para isso. Jamais e nunca competiria com Tati ou Ana. Elas estão anos luz a minha frente. Só se for para subir para laje de cima. Quem vê minhas fotos  desta corrida percebe que brinquei. O que é muito estranho é abri o resultado e ver uma pessoa de 74, 62 anos fazendo pace de 4:30 e na nossa frente. Se de fato faz, preciso de umas aulas com elas. Se quem não treina faz 4:30 também preciso aprender esta técnica. Já que treinando ainda estou no passo pangaré.  Sem mais, fiquei muito indignada com a empresa de cronometragem. Que por sinal respondeu-me um e-mail dizendo saber destes erros e mesmo assim mantiveram o erro. E por aí ficou. Um beijo e um abraço e só!!!!

No mais em termos de beleza a corrida é muito bacana. Fora este estresse desnecessário. Indico o evento para quem queira ir brincar. Pretendo retornar, mas espero que melhorem neste quesito. Achei o percurso um pouco difícil para crianças. Muitas ladeiras.

Após este desabafo...pulemos para a próxima corrida. Corrida agora só dia 8 de novembro!!!!

terça-feira, outubro 20, 2015

Corredoras fazem história na segunda edição da W21K ASICS








Confesso que este ano fiquei bem pensativa com relação a ir ou não correr em São Paulo a W21Asics. Pensei, pensei e acabei não indo. Mas nossa depois de ver este e-mail, ao qual compartilho com vocês, acredito que ano que vem estarei lá. Pretendo correr esta prova. Vejam que linda:



By Asics:
Prova agitou a região da USP na manhã deste domingo

 
 

"As ruas da região de São Paulo foram dominadas por milhares de corredoras, na manhã deste domingo, durante a segunda edição da W21K ASICS, que este ano foi especial, pois promoveu o Outubro Rosa, incentivando as mulheres a correrem pela luta contra o câncer.
Com um crescimento de 54% em relação a 2014, 2259 mulheres desafiaram os 21K, num percurso predominantemente plano. A largada foi às 7h da manhã na USP, com temperatura de 16 graus e garoa fina.
Pensado na segurança de todas as corredoras, o percurso que passou pelo Jockey Club, contou uma estrutura de excelência, contemplando postos de hidratação a cada 2 km, isotônico a cada 4 km, gel carboidrato, equipe médica preparada e experiente, e ativações ao longo do percurso. Ao cruzar a linha de chegada, as corredoras foram festejadas pelos amigos e familiares.
A vitória ficou com Giovanna Martins, que passou a maior parte do tempo atrás de Larissa Quintão, mas no 17º quilômetro assumiu a ponta e não perdeu mais. “Não esperava a vitória, já que há 20 dias corri a Maratona de Berlim e não estou totalmente recuperada. Estou muito feliz em vencer essa prova que se torna mais especial por ser voltado às mulheres guerreiras que somos”, falou a vencedora. Larissa terminou na segunda posição, seguida por Noeme Pereira, Rozirene Moraes e Joisse Silva.
Concluintes recebem medalha e pingente especial – Além da tradicional medalha de concluinte, as corredoras receberam um pingente banhado a ouro, miniatura da medalha. Inspirado nas flores da cerejeira, símbolo da cultura japonesa e da felicidade, a peça foi desenvolvida pela designer de joias Stephanie Stein, em parceria com a ASICS e a Iguana Sports (organizadora da prova).
A experiência única de correr uma prova 100% voltada às mulheres foi aprovada pelas participantes. “A prova é pensada em seus mínimos detalhes para agradar as corredoras, desde a retirada do kit até a entrega da medalha de finisher, que é linda. Estamos acostumadas a correr junto com os homens, mas correr apenas entre mulheres é diferente. Uma apoia a outra o tempo inteiro. Corri ano passado e voltarei em 2016, com certeza”, contou Carol Spera, de 35 anos.
Outro destaque da W21K ASICS, foi a estrutura da arena pós-corrida, que contou com centro de beleza com cabeleireiro e massagem, centro de recuperação com quiropraxia e crioterapia, aulas de zumba, além de ações de fotos, tornando sua experiência ainda mais inesquecível.


Mulheres na Luta Contra o Câncer – Em prol do movimento, todas as mulheres foram incentivadas a correrem com um lacinho rosa e após a corrida deixaram todos eles em um painel com mensagens de incentivos às pessoas que enfrentam o câncer.
A ação fez parte do Outubro Rosa, campanha mundial que simboliza a luta contra o câncer de mama. A campanha Accelerate Hope (www.asicsbrasil.com.br/acceleratehope), criada pela ASICS para conscientizar as pessoas sobre a prevenção e o combate ao câncer através do esporte irá reverter parte da renda dos produtos da coleção Accelerate Hope à Fundação do Câncer do Rio de Janeiro.

Olha os belos resultados:
Resultados
1 – Giovanna Martins – 01h21min51seg
2 – Larissa Quintão – 01h22min52seg
3 – Noeme Pereira – 01h25min27seg
4 – Rozirene Moraes – 01h25min55seg
5 – Joisse Silva – 01h30min21seg

segunda-feira, setembro 14, 2015

XXX Corrida do Águia - 2015

(Voltarei para postar fotos)



Os treinos melhoraram meu condicionamento e as postagens estão cada dia mais em atraso. Ontem, dia 13 de setembro, pela primeira vez tive o prazer de correr a XXX Corrida do Águia. Não por que nunca tivesse tido vontade, mas por que nunca tinha dado certo. Ou sei lá, nem lembro. Andei rebelde sem correr as provas da FBA durante uns tempos...rs!!!

Para muitos esta sempre foi uma corrida bastante temida. E de fato tem lá seus motivos. Ela valeu mais que uma meia maratona. Ainda mais debaixo daquele sol escaldante, que fez muitos passarem mal.

Imagem by Patricia Narriman
Embora fosse 11km, com alguns trechos de elevação... Nos 400m finais, havia a tão temida ladeira do zoológico. Nunca treinei por lá e ainda que com a parceria de Ricardo Estrategia no incentivo, senti que que a pegada era punk!!! rs!! Andei uns tiquinhos. Já havia subido de bike, mas não me recordava ser tão grande assim. 400 m finais bem difíceis e que não vou ser hipócrita sofri. Ainda para completar engoli água pelo nariz, no pé da ladeira. Eu não estava em um bom dia para correr, estava sentindo dor na perna direita (devido a um alongamento mal feito durante a semana). Pensei em não participar, mas sempre com a  vontade falando mais alto fui. Para minha sorte hoje estou sentindo bem menos o desconforto que senti desde a quinta-feira e como precaução vou ficar uns dias sem treinar observando. Fui de ousada, por que o certo seria repouso. As corridas estão muito próximas uma da outra e por isso requer prudência. O que tem me feito pensar milhões de x se vou ou não para a Farol a Farol. Mas enfim.... corri e cheguei dentro do tempo planejado pelo professor, antes de saber que eu estava sentindo a perna.

