quinta-feira, maio 29, 2014

Correndo a Running Daventura 2014

"Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
E ser feliz"

Não chega a tanto, mas como quem separa o Joio do Trigo assim foi meu relato sobre a Running Daventura 2014. Após narrar o lado B, venho com o lado A, que com certeza é mais alegre e mais importante. 

A espera desta corrida, por mim, sempre foi das melhores. Compara-se a espera para do Rio (que infelizmente não darei a minha "graça" este ano) e da Pampulha (esta por conta da presença da BALEIADA em bando). 

A Daventura me atrai pela sua essência, natureza exuberante e pelo sabor da dificuldade. Adoro trilhas (aventureira interiorana) seja para pedalar, seja para correr, caminhar ou só contemplar, namorar. Na minha lista as provas do tipo RD só crescem. Ainda sem condições de planejá-las, mas que com certeza estarei nelas um dia. Por enquanto aproveito as provas que estão próximas e da natureza que disponho pertinho.

No sábado 24/05, acordei às 4h para que às 5h já estivesse com minha carona. Que corredor pontual. Manoel você é dos meus!!! Valeu viu... Carona boa, com som dos melhores. Curti demais! Pegamos meu amor e seguimos rumo ao nosso destino. Chegamos em Praia do Forte com bastante antecedência para largada. O estacionamento ainda estava vazio. Desta maneira conseguimos uma boa vaga, próxima as vans que subiam para o Castelo Garcia D'Ávila. Não houve contratempos para este percurso. Tudo ocorreu tranquilamente e na paz. Até melhor que ano passado, quando tivemos probleminhas na subida. Parece que incluíram uma quantidade maior de vans. Sugiro a quem teve dificuldades que nas próximas edições, caso venha a participar, cheguem com antecedência. Vale a pena. Não atrasem pois facilita o acesso ao local do pórtico. 



Chegar cedinho teve lá suas vantagens. Tivemos tempo para papear com os corredores que aos poucos iam chegando. Rapidinho o castelo ficou lotado de corredores. Eu "toda toda" com minha turma BALEIAS (Sandra, Márcio,Aline, Cida) que tinha vindo especialmente para correr respectivamente das cidades de St. Antônio de Jesus, Alagoas e Aracaju.

Independente da largada com atraso, das falhas postadas anteriormente e que não repetirei as tantas outras, consegui completar meus 21km tranquilamente. Não tive dificuldade alguma devido a estas! Tudo ocorreu bem e feliz para mim. Bem melhor que no ano anterior.

Conhecia a  prova, a trilha. Havia estado lá para pedalar no dia 13/04. Então de conhecimento do local eu tinha, mesmo que boa parte das vezes nos perdêssemos por lá. Sabia que o percurso havia sido modificado. E para falar a verdade embora muitos não tivessem gostado, por conta da dificuldade, da areia fofa, eu curti muito mais este percurso que o passado. Gostei do nível. E se puder opinar para o próximo RD, manteria o mesmo. Claro que teria só um certo cuidado com relação ao mar, caso a maré subisse. Colocaria uma corda para passagem e mais pessoas observando os atletas neste local. 

Fui com pretensões minimas. O intuito era finalizá-la chegando bem e recuperada, em casa , para no dia seguinte dar conta do que tinha para fazer. E assim foi!! Cheguei inteira. Só as unhas do pé que latejavam muito e pareciam querer cair. No mais o resto do corpo ficou cansado por conta do acordar cedo e da viagem. Associada a fome, que depois foi dado um jeito na Vila de Praia do Forte. Mas na segunda-feira já estava fazendo um trabalho de fortalecimento leve e terça a noite no pedal pela cidade de Salvador. Nenhuma dor perdura e estou pronta para a próxima aventura. Subiria de boa o Pico do Itacolomi. Ohhh saudades! Até tem aventura marcada para este fim de semana, pena não poder acompanhar a galera na trilha. Compromissos a parte. 

A RD com sol, com maré cheia e com o nível de dificuldade diferenciado teve lá uma chegada com gostinho bom.  Quem quer moleza que faça trajetos menores e vá progredindo nesta aos poucos, como eu fiz. Comecei com 8k, 14k e cheguei nos 21k, sendo esta minha segunda de 21k. Ou na versão de um amigo, senta no pudim. Opa olha lá. ai ai.