Largamos eu, Sarah - minha cunhada, e Ricardo. A ideia era corrermos toda prova juntos. Se alguém se sentisse melhor fosse embora. Tanto eu, ela, quem fosse. Eu preferia que chegássemos todos juntos e por diversas vezes virava para chamá-la. Sei que ficar chamando as x isso pode ser bom ou ruim. Então teve um momento que Rick disse para seguirmos que ela viria. Corrida é assim, mas eu confesso que ainda fico meio assim. Não gosto de comparações.... além de estar pisando em pódios de fato competitivos agora. O que para mim sempre foi brincadeira e fuáaa!!! Corrida é tão relativa. Um dia um esta melhor que o outro. As x ela, as x eu, e as x Rick, assim como os demais. Então nem tem por que existir comparações. Hoje tenho tempo para treinar. Amanhã se não tiver todos vão passar de mim, e daí??? Ontem era Rick que estava melhor que as duas embrulhadas juntas.... subiu a ladeira voando e passando de todos. Mas segurou a onda para ir com a gente. 

Gostei bastante de participar desta prova. Na minha faixa etária embora tivesse ido já sabendo que seria apenas para participar, ainda rolou um 3 lugar. E que me deixa muito orgulhosa por ser ao lado destas duas feras  - Miriam que eu já conhecia e admirava, e Patricia (não conhecia). Sou nova nesta faixa e estou conhecendo as colegas agora. 


No fim foi um domingo super bacana.  Enquanto o corpo esta agindo legal vou aproveitando para correr.... logo mais volto as obrigações da faculdade e com certeza o rendimento se não mantiver os treinos em alta irá cair. Gostaria de deixar registrado minha admiração por Mariana Meneses da Hércules.  Que me deu o maior incentivo para me superar neste dia. Incentivando-me para que eu melhorasse. Obrigada Mari. Quero ter sempre pessoas do seu estilo por perto. Que não deixa subir para cabeça. Pódio é  mera consequência, apenas demonstra apenas nossa disciplina Você foi minha inspiração quando eu estava treinando para meia maratona. Por que a via como uma pessoa normal e que treinava também superando seus receios. Na Baltazar eu aprendi a te admirar, aliás naquela eu já me inspirava em você.

Aproveito este fim de postagem para emitir minhas observações frente aos excessos que percebi nesta prova, mas que acontecem sempre. Que por sinal momento algum podemos culpar organização. Foi uma corrida organizada. Só achei que largou tarde. Mas tinha muitos postos de hidratação: ok! Como passei logo não sei como ficou a assistência para os que vinham atrás. Quanto a isso não ouvi nada. 

No entanto queria chamar atenção para aqueles que as vezes deixam de se hidratar para ganhar segundos a menos na prova. Ou que correm além do preparado. Ontem vi muita gente passar mal. Isso não é incomum, em todas as corridas ocorre. Mas tenho visto muitos excessos e fico preocupada. Gente faça em prova somente o que estão aptos  a fazer e se estiver se sentindo bem. Não esta, reduz ou para. Isso não é um desestimulo para que corra melhor. Não!!! mas um estimulo para que se quer forçar, treine. Quando eu treinava mal, nunca me excedi em provas. Ia no passo pangaré e nunca tive vergonha de chegar pangareando. Levo cada medalha com mesmo orgulho. Lembrava sempre de uma fala que um dia um nutricionista me disse. Passe mal em treinos, mas não passe na prova. Sou medrosa isso é fato. Mas sinto que o medo embora as x paralise, também evita este tipo de coisa. No mais é isso.... vamos correrrrr....

Uma semana iluminada a todos!!!

terça-feira, setembro 01, 2015

Circuito da Longevidade.... agora foi!!!



Imagem por Edson Magoolin 

Pela quarta vez marquei presença no Circuito da Longevidade, corrida promovida pela Bradesco. Com largada para às 8h, atualmente tenho adquirido a prática de chegar mais cedo na arena. Isso para ter tempo de conversar um pouquinho e aquecer. Diferente da Dart que não tinha "metas" em eventos, atualmente a nova Dart aquece. É mais disciplinada. E assim tem sido enquanto posso e a minha rotina permite. Quando não mais permitir, volto para o oba oba e apenas a  mera participação sem tantas superações. Ou superações por continuar....

A largada ocorreu no horário programado. No entanto dado ao calor que Salvador já tem começado a fazer, penso ser muito tarde. Até mesmo por questões de saúde, já que é o tipo de corrida que inclui toda família.

Após por três anos seguidos ter mantido os 33 min nos 6 km  e sido a 4 colocada na faixa etária...  Ano passado até mesmo deixando de subir no pódio por 1 segundo. Este ano tomei a decisão de ir para o evento com um único objetivo: conquistar o 3 lugar. Pensei desta maneira e ainda assim fiz uma prova confortável. Seguindo um pace proporcional aos meus últimos 10 km. E dado pela calculadora.
Tive o prazer de correr ao lado de pessoas queridas. Henrique o inseparável, sempre Da Hora... Ricardo Estratégia que ajudou muito, Léo Cunha que também me acompanhou momentos finais e ainda meu amor que foi lá me prestigiar e correu alguns metros comigo. 

Corrida feita e promessa cumprida. Melhor do que esperado. Ao invés do 3 lugar conquistei a 2 posição na minha faixa etária (por 5 segundos não fui a campeã). 

Tenho dito que este ano estou sendo muito feliz na pista. Não pelos pódios conquistados, isso tem sido o de menos. Mas por estar me superando. Vencendo minha própria mente. Não há coisa pior que se bloquear por medos. Sendo assim tem sido conquistas pessoais, mas que conto com o apoio de muitos amigos e familiares.
As vezes quem lê aqui nem imagina o que há por detrás de horas de treinos, disciplina e dedicação. Além disso tudo temos o apoio de pessoas que às vezes acreditam mais na gente que nós mesmos.

Por isso sempre faço questão de agradecer ao meu prof Renato Maia por acreditar em mim. A Silvana Alves que muito me identifico na equipe. Aos amigos, familiares, meu amor, minha cunhada. Todos....sempre. 

Adquirida a disciplina e já tendo conquistado o queria para este ano, estou bem mais tranquila. Sem muitas ambições para o segundo semestre. A partir de agora apenas me preparando para uma nova meia e na dúvida se participo ou não da Farol a Farol. Não quero sobrecarregar o corpo com muitas provas e já tenho tido muitas seguidas. Por isso ainda pesarei. A vontade sempre é maior. Mas minha prudência sempre fala alto também. Cada um segue como acha que convém....eu prefiro ir na cautela sempre.


terça-feira, agosto 04, 2015

Meia maratona do RIO de Janeiro: Meta pessoal vencida!!!!

"Um domingo de tarde sozinha em casa dobrei-me em dois para a frente - como em dores de parto - e vi que a menina em mim estava morrendo. Nunca esquecerei esse domingo. Para cicatrizar levou dias. E eis-me aqui. Dura, silenciosa e heróica. Sem menina dentro de mim." Clarice Lispector 🍀




Início de 2014.... E diferente de outros "começos" de ano, consigo traçar uma meta diferenciada para minha "vida corrida". Isso devido a estar com a rotina um "pouco mais estável". Faculdade e trabalho somente.

A verdade é que eu desejava iniciar o ano  dizendo que havia chegado a hora de correr uma maratona. No entanto, após muitas conversas e reflexões, já relatadas nesta postagem  , cheguei a conclusão que não era o momento. 
Hoje, passados mais de 6 meses tenho a certeza que tomei a decisão mais acertada. Deixando a maratona para mais adiante. Agora tendo a convicção que ela esta cada dia mais distante para minha rotina.... Tenho muitos planos e projetos que fazem ela ser adiada ainda mais. Sou nova e tenho uma vida pela frente. Por isso quero muito mais meias e desafios diferenciados.

Corro desde  2010 e sempre fui muito cautelosa nas distâncias e em cada desafio traçado.  Por  sorte ou devido ao cuidado, de lá para cá nunca me machuquei. Espero que continue sendo assim. (Continuarei vencendo a mim mesma, mas jamais ultrapassarei os limites do físico.)

* Decidida  não ser a hora da tão sonhada MARATONA, optei por me desafiar de uma outra forma. Com algo diferente do que já havia realizado.
Já que "estava" com a vida um pouco mais tranquila como a de outros anos. Podendo, mesmo com o cansaço, driblar os treinos com a faculdade e o trabalho... optei por ir em busca do sub2h na meia maratona. Acredito que após ter corrido mais de 10 meias maratonas estava na hora. Com certeza!!
Momento algum envergonho-me dos meus tempos. Jamais!!Foram conquistas minhas, pessoais e quase nunca planejadas. 

DART com SUB2h...??? Eta planozinho "filho de uma peste". Não imaginava o quanto seria difícil e sofrido. Que iria mastigar o pão que o diabo amassou. Mas que ao  final teria orgulho de derramar lágrimas de uma vitória pessoal. Tão bom quando as coisas chegam desta maneira.  
Dizer: EU CONSEGUI é maravilhoso. Mas senta para ouvir o qão foi "brabo".

Pelo menos para Dart não foi fácil. E como não sou  hipócrita conto tim tim por tim tim. Doeu? Claro que sim. Muito mais no psicológico que no físico, que por via das dúvidas já estava bem adaptado a corrida. Não me questiono quanto ao físico que tenho para uma maratona... questiono o meu psicológico, que não estava preparado.

Os que estiveram comigo durante este processo de treino, viram o quanto foi trabalhoso a metamorfose da atleta "café com leite" para a atleta amadora "café preto amargo" e barril dobrado. kkkk!!! esta última titularidade não veio de mim. rs!!! Suei e derramei muitas lágrimas. Só quem esteve comigo sabe. Tive sempre ao meu lado o meu amor que embora não estivesse correndo me apoiou e incentivou em tudo. Além dele amigos e minha família que me acompanha em tudo...mas não dá muito crédito a corrida. rs!!!

O primeiro passo após a decisão pelo sub2, foi ir em busca de algum treinador.  Indicado por Larissa Lima, escolhi treinar com Renato Maia. Já o conhecia desde o meu início de corridas, não como treinador, mas como um excelente atleta. Um dos motivos em ficar com o mesmo, foi poder continuar correndo com a camisa BALEIAS. Quem acompanha o blog há muito tempo, conhece o que se trata a filosofia BALEIAS. Além disso sabe o quanto valorizamos o uso da camisa, tendo em vista que é nosso único meio de "divulgação" do grupo. Maia foi bastante compreensivo com relação a este ponto e nunca me "obrigou" que vestisse a sua camisa. Muito pelo contrário, as vezes que o fiz. Fiz por que quis. Mas jamais deixei de divulgar, principalmente aqui no blog, que estivesse com algum treinador. Seu nome sempre foi divulgado, essencialmente nas vezes em que baixei tempos e alcancei conquistas pessoais.

Escolhido o treinador, pulemos para a  pior parte... rs!! Por as planilha em prática. 
Uma pessoa que simplesmente saía para correr quando quisesse, e corria quanto quisesse passar agora a ter obrigação de cumprir o que tivesse prescrito para o dia. RUMMM!!! Foi fácil não. rs!! Determinados momentos a vontade foi de mandar aquela planilha para o "inferno" e jogar fora.... 
mas, pensei.... assim como nos estudos, a corrida também necessitaria de dedicação. Se queria melhorar meus tempos era preciso disciplina. Se havia planejado ser esta a meta do ano, que corresse atrás. Nada cairia do céu. Era preciso suar para chegar onde desejava. 

Treinei na pista no primeiro mês ou mais algum tempo. No entanto, me sentindo pressionada e desacostumada com o hábito de treinar com tanta gente observando, optei por abandonar. Acredito ter feito uma escolha desacertada,mas coerente naquele momento. Desacertada por ser um pouco mais sofrido crescer, "em ritmo", sozinha. O treino em equipe e na pista torna o treino "mais prazeroso" para alguns e ajuda muito a adquirir velocidade.  Mas penso que naquele momento foi a melhor decisão que puder tomar e  que me ajudou muito a crescer e amadurecer enquanto pessoa.  A sofrer quando julgava que meus treinos não estavam bons e a animar nos momentos "bacanas". Não foi fácil!!! Contudo necessário. Hoje julgo que foi muito bom!!

Treinando sozinha tive muitos momentos de baixa e desânimo. De vontade de jogar o "desejo" no lixo. Chamo desejo, por que isso é muito pouco para que eu chame de sonho. A corrida não é meu "ganha pão", sendo assim trata-se apenas de um hobby e sempre foi motivo de prazer. Já que corro por que AMO. Escolhi sozinha e para mim...sem incentivo ou empurrada. Não trata-se de sonho, nem vaidade. Sonho talvez seja correr para o resto da vida. Ai sim qualificaria como um sonho.

Os momentos de baixa acredito terem sido importantíssimos. Mesmo quando eu saía para treinar chorando. Ohhh como fui besta... acho que a TPM deve ter chegado com força total alguns dias. Ainda penso que estes dias foram os melhores. Que mostraram onde morava a minha força. Os dias em que torci o pé, o da véspera da viagem - em que cai de costas ralando o braço e batendo a bunda. Que me fez sentir por toda a meia maratona e que persiste roxa até hoje. Estes momentos foram capazes de me mostrar a energia que eu não conseguia enxergar. Além disso  capazes de  me mostrar quem estava e não estava do meu lado. Quem torcia por mim e não torcia.  

No caminho tiveram aqueles que foram capazes de me ver mal e terminar de jogar a areia nos meus planos. Mas abrindo espaço para aqueles que de fato torciam por mim, aparecesse para me dá a mão e reerguer do buraco. Foram momentos fundamentais. Um  processo doloroso que foi além das corridas... 
que me fez crescer como pessoa e enxergar o quanto o mundo é cruel não só fora. Mas em todo o meio. O quanto nem todos vão estar ali como você deseja. Como você espera. Que muitos preferem te ver chorando, a ver seu belo sorriso. Mas que mesmo assim era preciso estar sempre com o coração aberto e ao invés de agir igual, ser diferente. Era preciso ser mais que isso....
Não aguenta? melhor se distanciar. Precisei de muitos momentos em silêncio. Dos meus espaços sozinha... que fizeram  os que hoje estão em meu coração se aproximarem. Não me envergonho de ter necessitado dos momentos de solidão. Me fizeram melhor. 