Com relação a energia boa que encontrei todo o percurso é quase indescritível. Mas vou tentar contar algumas belas cenas. 



Na praia presenciei cenas de solidariedade lindas. Na parte do mar, com água na cintura que tanto citaram, homens fizeram cordão humano para nos ajudar a passar. Ajudavam amigos, amigas e até desconhecidos. É nesta hora que penso no "oba oba" como dizem. Faltou um fotografo ali para registrar aquele momento e vocês terem noção da dimensão da coisa que estou falando. Uma cena belíssima que fica registrada em nossas mentes e de quem nos assistiu naquele momento. Só quem esteve lá para contar que coisa bacana. Pelo menos na minha passagem esta foi a graça e eu ri um bocado. Na verdade se tiveram coisas ruins eu deixei-as assim que larguei do pórtico. Acho que naquele dia eu tava zen demais. Engraçado foi quando tirei o tênis do pé e uns surfistas (que estavam no baseado rs) perguntaram se meu New balance não havia funcionado. A gente riu que foi uma beleza. Mas era areia mesmo. As pessoas da praia nos olhavam sem entender para onde íamos. Onde iriam tantos loucos correndo sem rumo ou não. Chegou a acontecer de uma moça grudar na bolsa achando que corríamos de um assalto. Eu e um rapaz só riamos e tagarelávamos. Bati papo com um monte de gente. Se estávamos no mesmo perrengue de areia fofa, o jeito era aproveitar a difícil situação. rs!!

Eu e Cidinha

Desde a largada até aquela segunda praia eu corria com Cidinha, minha parceria forte. BALEIAS também. Como Lucas a apelida de risadinha. A Pampulha fizemos a prova todinha juntas, no final sendo levadas ao pórtico pelo nosso amigo Tinil.

A força encontrada nesta RD foi boa, acho que por conta do atraso foi tamanha. Estávamos todos no mesmo pacote, juntos e misturados. Então da classe geral o que vi foi prevalecer o companheirismo. Infelizmente tive que deixar minha parceira que estava ali para fazer um treino chique. Oh amiga guerreira, só a gente sabe hem amiga quais as tuas limitações nesta prova. Ai ai. Mas o tempo todo, até o fim, corri ao lado de pessoas positivas. Um lado bonito que olhando por outro viés, depois das chateações da primeira postagem, me deixa feliz. 


Corredores se ajudaram e isso não se paga, nem se compra. Não tem EGO certo, nem premiação. Amigos meus de outros Estados me relatam, constantemente, que correr na natureza não tem comparação. Que o espírito é outro, bem diferente do encontrado em asfalto. Tentam me convencer a largar o asfalto, mas somos pobres de provas aqui. Eu sei disso galera e digo pelo pouco que já vivenciei. Mas a gente sabe que o bem é maioria em qualquer lugar, mesmo no asfalto, o que me faz seguir.

Com pessoas do Sul e de outros Estados ia batendo um papo a cada km rodado.  Tive vários parceiros durante estes 21 quilômetros percorridos. A cada km íamos conversando sobre nossas histórias em eventos passados. 

Um maratonista chegou a me reconhecer da Primeira Maratona da Bahia onde fui em missão de bike anjo. Fiquei sem graça, mas foi lindo este reencontro. Era um senhor. Ele disse: "foi você que me deu um doce quando passava de bike na maratona do ano passado?" Eu disse sim. Ele poxa linda, seu sorriso é inesquecível , valeu tua força naquele dia. 

Foi gratificante ouvi-lo. Por que eu sabia que daquele senhorzinho partia um gesto sincero. O vejo sempre passar pela orla da Pituba e até nos cumprimentamos (jeito de corredor). Mas naquele momento deu tempo de conversarmos. Ele seguia para os 42km da RD, mas falava da dificuldade que estava sendo aquela prova, e que seguia na dúvida se não retornaria nos 21k. Não sei qual foi a decisão. Mas espero que tenha vencido seu percurso.

Ainda na praia outros casos e mais casos... recordo-me de um rapaz sem camisa (por conta do calor) e bermuda preta que dividiu a sua garrafa de água comigo... aliás dividiu não, me deu. Oh garrafa milagrosa! rs! salvou 4 corredores. A banana que muitos falaram por que eu estava carregando, serviu para saciar a fome de 3. Estes são os gestos que ficam e devem ser preservados e descritos do evento. Não só os ruins, mas os que de fato demonstram a graça e o lema do evento. SUPERAR!!!! A cada limitação, um ombro de um corredor que de fato compreende nossas dificuldades. Esta era a graça do amadorismo que vinha lá atrás e que completava a corrida. 

Com todos os percalços que experienciávamos íamos com a certeza de que não desistiríamos e todos chegaríamos bem. Cada um a seu tempo. Por um momento um homem no km 14 disse: "menina me dá um pouco deste teu gás". Ah gente, nem sei de onde vem esta energia em dia de corrida. Pior que a minha é a de Lucas que não treina nada de piti biribas, pega uma virose dias antes e consegue concluir uma prova destas de 21km. E ainda chegar antes de mim. Que vergonha que sou. Mesmo com meus dois longões (14km, 15km) não passei dele rs!! Eta amore doido..... o que não faz por mim. Obrigada por ter se esforçado para ir conosco.  Por fazer meus gostos!


Seguimos, superamos e vencemos. Acabada de fome, cansada, com os tênis na mão depois de quase pisar na coitada de uma cobra eu completei a minha nona meia maratona. Valeu tudo. EU CHEGUEI!!!! Não bati a meta do ano passado. Sei lá no meu Garmin deu uma coisa, no resultado oficial outra. Mas e dai??? Ficamos combinados 2h54 neste percurso e finish. Sorriso nos lábios e partimos para a farra em Praia do Forte. Voltei para Salvador só no fim do dia.


O bom da vida é isso, saber driblar e tornar a vida mais leve. Houve falhas, erros, mas uma NOITE nunca dura para sempre. Reconhecê-los com a claridade e no dia seguinte é o melhor a se fazer. 




Admiração sempre grande pelos meus amigos BALEIAS. Vieram, correram e saíram de forma elegante, mesmo que em algum momento o evento tenha deixado a desejar. Esta é minha equipe linda!!! Espero que no ano que vem seja melhor galera. Que assim seja.


Sem mais é bola para frente!!! Gostamos das experiências que nos acrescentam!


PARABÉNS a TODOS que concluíram com êxito. Fomos todos guerreiros. 
Parabéns ao meu amor que sem treino algum completou os 21k (cheguei a duvidar de você), a Cidinha mulher retada, de fibra, Márcio amigo de Alagoas e todos os demais. Sem contar Fernando e Riva que foram podistas  e a todos os podistas em geral.

Forte abraço em todos!! Até a próxima galera.... AVENTURAS  abram alas. Vamos por aí!!! huuuuuu..... passou tão rápido! 
Venha logo RD2015!!!

terça-feira, maio 27, 2014

Aprendizados de uma corrida que farão parte da nossa história: Running Daventura 2014


Aguardei a “tranquilidade” pairar, os esclarecimentos dos fatos virem a tona, comentários, postagens de amigos que vivenciaram os momentos de frustração, que aqui trago em forma de link, e até um comunicado oficial da organizadora Daventura para que pudesse escrever retratando “minhas experiências" na Running Daventura 2014.

Esperei o momento oportuno para que não fosse injusta com quem quer que seja. Temos conhecidos de ambos lados e acredito que tomar partido por que é amigo nosso é a pior maneira de agir. Temos sim de ouvir os fatos e saber como se posicionar. Tiveram erros? Sim. Dos dois lados por sinal. Basta do disse me disse e das coisas que reverberaram de forma tão desmedida e negativa pelas redes sociais. Da agressividade de colegas, alguns que sequer estiveram no evento e por isso que não possuem credibilidade alguma para falar de algo. Se tem alguém que possa tratar sobre o assunto com mais afinco, são os inscritos, os que foram prejudicados, bem como todos que participaram e lá assistiram as cenas ocorridas.

Com certeza esta RD14 cometeu inúmeros erros e não devem ser enrustidos. Nós que participamos, enquanto atletas, temos total ciência disso e devemos expor para que sejam revistos e reparados futuramente. Para que na edição de 2015 sejam mais detalhistas o possível e acertem mais. Críticas que sejam construtivas e não com o intuito de tirar o brilho de todo um evento, que em minha opinião sempre foi tão agradável e que por sinal muitos que ali estavam já haviam participado outras vezes.