Mesmo quando me aborrecia e desacreditava que o sub2 viria. Chegavam pessoas e amigos que diziam para ter calma. Que não desistisse, que o tempo daria resposta. Há muitos a agradecer. 
Mas antes deste agradecimento já feito em tantos espaços e pessoalmente,  vamos ao suprassumo. Por que há dias de choro, tristeza, suor, mas há os dias de glória e felicidade. A claridade sempre surge no fim do túnel.
Um noite nunca dura para sempre.....

E este dia não podia ter sido mais claro se não na cidade maravilhosa. Na corrida escolhida para bater a única meta do ano de 2015!!! 
Cheguei ao RIO de Janeiro na quinta-feira, muitos dias antes da corrida. 
Neste primeiro passei o dia perambulando na rua com Nil Hora. Diversão garantida com esta. Na sexta-feira parte dos amigos BALEIAS chegaram e fui ficar no Hotel IBIS com os demais. A farra já começou neste dia,  estendendo-se para o sábado quando passamos o dia em Copacabana e fiz tudo que não deveria fazer. - Hidratação excelente. Acredito que tenha bebido mais de 3 litros de água. Mas devido a estar na praia não quis almoçar por lá e tive de esperar a farra dos meninos acabar. Ou seja, almoço que é bom não houve. Só comi de verdade no jantar. Neste tive de tirar o atraso. Botei para dentro um spaghetti a bolonhesa e 3 fatias de pizza. Esperando que fosse suficiente para não me deixar na mão no dia seguinte. Já entrava em pânico ali mesmo, achando que tinha feito tudo errado.

Passei o dia de sábado um pouco tensa, embora na praia com os meninos BALEIAS.
Fui dormir quase 23h... pode se dizer que foi um cochilo, já que ás 3:30 já estavamos de pé. 
Para minha infelicidade acordei com uma enxaqueca que me tirou do trilho. Tentei vomitar antes de sair, para ver se sanava a tensão na testa. Como de costume todas as x que tenho este tipo de dor de cabeça, vomitando passa. Mas foi em vão, não consegue.
Sai do hotel  preocupada com a dor de cabeça e com muito receio da mente fraquejar por isso. 
Henrique, amigo que me acompanhou durante todo este processo, foi me deixar na porta do ônibus para largada. Tranquilizando-me e dizendo que aquela dor de cabeça iria passar e que fosse tranquila que tudo iria dar certo. Não tenho palavras para agradecer o quanto ele foi importante.

Cheguei na Barra da Tijuca tão cedo que faltava  1h45 para a largada. O tempo  foi suficiente para preparar minha mente e terminar de engolir  o que eu havia levado. Acredito até que comi demais. 3 bananas e meia com um gole de café preto.

Sentei no paralelepípedo lá na boca da largada. Grudada com a fita!!! Queria largar  na frente, para não sofrer tentando ultrapassar  muitos corredores.
Diante da enxaqueca e com receio de que ela atrapalhasse, decidi fazer tudo diferente do planejado. Dei a cara a tapa. Sou péssima com regras e manuais. Não consegui seguir a tabela orientada pelo prof. para o dia da corrida. Primeiro que não tive paciência de passar todos os tempos (que deveria estar por km) para o esparadrapo. Colei no braço apenas até o km 7. Mas, como inventei de não seguir nada por conta da dor de cabeça, no km 4 joguei fora. 

Iniciei a prova forte, bem mais baixo do que o planejado. Deveria começar a 5:40, mas meu 1km foi a 5:02. Tiveram km que cheguei a ficar a 4:43/ 4:59. E na Niemeyer que deveria estar com 5:50 variei em 5:10 - 5:22. 

Minha estrategia de prova depois do km4, quando senti a cabeça aliviar um pouco, foi correr em dupla. Passei a me aliar com pessoas e ir no bate papo. Já nem gosto né???  Perguntava para quanto a pessoa estava indo e se era boa eu colava nesta. Minha respiração estava ótima e conseguia conversar sem sofrer. O clima do RIO nem se compara ao de Salvador. Cheguei até a sentir um friozinho, devido a água muito gelada.
Dentre estas pessoas em que me aliei, havia uma menina que disse ter feito  a última a 1h48. Pensei é nesta que vou ficar.  Disser ser carioca, com um pé na Bahia. Nos encontramos na subida da Niemeyer, onde ficamos juntas até a orla, quando eu acelerei  e a larguei. Após esta, tive o prazer de ser ultrapassada por Claudia Gama, pessoa que sou fãzona e que era impossível eu conseguir acompanhá-la. Na orla ainda conversei com alguns rapazes e já fechando a prova reencontrei meu vizinho de poltrona, do busu da largada. Ele ainda me cumprimentou por eu estar conseguindo concluir a prova da maneira que almejava.
Correr assim me deixou mais leve e embora não tivesse dado a maior trela para fotógrafos neste evento, hoje vendo as fotos percebo que me diverti mesmo correndo forte. O mais engraçado é que cheguei dizendo que todas as fotos sairiam horríveis, por que de fato só olhei com atenção para as da curva  do pórtico. Onde de fato vinha feliz da vida mostrando o relógio. E dizendo eu consegui. Além de uma  da subida da Niemeyer, em que aproveitei para me divertir.
Não foi ainda desta vez que cheguei no tiro de 1k no pórtico. Sou muito besta com isso...deveria chegar explodindo, mas ainda não chego.  No entanto minha chegada foi linda.
E encho a boca para dizer que consegui fazer um sub2h digníssimo. Fechei a prova com 1h46. Meta mais que cumprida.  



Saio deste evento com uma bagagem de coisas boas!!! E com a sensação de que aprendi muito. Principalmente com meus erros. Do quanto é preciso humildade para aprender com os mais experientes. Do quanto é preciso não se deixar contaminar com vaidades. A corrida sempre foi minha válvula de escape, por isso embora queira melhorar meus tempos e ultrapassar "limites" pessoais....espero jamais me deixar ir além dos meus princípios. Das minhas raízes. 

Valeu a pena ter abdicado de muitas provas. E principalmente de não ter perdido o meu jeito de ser. Mas ter aprendido muito.

Agradeço imensamente ao meu amor - Lucas de Souza, que compreendeu minhas ausências, me segurou nos momentos de fragilidade e  pacientemente mostrou-me o caminho que deveria seguir. Agradeço ao amigo Henrique da Hora, que não faltou em nenhum momento. Nil Hora, Mary Sarvazoni, Ricardo Estratégia, Nara Oliveira, Larissa Lima, Nelson Evencio, Edmilson, Leo Cunha, Silene, Silvana, Glaucia, Cris Cangussu, Claúdia, Januário, Luciana, Bruno Sodré, Terezinha Amorim, Romário, Bruno Morais, Bruno Fraga, Ricardo, minha irmã, família. Prof Maia, Toda equipe Maia, equipe BALEIAS, minha cunhada. São muitos a agradecer, mas estes faço questão de diante mão citá-los. Perdão aos que não citei aqui, mas que sabem do carinho que os tenho e do quanto sou grata, são muitos a agradecer.
Obrigada aos que acreditaram em mim e aos que não - pois me concederam energia para vencer a mim mesma. 

terça-feira, julho 07, 2015

Corrida do CT Gantuá com muitas histórias para contar e aprendizados. Evento maravilhoso!!!!

Após participar do Fun tour Sports  em Mucugê a convite da Gantuá, para reconhecimento do percurso da Corrida do CT, foi impossível controlar a vontade de correr neste evento. Empolguei-me bastante e até convenci meu professor a modificar a planilha que visava Rio de Janeiro. Passando a visar então esta corrida. Na verdade foi um investimento a mais. Que valeu bastante a pena mesmo correndo um pouco mais.... fato que mais a frente relatarei. Super recomendo este evento para quem gosta de corrida de trilha. 
O visual é lindo, além da organização ser acessível e muito responsável com os atletas. Participantes do evento preparadíssimos. Tão bem preparados, a ponto da última equipe de aventura chegar às 5h da manhã do outro dia, inteiros e bem. Sem machucados maiores que torções de pé e dores no corpo.

Foi minha primeira corrida de trilha neste nível de dificuldade. E quantas dificuldades encontramos!!!Nada demais que não fosse adaptável. Uns 21km, que segundo meu professor valem por 30km. Primeira corrida traill  que participei  e que  já deixou  histórias de superação para contar. Retorno simplesmente extasiada com o feito e parceria.

Excelente "experiência e aprendizado". Muita coisa me faz repensar após esta prova.  

O evento foi muito bonito. E já que cheguei na quinta-feira, dias antes do evento, ainda pude aproveitar bastante Mucugê. Na quinta, assim que chegamos subimos o cruzeirão, naquele pique. Afim de ainda pegar o por do sol. Subida punk para o tempo que tínhamos. Mas que valeu muito a pena. Que visual. A descida foi na escuridão mesmo. Muito bem guiados.

Na sexta a ideia era descer de rapel. Mas acabei indo fazer um trekking até a Cachoeira do Funil. 10km de trilha em plena véspera de prova. Trekking que me fez perceber que de fato meu corpo tem reagido bem aos treinos. Assim como o por do sol, valeu  a pena esta boa caminhada para contemplar toda aquela belezura.

Durante as noites, aproveitamos bastante para conhecer ainda mais a gastronomia de Mucugê. Comemos a pizza da Garagem - simplesmente maravilhosa. Aproveitamos o Point do Macarrão. O Bicafé, o café.com. Restaurante sabor e arte (bom demais), assim como sabor da Picanha e a padaria. Muito bom!!!

Ah desta vez fiquei hospedada na Pousada Oliveira. Um pousada um pouco mais simples que a Mucugê. Mas super aconchegante e com ótimos preços. Recomendo para quem deseja custo/benefício. 

--------------------

Sobre a Corrida do CT Gantuá...

(Conforme for saindo as fotos completo a postagem)


Fiz dupla com Bira Paim. Ambos fizemos reconhecimento da trilha anteriormente. Largamos com a meta de aquecer primeiro e logo em seguida puxar ritmo para não sermos cortados da corrida. Esta era uma prova que teria corte em dois pontos. No portão dos 5km, onde somente 60% dos atletas passariam e nos 11km em que 20% seguiriam. Ou seja 16 duplas do total. 

Queríamos passar bem no corte dos 11km. Por isso esticaríamos até este ponto e de lá decidiríamos como seguir sem tanta pretensão. A surpresa foi maior por passarmos pelos 11km, sendo os primeiros em dupla mista. Pelo visto tínhamos  passado da outra dupla mista no 4km e neste eramos ainda a 4 dupla geral. 
Ficamos tão felizes que até comemoramos nossa passagem. Não festejamos antes de terminar, já que a meta não era pódio. Era uma comemoração por conseguir passar do portão e poder concluir os 21km. Fora que não há corrida em que eu não passe sem estar feliz!! Queríamos muito fazer o Mega Power e tanto eu quanto Bira temíamos ser limados dos 21k. Acreditávamos que seria bem difícil e que haviam pessoas mais bem preparadas que a gente. Por isso demos muito gás no início da corrida.  

Entretanto, passados para o circuito Mega Power acabamos nos perdendo pela trilha, por não enxergarmos  a seta branca que sinalizava para onde ir. Nós dois "ficamos cegos" e não enxergamos a sinalização. Os experientes em trilha dizem ser normal dispersar. Eu estava bem focada, embora viesse atrás do meu parceiro. Fiquei muito inconformada no dia. Já que a seta era enorme e branca. Mas assim como nossa dupla "Star Wars", outras também se perderam durante a corrida e só depois ficamos sabendo. Mesmo aqueles que fizeram reconhecimento. 

Levamos algum tempo até achar o caminho de volta. Começamos a subir para retornar ao ponto inicial. E olha que foi chão!!! Não visualizar esta seta nos custou 2.77km de distância a mais.

Fizemos uma bela parceria e corrida. Um incentivava o outro quando percebia que estava desmotivando. Mesmo perdidos no baile, ou melhor na mata não desistimos e encontramos força para superar a quilometragem perdida. Na hora é claro que entristece sabendo que liderávamos. Era uma frustração não por busca de pódio. Nada disso. Mas muito mais por sabermos que tínhamos passado bem para o Mega Power e depois ter perdido a estrategia. Temos certeza que fizemos uma boa prova. Desde a largada, seguimos todo o regulamento como mandava o figurino.  Este eu fiz questão de ler todinho por nunca ter participado de uma prova de trilha pesada como esta. Relendo-o vejo que os participantes são reflexo deste. Todos de fato muito bem preparados. Os tais "brutos". Excelentes atletas e preparadíssimos para o que der e vier. De admirar todos os  atletas que cruzaram aquele pórtico. 

Eu e Bira corremos por quase toda a prova e ao invés de cruzarmos com 21km, fechamos a prova com  23.77km rodados. Sendo das 5 duplas mistas a 3 dupla a cruzar com 3h02. Mesmo com o atraso ainda subimos no pódio. 

As impressões que ficam deste evento é que não se pode subestimar qualquer sinalização. Além disso jamais dispersar com a paisagem. Tem de se manter muito atento a tudo que passa. A todas as fitas vermelhas, bem como as setas, já que só tem staffs nos pontos de hidratação e corte. Além disso deve se estar bem preparado para pouca hidratação já que não podemos receber nada de fora. São somente 3 postos. E jamais jogar lixo na trilha. "Pegou uma garrafa de água, só é permitido jogá-la no próximo posto". 

Ao me lançar este desafio o intuito era conseguir fechar o circuito Mega Power. Faltando pouco tempo para a meia do Rio de Janeiro inventei esta maluquice e não podia ter sido mais arteira do que fui. Graças a Deus consegui participar sem cair, nem me machucar ou lesionar. Não fui com pretensão de pódios, mas em conseguir fechar os 21km. 
Sendo assim saio muito feliz do evento. Com a certeza de que estou em boas mãos quanto ao treinamento. Até mesmo o psicológico contou nesta corrida. No momento em que nos perdemos me frustrei um pouco. Não vou ser hipócrita em dizer que não. Claro que qualquer um se frustraria. Mas após este pude refletir bastante e levar como mais um aprendizado. Assumir os erros que cometi, recuar e principalmente me desculpar com quem deveria. Ás vezes a adrenalina nos "faz ir longe" e é preciso rever os conceitos para não perdermos nossos princípios e caráter. Ser mais humilde. 