Faltou um pouco de equilíbrio na ocasião para agir perante os fatos, o expressar-se com cuidado, sem ofender parte dos atletas amadores que aguardavam a nova  largada e até com quem organizava o evento. Se queremos atrair forças para nosso lado não era cabível que lançássemos mão da agressividade, a fim de não perdermos a razão e repelirmos ainda mais energias, por mais corretos que estivessem.

Participei da Running Daventura, mas não vi todos os fatos que sucederam, lá na frente no momento da nova largada e com relação aos atletas prejudicados. Desta forma posiciono-me somente com relação aos fatos que vivenciei e fui analisando através de relatos dos prejudicados. Pós prova é fato que me chateei muito, assim como vários se magoaram com certas coisas que lemos e assistimos nas vias midiáticas. Não pelos atletas prejudicados que merecem nosso total respeito e gozam de todo direito. Mas pela falta de respeito de alguns ao conduzir um diálogo sobre os fatos. Da agressão verbal de  atletas que visando competir desmereceram os atletas amadores que objetivam a prática do esporte apenas por saúde. Não vem ao caso os que pronunciaram dizendo que corremos por “oba oba”, recreação ou postagem de fotos e coisa do tipo. Estes no mínimo nem nossa consideração merecem. São desprovidos de conduta moral condizente ao que esperam. Perdem a razão nas atitudes e na postura que  tomam. Fiz questão de não ler as agressividades escritas, mas soube por muitos.

Sempre acreditei que cada um tivesse seus objetivos, rotinas diferenciadas e não precisassem ter metas semelhantes. Quando buscamos uma assessoria para projetar nossos treinos é com este intuito, personalizado, que buscamos. Ninguém é igual a ninguém, nem precisa ser. Muito menos precisa agredir o colega corredor por pensar diferente. Deve-se ter o máximo de respeito por aquele ser humano que com todas as suas peculiaridades conduzem seus treinos. No entanto parece que não foi bem o que existiu.

Com as veias quentes, ainda da RD, perderam as estribeiras, fato que ainda se prolonga. Que por sinal graças a Deus estive longe e sequer li como concluiu. Na verdade quando vi que o nível educacional havia caído me retirei das leituras. Nunca havia presenciado no esporte tamanha agressão frente atletas amadores. Acredito que foi uma situação peculiar, de difícil condução a todos. Por isso me abstive desta conduta imoral e preferi manter distância.

- Acredito não ter sido fácil para as famílias dos atletas prejudicados, muito menos para a organizadora, que viu todo trabalho ir por água abaixo e muito pior ser exposto nas mídias como uma empresa desqualificada. Não queria estar do lado de nenhum dos dois para sentir o que sentiram. O arraso de ambos, aliás quando sai do evento percebi visualmente pela face dos mesmos. A organização por meses vinha se dedicando para o evento, os atletas da mesma forma.
                                                                                                 
                                                                                                        By Edson Magoolin
O fato é que embora todos nós tivéssemos tantas expectativas frente a Running Daventura, várias coisas fugiram do controle da organizadora. Uma cascata de erros ocasionados pela queda de um poste na Vila, que dava acesso ao local – horas antes, vieram a calhar todo o evento. 

Havia chovido durante algumas noites na cidade, fato que também prejudicou acesso a mata. Foi triste todos os problemas que sucederam após o incidente. Tenho certeza que o objetivo da organizadora era fazer um belo evento, tudo caprichado como sempre foi. Acompanhei não muito de perto, e sim via facebook e divulgação o investimento que foi. O duro que deram, até mesmo ampliando os percursos para possibilitar a maratona – a pedido de atletas.

Mas lamentavelmente como diria a Lei de Murphy, quando algo tem de dar errado vai dar. A queda do poste fez com que atrasasse o evento, impossibilitou o abastecimento dos postos de hidratação, acesso dos corredores ao Castelo onde seria dada a largada, bem como outros problemas que sucederam pós tudo isso acontecer. Na largada após terem emprestado os cones do evento, para que o poste pudesse ser retirado o mais breve possível e evitasse até maiores complicações para os atletas fez surgir o pior dos problemas. Foi coerente aguardar certas soluções para assim liberar a largada e até mesmo o empréstimo dos cones. Se um atleta tivesse morrido eletrocutado como ocorreu este ano em uma arena de evento esportivo ou motivo que fosse, com certeza todos teriam motivos ainda mais fortes para criticar a promotora do evento.Mas nestas horas nunca paramos para pensar, refletir se de fato aquilo não foi um fato que ocorreu para que evitasse coisas piores... Entendo queremos mesmo é correr. E para quem quer competir queremos mesmo é ganhar!!

Também corro e entendo perfeitamente tal situação. Quando vou a uma prova (vou na maior empolgação) e quero que comece logo. Todos possuem os mesmos direitos, se inscritos na prova. Sejam atletas amadores ou competidores. Mas acredito que o empréstimo dos cones foi correto, claro se tivesse alertado os batedores do caminho a tomar.

Pois bem, a largada foi dada com atraso. O empréstimo dos cones fizeram com que os batedores entrassem pela bifurcação errada, tomando o caminho oposto ao da corrida. Com 5min e 56seg (pelo meu Garmin) alguns deram conta que estavam divergentes ao caminho correto. Menos de 1km rodado no meu garmin e retornamos para o pórtico.

A ausência dos cones confundiram os dois batedores, como já relatado acima. Mas a pergunta que fica é: a gente também não tinha obrigação de saber o percurso? Ninguém decorou seus croquis. Fiquei pensando nisso depois. Batedores são humanos, será que não podem errar? A gente errou por sinal, em ir pela boiada e não saber. Mas com certeza os batedores tinham a obrigação por estarem trabalhando para o evento. Ainda resta a pergunta: quantas vezes a gente não se perdeu na Sapiranga, até treinando de bike? Erros ocorrem. Na última trilha a gente errou.

Resultado, como já disse acima, nós amadores e a maioria que estava atrás retornamos para a pórtico. Onde a organizadora decidiu fazer uma nova saída e zerar os chips. No entanto atletas competidores, que se dedicaram a fio durante 5 meses e estavam bem preparados já havia descido ladeira abaixo e estavam bem longe. Sem sequer terem ouvido o chamado de retorno e dificultado que a própria organizadora os localizassem para a nova largada. Estavam sendo seguidos por dois batedores oficiais que também não deram conta do erro.

Decidido a organizadora por conduzir uma nova largada, onde no caso 8 atletas corriam pelo lado oposto, por não terem sido encontrados, uma turma se opôs a esta nova saída. Isso por lamentarem que seus colegas continuassem seguindo correndo a prova sem sequer ter validade. Já que os demais sairiam por outro lado. 

Mesmo com a maioria desejando correr, insistiram em impedir a nova saída. Era uma minoria, contra um bando de corredores tentados a correr. Estavam corretos e tinha motivos para a insatisfação, no entanto pelos relatos não souberam conduzir os atos e um diálogo. Partiram para agressão verbal, segundo relatos de corredores. Houve um despreparo.

Vale dizer que não presenciei tal cena, que não estava na frente e que todo momento estive lá atrás com amigos que haviam vindo para Salvador, somente para correr. Não sei como foi a condução do pronunciamento destes. O que sei é por amigos corredores que estavam no pelotão da frente e ficaram horrorizados com as atitudes e os ânimos de quem queria impedir a largada de mais de 1 mil corredores. Podiam estar certos. Sinto a dor que devem ter sentido, mas necessitava disso? Não sei, não respondo por estes.

Juro que busquei manter a calma para que não transmitisse aos amigos de fora todo estresse. Já não bastasse tudo que estava ocorrendo.

by Edson Magoolin
Como estava conversando, quando largamos novamente achava que os atletas do outro caminho haviam retornado. Mas só no final da corrida fiquei sabendo por Roberto Encarnação que não foi o que ocorreu. Minha opinião é que se correram por outro lado 30km mereciam no mínimo uma premiação o que depois em comunicado a organização se predispôs dentre outras soluções a oferecer. Não é a mesma coisa, mas é o mínimo além do reconhecimento do erro, que possa ser feito pela frustração e esforço destes. Trata-se de uma situação delicada. Até acho que a maratona podia ter sido cancelada naquele momento, já que os afetados eram da maratona. A conversa também podia ter sido com mais respeito e tudo seria resolvido. A dedicação deles era para ganhar e nós vimos isto o tempo todo por que acompanhamos. Eu e muitos tínhamos nossas fichas apostadas, em quais e quais atletas ganhariam. Tanto que quando me perguntaram eu disse, é fulano de tal.