Gostei muito do evento e só tenho a agradecer aos  amigos que aceitaram ir comigo e que por sinal se superaram subindo  no 2 lugar do pódio. Fico imensamente feliz por Henrique e Terezinha, dupla que eu mesma montei. São duas pessoas queridas  e eu tinha muito receio deles não gostarem do evento. Mas ao contrário adoraram. Adorei a companhia de todos que compartilharam esta corrida comigo e aos que ficaram na mesma pousada. Aprendi muito com todos vocês. Aproveito para parabenizar a Thays e Gringol dupla TPM que fizeram uma linda parceria e subiram em primeiro lugar, ainda em nossa categoria. E a todos os atletas que participaram da Corrida do CT Gantua. Minha admiração é para todos na mesma intensidade e independente de tempos. Tanto os que chegaram cedo, quanto para os que chegaram na madrugada e às 5h do outro dia. Todos são verdadeiros guerreiros. E estavam muito bem preparados e resistentes. É de impressionar a força que tiveram até o final da prova.

Adorei o evento como um todo.Uma experiência e tanto que vai ficar guardada na memória. Agradeço ao meu professor Renato Maia por ter modificado minha planilha para este evento em si.

E ainda a Diana e Alan da Gantuá pela credibilidade em me convidar para o Fun Tour Sports; Se não fosse aquele evento eu jamais teria me animado a estar presente no evento. Vocês são muito competentes e tudo foi muito bonito e ocorreu bem. Adoramos a festa de encerramento. Aproveitamos cada minuto. Tudo lindo. A largada, a ideia da volta pela cidade, a festa...as medalhas e troféus criativos. Enfim estão de parabéns e desejo que esta corrida seja sempre um sucesso.  

Passado uma corrida cheia de aventuras é hora de voltar aos treinos e recarregar as baterias......

Boas corridas e treinos a todos!!!!

domingo, maio 31, 2015

Eu confiei, acreditei e eles nos surpreenderam!!!.... Running Daventura 2015



Minha relação de amor com a Running Daventura não é de hoje, nem de ontem. Vem de longas datas e marca meu princípio de corrida. Início de desafios!! Esta jamais deixará de existir em meu calendário de corrida, por erros humanos que ficaram no passado. O verdadeiro atleta após erros, quedas e obstáculos supera qualquer falha. E volta a tentar.

(abrindo um parênteses para uma historinha!!!... rs!)

Um dos exemplos mais próximos de superação que  temos na história do atletismo é a do Vanderlei Cordeiro. Que por sinal nos rendeu a única medalha de bronze que o Brasil já recebeu em maratona Olímpica. Ademais um ensinamento sem tamanho. Até hoje tenho gravada em mente esta cena. Quando no 36km, focado por vencer a maratona, Vanderlei levou um susto e foi empurrado para fora da pista de atletismo por um invasor - o irlandês Neil Horan.  Eu não conseguia imaginar como ele ainda tinha se reerguido e continuado a correr. Só quando o conheci pessoalmente que fui entender o tipo de ser humano que ele é.

Em uma corrida, tive a oportunidade de assistir uma palestra com o Vanderlei Cordeiro e este nos disse, emocionado, que aquela tinha sido a prova mais difícil da sua vida. Pensou em desistir. No entanto ele só tinha duas opções. E a que fez foi se recuperar, mesmo sem forças e seguir firme em frente. Ao menos para tentar concluir. Sabendo também que havia muitos brasileiros torcendo por ele. Este com sua força de acabou nos trazendo uma medalha de bronze e no encerramento dos jogos olímpicos ainda foi condecorado com a medalha Pierre de Coubertin. Uma medalha que é concedida apenas aqueles que tem espirito esportivo.  Ele nos mostrou que não só era um excelente corredor, como possuía elevada humildade, que valorizava a competição olímpica muito mais do que a própria vitória. Muitos de nós amadores (e não me isento) precisamos aprender e ter em mente este exemplo do Vanderlei.

Mas continuando....

Pelo quinto ano consecutivo tenho o prazer de participar deste evento e como sempre sair satisfeita. Muito feliz com o contato com a natureza e com o nível de dificuldade da prova. Cada ano a RD nos surpreende mais!!! E que trilhinha boa!!! A Sapiranga já é minha paixão tanto na corrida quanto nos pedais. Uma pena quem perdeu esta delícia!!!  

RD eu corro desde 2011 e sempre farei de tudo para estar presente (aqui podem conferir alguns relatos das minhas últimas participações  2011, 2012, 2013, 2014). Algumas até deram pódio (peguei depois já que não esperava subir. Mas tá valendo). Mesmo com sentimento do "sair para correr que eu adotava" sempre foi um prazer e as consequências foram as melhores. Além do pódio, o blog ainda recebeu um troféu de agradecimento.

O mais importante  e instigante sempre foi o desafio. Ah! destes eu gosto. De ter corrido os 8km, 14km, e 21km - por duas vezes. O contato com a trilha é o que mais me interessa participar. Tendo em vista que ela nunca será a mesma. Ora uma árvore poderá cair, ora uma pedra, tudo muda constantemente. Assim como a vida.

Estamos em constante mudança. Ora queremos algo, ora outra coisa. E o que seria de nós se todo dia fosse tudo igual. Costumo comentar..... que se a Bahia investisse mais em provas de aventura, trilhas, eu caia fora de asfalto e pulava para natureza. Meio difícil, já que minha paixão é correr e em qualquer lugar... mas todo dia se tem uma meta....o que seria da gente sem desejos!!!



Pois bem!!! O evento deste ano foi organizadíssimo. Bombeiros, seguranças, kit ok!! (por sinal achei a camisa bonita), água gelada pelo meio do percurso. Bastante staffs. Muitos fotógrafos (para quem gosta!!!). Deram um show de organização. Ao final ainda teve aula de zumba e muita animação. Acredito que dado ao fato ocorrido ano passado eles passaram por cima e foram  muito felizes com o evento deste ano. Penso que todos tem direito de errar, e a estes deve ser dado uma segunda chance. Eu acreditei e mesmo alguns criticando por ir novamente, estive presente e sempre estarei, goste ou não. Aquele que nunca errou atire a primeiro pedra. Tenho certeza que não fica um!!!!

Quanto a minha corrida.... Após a FUN TOUR!!!humm nossa!!! voltei maravilhada e com a cabeça meio pelo avesso querendo mudar todos os planos. Sou EU!!! Para a Daventura meu professor não me passou nenhuma estipulação de tempo, nem nada para que fizesse. Fui sem objetivo nenhum e creio que na saída errei e feio. DE NOVO!!! Sai um pouco forte, sei lá!!!...dei chabu ou não, mas curti. Não levei carboidrato e acabei sendo contribuída por uma aluna do prof. Jardel (não sei o resto do nome da assessoria / camisa amarela); Esta foi minha parceira até o final da corrida.

O percurso foi modificado com relação a anos passados, em muitos momentos reduzi a velocidade e andei muito (rs!!). Dado o fato de ter fechado 57km na semana, acho que não fui tão mal. Pelo meu garmim fechei em 1h09 (quando resultado for oficializado edito).