Sentimos pelos colegas prejudicados na RD, mas antes precisamos ter noção dos fatos para se posicionar. Vejo o relato de  Roberto como um dos mais educados. Relatou tudo sobre o que ocorreu de forma pertinente e de quem de fato vivenciou, e da sua frustração. Atingiu seu objetivo? Sim mas sem agredir nem perder a razão. Muito menos denegrir a imagem da marca. Tem todo direito. Eu na pele dele, faria o mesmo. Tenham certeza que vale mais ser assim que perder a razão diante de todos que presenciaram. Ele até comentou que pode ter sido providência divina pela queda de conexão da internet. Pode até ser, teve mais tempo para pensar. Mas acredito que tal atitude é oriunda da sua maturidade e trajeto nas corridas. Assim como achei excelente o comunicado da Corpus Vitalle  a seus alunos e corredores em geral. Já tivemos discordâncias, mas devo dizer que André e Angela possuem preparo para lidar com tais incidentes. Agem com cautela e profissionalismo.

Com certeza está sendo sofrido para todos atletas blogueiros descreverem sobre a RD. Juro que de início nem queria relatar nada aqui, mas me pediram tanto na fanpage, que me senti na obrigação.

Ainda que com objetivos diferenciados de corrida, as ocorrências que sucederam na RD prejudicaram a todos. Assisti a tais cenas tirou toda a turma do eixo. Não para quem estava lá atrás, que no caso não assistiu. Após ouvir tudo, tentei ser o mais imparcial possível e principalmente no relato dos fatos, até por que não presenciei todos e acho injusto agora agir tomando as dores de quem quer que seja. Não vejo lado certo ou lado errado. Vejo uma série de erros que foram ocasionados por um fato imprevisível e que prejudicou uma parte isolada de 8 atletas.

Compreendo perfeitamente a frustração destes por terem tido sua corrida abortada. Por não terem o direito de conclusão da Maratona, por um erro que ninguém previu. E até acho que se foram de fato, naquele momento, desclassificados que foram de forma injusta. Só eles e famílias sabem o quanto se dedicaram, gastaram $ e esperavam que tudo desse certo. Foi triste para todo mundo.

Acredito que tem sido uma situação delicada a todos eles, principalmente pelo pouco que vi repercutir em redes sociais, mídia e soube. Mantive-me bem distante disso. E neste caso em minha opinião – de amadora, acho que podia ter se esclarecido com conversas, dialogando. Não necessitando de todo este alvoroço que foi. Não precisavam agressões verbais e este malsucedido. Houve erros, prejudicados? Sim, mas a organizadora sempre foi acessível. Será que neste momento não cabia uma conversa madura? Nunca vi organizadora de fora sentar e dialogar, sequer responderem e-mail. E olha que já tivemos problemas em corrida em BH como RJ, em que eu estava. Não deste porte, mas falta de água, erro do caminho até a largada - por motoristas que nos levavam ao pórtico. Enfim....

Todos conhecíamos a organizadora que promovia o evento. É baiana e merecia no mínimo um crédito. Foi injusto ver isto. Apostávamos nossas fichas nela e sabíamos da credibilidade por estar há 12 anos no mercado, com 6 corridas oficiais de aventura. Justo por serem pessoas acessíveis mereciam no mínimo uma chance de se explicar. Expor em programas de televisão de baixo nível, que graças a Deus parte destes corredores não assiste, foi no mínimo estranho. Uso esta palavra para não ser mais deselegante. Por diversas vezes a própria empresa pediu sugestões. Até mesmo quanto a realizar a maratona. Está foi uma sugestão dos atletas da terra. Uma coisa que eu Dart nunca achei viável e quando tive acesso a eles fiz questão de frisar que achava que não cabia, que podia ser perigoso. Mas ainda assim tentaram agradá-los, realizando os 42km para uma minoria de 59 atletas. Fica também a ser repensado, se de fato é possível para  2015. Isso se eles ainda continuarem, tamanha a tristeza que demonstraram estar.

Claro que como atleta amadora não acho justo reverberar esta negatividade do evento como todo e da organizadora que sempre esteve de braços abertos. Não por que AMO esta corrida. E por que somos tão pobres em empresas de eventos esportivos. Não somos um Rio, SP. Então se as que temos estamos agindo desta forma. Melhor que nem existam? Recordemos seu histórico, será que não conta?

Em outros eventos ainda maiores em Salvador já tiveram erros de batedores que foram ainda piores para atletas profissionais que corriam. Isso quando na Meia da Caixa de 2013 erraram o caminho e só percorreram 18,2km. Giomar liderava a prova, e mesmo batendo o recorde, que de fato não existiu por conta do percurso, o resultado sequer pode ser homologado oficialmente. Prejuízo ainda maior para estes atletas que vivem e tiram o sustento do esporte. Nem por isso teve tamanho massacre a promotora. Engraçado!! Talvez por não ser baiana. Será que ser uma empresa baiana nos dá o direito, próprios baianos, de desqualificá-la desta maneira? Estamos agindo corretamente? Não sei.... Cada um vai saber se sim ou não.

Erros podem existir em quaisquer provas independente de seus valores monetários. Ainda tentando compreender todo este drama, conversando com George Volpão que corre há anos na natureza e tem experiência para falar. O mesmo me relatou que já houve problemas em muitas provas de trilha que esteve. Já presenciou diversos. Relata que realizar provas em trilhas é complicado sim. Claro que não esperamos que aconteçam. Mas ano passado teve no Trail dos Ambrosios, esse ano na The North Face Endurance Challenge Peru e na KTR aqui no Brasil. Problemas como atraso na largada, informações confusas, staff mau preparado, distância de percurso com margem de dúvidas, deficiência de sinalização 

Em todos os eventos que estive e fui da Daventura, presenciei total respeito por parte dos organizadores, abertura e responsabilidade com a segurança de todos. Por isso penso que estejam sendo injustos no primeiro deslize. Não concordo com tais afirmações e mantenho minha posição em dizer que sim, que tiveram erros e precisam ser revistos para uma melhor RD, em 2015. Mas digo que não invalidou os demais percursos. A maratona e os atletas prejudicados pode até ser. Reencontrei várias pessoas agora no início da semana e elas me falaram superbem e do quanto gostaram mesmo com falhas. Nem esperava, tamanha a tristeza que fiquei o domingo todo. E olha que incentivei muitas pessoas a estar presente.

A maioria sabe do quanto gosto deste evento tanto que teve gente que me pediu desculpas, claro nem tinha obrigação, por que sequer faço parte da organização. Corro apenas por que GOSTO. Não é a primeira ou segunda vez que participo. Mas minha quarta vez. Amo a Daventura, por ser uma corrida incrível e diferenciada das corridas de asfalto. Sabem que se tiver de escolher uma, escolho ESTA. E por este motivo faço questão de convidar amigos de outras cidades. Este ano não foi diferente. Trouxemos amigos de Aracaju, Maceió bem como St Antônio. Haviam muitas expectativas nela. Diversas vezes publiquei neste blog. 

Amigos do pedal viram que abdiquei de alguns pedais para estudar ou fazer os únicos dois longões (14k e 15km) que fiz. 

Assim como eles, tínhamos todos os  motivos de estar super chateados com todo o ocorrido e com os atrasos. Ainda assim minha equipe correu linda. Bem, minha equipe topa qualquer PARADA sempre com sorriso nos lábios. Por isso aqui não entra qualquer um.


Dado todo este meu amor pela prova é por isso que não destrato, nem compartilho da difamação da marca. Não brincam de fazer corrida. Estive presente nas Daventuras RD13RD12RD11 (basta clicar nos links para ler os relatos) e sempre sai muito satisfeita delas ainda que faltasse algo. Tanto que retornei todas as vezes. Praticamente vi esta prova crescer. Nem imaginam como era quando era na ilha. Agora quem é inocente e esta querendo que tudo saia perfeito melhor nem participar no próximo evento. Foi isso que fiz com alguns eventos, não participo mais. Quando me chateei com uma organizadora daqui de SSA, que fiz? Deixei de ir.