Estou bem satisfeita com meus resultados, dado a minha rotina, e o quanto tenho ralado para cumprir treinos, planilha e cobranças com a faculdade.  O que mais me cansa de fato não são os treinos e sim o estudo. Provas de faculdade, corridas e mais corridas. Ás vezes me sinto uma guerreira em conseguir fazer tudo que consigo.
Se parar para contar as corridas que já fiz este ano, tenho certeza que nem se comparam as do ano passado.

Não utilizo aqueles como desculpa por não colher mais e melhores resultados. Jamais!!! até por que seria uma fuga. Faz parte de mim não querer resultados rápidos. Tudo que alcanço muito fácil eu digo NÃO. É assim na corrida e na minha vida profissional. Sempre fui impelida ao desafio e  a dificuldade. As coisas que conquisto são com dificuldade. E Muita!!!!

Meu crescimento tem sido bom!!!! Tenho muito cuidado e constante preservação com meu corpo. Seguro e seguro constantemente o quanto precisar. Por enquanto meu desejo não é ir ao limite. Adoro quando me incentivam, AMO!!! Desde que sem pressão e que vire obrigação. Aliás muitos, e os que de fato me conhecem sabem me incentivar ao seu modo. O que busco na corrida vai além de pódios.... Quero correr para vida toda!!! mas isto é papo para outras postagens!!!!....

No mais foi muito bom retornar e estar no Castelo junto com a Running Daventura. Confio demais no trabalho de Tiago e Carol e sempre estarei presente no que precisar ajudando a  estas pessoas do bem.  

sexta-feira, maio 29, 2015

Vida Corrida no Fun Tour Sports da Corrida do CT - Gantuá

A convite da Gantuá Multisports Eco Adventure  , este foi um dos fins de semana mais incríveis que pude ter correndo. Isto por que, junto com mais 20 pessoas - dentre prof. de assessorias, jornalistas e entusiastas do esporte, estive em Mucugê conhecendo o percurso da corrida do CT que ocorrerá dia 4 de julho.  Tratou-se de um Fun Tour, com a prévia da corrida de trilha. E é claro correndo!!!! Por que conhecer caminhando ninguém merece!!! rs!!! 
Há muito que queria voltar a Mucugê mas nunca dava certo. Ou seja, no dia que o convite bateu na porta nem tive como recusar. Foi um SIM de imediato. E com certeza não fiz escolha melhor. Equipe maravilhosa, tanto a da Gantuá como a turma que viajou. Todos de fácil adaptação e sem frescuras. Mas vamos aos mínimos detalhes e a parte principal.... a Corrida do CT!!! 

Saímos de Salvador na sexta-feira, 22 de maio às 17:30. Na ida, ainda que timidamente a turma timidamente já vinha animada no buzu. 


Imaginando como seriam todas estas atividades que constavam na nossa programação. Aos poucos um bate papo daqui, outro dali íamos dividindo nossas aventuras de bike e corrida. A ponto de em pouco tempo estarmos nos sentindo amigos de infância.E por mais incrível que pareça compartilhando pedais em comum que participamos, mas não nos conhecíamos. E claro, como o mundo é pequeno, com muitos amigos em comum. Por toda viagem esta só foi crescendo e nos entusiasmando ainda mais.

Chegamos em Mucugê por volta de 1 hora da manhã. Durante a viagem fizemos uma parada em Feira de Santana, para pegar mais alguns dos convidados e em Itaberaba para um lanche. 


Já na cidade da chapada, os atletas foram sendo deixados nas pousadas. Os primeiros no Hotel Alpina,  Pousada Recanto da Chapada e por último - na Pousada Mucugê, onde tive o prazer de passar estes dias lá. Que foi tanto sucesso que a pousada lotou e fiquei de fora. 



Prazer ainda maior em saber que o dono também era atleta e dividiu correu conosco por todo tempo. Aliás que também vai participar do CT e deseja bater seu recorde. Claro que isso faz todo diferencial. Gente da gente!!!! Sabe como deve ser um bom café para o atleta.

Desde a saída de Salvador, a tocar em solo "diamantino" fomos muito bem recepcionados. Diana e Alan, donos da Gantuá não mediram esforços para nos deixar a vontade. Ela fez questão de adentrar no ônibus e nos acompanhar até a pousadas. Mesmo saindo de um aniversário de 15 anos. 

Ainda tem mais... uma recepção carinhosa que nos fizeram. Com kits personalizados em nossas camas. Eu estava  muito cansada quando lá cheguei, mas não deixei de admirar este belo gesto. Kit com mapa da Trilhas e caminhos, camisa, squeeze, cartinha com meu nome. Me senti abraçada naquele momento pelos dois.

Eu e minha parceira de quarto (Patrícia Narriman) fomos dormir 2 horas da manhã. 
Uma turma massa ficou na nossa mesma pousada. Aliás, a turma escolhida a dedo era muito boa. O que nos permitiu ter uma ótima experiência. Tive a oportunidade de correr com excelentes professores de Salvador.

Sábado:


Embora tivesse dormido às 2 horas, havia combinado com Renato Maia e Patrícia Narriman de acordar para fazer um treino logo cedo. Ou seja, dormir?? Acredito que foram apenas quatro horas e meia de sono. 


Eu tinha 18km na planilha. No entanto sai do hotel com apenas duas bananinhas no estômago. Quem me conhece sabe que não funciono sem meu bendito café. 


A paisagem era linda, mesmo assim não favoreceu para que minha corrida matina fosse perfeita. Um amanhecer do sol belíssimo. Mas começamos mal, por ter pego a direção do percurso ruim. Um parte da BR que havia somente subidas e mais subidas e carros de alto porte tirando o fino na gente. Ou seja, ladeiras + rarefeito + carros = dificuldade. 


O  que deveria ter sido um treino de 18km, acabou "morrendo" nos 10km mesmo. Ahhh!!! mas não fiquei tão triste assim não, afinal o dia estava apenas começando e sabia que o fim de semana seria inesquecível.



Voltamos para o hotel e ai sim tomei aquele sagrado café da manhã. De dá gosto!!!! A mesa da Pousada Mucugê foi linda e caprichada. Com diversos produtos da terra, bolos, pamonha, frutas, iogurte, vitamina de abacate...um monte de coisas.  Algumas iguarias ao sabor da Vovó Ilza ( que por sinal depois fiz boas compras).  Só senti falta de uma coisinha - vou dizer para ajudá-los a cada vez mais aperfeiçoar aquela mesa gostosa - faltou um aipim. Ahhh, mas teve beiju, cuscuz de tapioca, ovos. 

Às 10h deram início a palestra de apresentação da corrida em trilha.  Todos bastante atentos tentavam compreender a estrutura da prova. Bem diferenciada. Um pouco complexa e muito difícil de completar. Vale lembrar que o evento acontecerá em média dentro de 13 horas. Visto que ao mesmo tempo que ocorrerá a corrida de trilha, estará acontecendo a corrida de aventura (MTB, Trekking, rapel, e orientação).


Acima - minha cara de preocupação quanto ao nível de dificuldade da corrida. Achei bem difícil. Queria ir até os 21km, mas não sei se chego. Muito difícil e vocês entenderão melhor assim que eu explicar por que.

Falarei especificamente da corrida de trilha. O que de fato nos interessa. Esta será disputada em duplas. (No início achei meio estranho, mas após percorrer todo o percurso, vejo a importância da dupla). Serão as seguintes categorias:


Dupla masculina (dois homens)
Dupla mista (um homem e uma mulher)
Dupla família (dois parentes)
Kids individual (até 12 anos)
Achei meio injusto a dupla feminina disputar com a mista, mas me explicaram que esta ocorre, devido a quase nunca se ter muitas duplas femininas. Não tendo 15 duplas no mínimo eles não fazem pódio de duplas femininas, dai por que estas disputam juntas com a mista. Destas duplas, ao longo da prova não é permitido se distanciar do parceiro por mais de 5 metros.

PARTE IMPORTANTE!!!

Algo que me despertou curiosidade e instigou a encarar o desafio é que você não escolhe o percurso que deseja fazer - 5k (Light), 11k (Power) e 21k (Mega Power) no ato da inscrição. Pelo contrário. Você precisa conquistá-lo. E é ai que mora o perigo. Você pode sair sorrindo a toa ou chorando por não ter concluído como queria. Mas também instigado a conquistar no ano seguinte. É pauleira, mas vale a pena. 

E como será feito esta escolha do percurso?? 

Bem, a escolha do percurso se dá no momento da prova. Por ser muito difícil todos completarem, a passagem de um percurso para o outro se dá por meio de corte.

Todos correrão juntos os 5 primeiros quilômetros. OK? Certinho!!  No 5km há um portão de corte, em que passam apenas 60% dos atletas. 
Ou seja as duplas que desejam ir para os 11km e que estejam dentro dos primeiros 60% passam. No 11km há outro corte para quem deseja ir para os 21km. Mas passarão apenas 20% dos atletas. 
Esta é minha maior preocupação. Isso por que desejaria muito me desafiar para os 21km. Sei da grande dificuldade por conta destes 20% comer o couro. Mas gosto do desafio. É uma prova muito difícil. Meu sub2h para Meia do Rio é fichinha frente a este desafio e por sinal posso frustrar o sub2h. Indo para a prova posso voltar machucada, posso quebrar a cara, voltar de queixo quebrado. Mas esta prova me instiga muito mais que o sub2h. E caso conclua 11k estarei feliz, caso conclua 21k estarei MEGA POWER feliz. E se quebrar a cara e frustrar RIO também estarei feliz. Eu AMO correr, amo quando me dá prazer. O pontos, interrogações, exclamações são consequências e o que me motiva ainda mais. 


Fora que esta em contato com a natureza é bem mais prazeroso. Costumo dizer que se tivéssemos mais provas deste estilo eu me saia do asfalto. O prazer que provas de aventura e trilha dão nem se compara com o asfalto.  O sentimento dos atletas e as qualidades, experiências são evidentes. A solidariedade frente a outros atletas. Isso não preciso que me falem, já que tenho vários amigos neste perfil de prova, eu vejo e percebo. Principalmente quando vou pedalar em trilhas. Mas enfim....


Feita a apresentação indoor, partimos para a trilha. Afinal corredor que é corredor, bom mesmo é em campo.

No sábado iniciamos pelo trecho que vai mais ou menos dos 13km e dá para os 21km - o trecho MEGA POWER. Quer por sinal passa na cachoeira do Tiburtino. Trecho difícil, mas não tão difícil quanto o POWER (que trata-se de uma subida de pedras). Ao meu ver a dificuldade nesta parte será muito mais vencer o cansaço. Também é preciso cuidado, na parte da cachoeira. Atenção na transição da cachoeira. Segurar na corda de passagem. Para as baixinhas como eu, dificuldade também nas pedras. Arrastar para descer em algumas pedras. Cuidado para não escorregar. 
A visão é simplesmente perfeita. Dá vontade de ficar. 
Como estávamos apenas conhecendo deu para fazer uma parada para banho. 


Parte do percurso Mega Power 

Ao longo deste percurso passamos pelo projeto Sempre Viva e Museu do Garimpo. 

Finalizado o trecho Mega Power fomos tomar um cafezinho no Bicafé antigo café.com. Lá também tinha açaí. Delícia!!!! Fizeram até um sorteio de uma massagem. E a sorteada advinha??? Euzinha!!! E que massagem. Muito boa. Com a Ana Gabriela, que por sinal irá trabalhar na corrida e também atende nas pousadas. Bom demais!!!!!!!!!Mãos de fada.

Na noite de sábado fomos para o Point da Chapada. Pizzaria com sabores exóticos  e diferenciados. Primeira vez que como uma pizza de berinjela. E aqui entre nós!!! Eu gostei. Alguns nem tanto por optarem por sabores mais comuns. Mas lá tem para todos os gostos. 
Fechada a noite... CAMA!!!!

Domingo:

No domingo iniciamos com aquele cafezinho. Desta vez me alimentei direitinho antes de sair para correr. O horário marcado foi às 8:30. Saída para reconhecimento do percurso LIGHT e POWER. Ou seja 5km e 10km. 

Nem todo saíram para correr. Alguns devido a trabalhar no dia seguinte optaram por não fazer. 
Queríamos fazer até os 21km. Mas em consenso decidiram perfazer apenas 11km para adiantar nosso retorno para Salvador. Este trecho da corrida, na parte de transição passa em frente ao cemitério Bizantino (único cemitério bizantino na América Latina). Os primeiros 5km são planos e tranquilos de fazer. No entanto passado do portão dos 5km para os 11km trata-se de um trecho bem difícil. Na minha opinião o mais complicado. Cada corredor responde de uma maneira. Uns gostam, outros não; Para uns pode ser mais fácil, para outros ter suas adversidades. O importante é "curtir" conforme planejou.



O trecho dos 5km para os 11km é de subida, subida e subida e subida..... Pedras soltas, o que demanda bastante cuidado. Atenção para não escorregar. Há trechos que são impossíveis de correr. O rarefeito incomoda. Cada um com suas dificuldades e respostas. Consegui concluir até o fim, mas fui a única mulher dentre os homens.  Curti muito fazer este trecho, mas receio no dia da prova. Acredito que uma boa corrida é questão de dia. De estar bem. Sempre será uma surpresa. Posso chegar e no light não aguentar mais. Ou quem sabe ir até os 21km.  O corpo será sempre uma caixinha de surpresa. Agradeço aos meninos pela companhia. Foi muito bom estar e aprender com vocês.



Concluído, voltamos para a pousada e já nos preparamos para o regresso. O almoço foi no Hotel Alpina . Aquele almoço digno de atletas. Maravilhoso!!!

Por fim tivemos que regressar, já na saudade e contando os dias para a Corrida do CT. Esta vai ficar para história e sem dúvidas será muito divertida. 



Quero deixar meu agradecimento a Diana e Alan pelo convite. Estive em falta nas provas de bike, mas amei a Fun Tour e senti-me agraciada por este belo convite. Obrigada pela lembrança Di. Tenho certeza que faremos outros. Muito bom passar este fim de semana com vocês. Desejo que esta corrida seja sucesso e com certeza será. No que precisar conte comigo!!!!

Imagens by  Renato Maia, Down, Fábio Pina , Bruno Pitta , Patricia Narriman, Henrique, Fabiano, Alan, Jayme, Fernando, Alexander,Alan, enfim fotografos apareçam.....

#funtoursports #gantua #chapada #mucugê