Nem Deus agradou a todos meus amigos!


Atrasos em algumas ocorreram não posso negar.... Mas só depois fui compreender o real sentido dos atrasos. Ano passado cheguei a perguntar a um dos organizadores por que a Daventura costumava atrasar e só depois soube por Carol que era por que Tiago só se sentia seguro em dar a largada após o aval de todos os staffs que passavam na mata analisando se havia algum problema, como queda de árvores. Ou seja acredito que a empresa nunca agiu com desrespeito a vida de ninguém.

Falta de água também, em algumas. Mas isso não por que a organização não disponibilizou e sim por uma cultura egoísta de muitos que não pensam nos que vem atrás. Você pode disponibilizar por exemplo mil garrafinhas que vai faltar. Pode disponibilizar quantas for, nunca será satisfeito. Porque as pessoas só pensam em si. Pegam além da conta. Faça um teste em casa. Compre um leite em pó, um shampoo, o que for em tamanho MAIOR. Vai ver que o

uso aumentará. As pessoas vão usar além da conta e esta é a pura verdade. Se tem mais, gasta se mais. Assim também é com o salário. Então não queiram culpar algo que talvez até não existiu. Cheguei a pegar água além da conta, mas para abastecer pessoas. Não pensando somente em mim. Não fiz uso delas sozinha e ofereci diversas vezes por quem passei, Bruno Fraga foi um deles. Em que ofereci um copinho inteiro. Não tomei banho como vi tomarem. Molhei aos poucos na nuca, quando via que era melhor poupar pela distância dos postos. Tudo isso sobre postos fora informado nos croquis. Todos os postos que passei tiveram água, tanto que peguei. Mas conheço sim pessoas que não encontraram água quando passaram. Antigamente me incomodava quando não tinha água gelada. Mas desde que um amigo desmaiou por conta de jogar água gelada na nuca com o corpo quente, hoje acho mais seguro a água natural. Não me incomodo mais. Penso que cada corredor é de um jeito. Tem todo direito de se queixar ou não quanto suas insatisfações, desde que estejam amparados de uma boa fundamentação e educação. E se não curtiram a corrida, que não retornem. Outro direito também. Mas querer manchar e difamar uma corrida em que participou pela primeira vez. Poupe-me viu.



Acredito que respeito deve prevalecer em todos os momentos. Tenho total certeza que para alguns foi difícil e até compreendo. Cada ser reage de uma maneira. Uns desarmam, outros partem para o ataque.

Julgar? Não cabe... Deixar que se acalmem e repensem sobre seus atos. Com certeza ao passar dos dias, das noites repensarão sobre as atitudes. 

O que sei é que tiramos um grande aprendizado nesta Daventura. Eu particularmente que não vi as cenas e não participei de nada disso aprendi muito!!! Aprendi que agir no calor das emoções não vale a pena, aprendi a enxergar melhor certas condutas... Acho que fica o ensinamento para todo mundo.

Foi uma aventura e tanto. Ruim para uns como relataram, bom para outros. Estejamos daqui para frente, cientes que não só o corpo precisa estar preparado para tal corrida. É preciso psicológico, físico e emocional. Tudo junto e misturado. A corrida nos exige uma logística

                                                                                                        By Fábio Linhares
mais cansativa, sairmos de Salvador e ir para Praia do Forte. Quem está pronto para os imprevistos bom, quem não estiver, melhor pesar quanto as próximas participações se não quiser se chatear. A natureza é totalmente imprevisível e até mesmo erros humanos podem vir a ocorrer. É um local restrito, paradisíaco e que por isso me leva a estar neste evento sempre. Deve saber que o sol pode aparecer, e com certeza estar preparado, para uma corrida do nível que é a Daventura. Hidratar-se bem dias anteriores.   
                                                                                                           
Quem estiver ótimo!!! Eles (prejudicados) estavam....

Nós amadores principalmente. Precisamos ler o regulamento, visualizar os croquis para não reclamar em vão sobre os postos de hidratação. Reclamar sem fundamentação não cola gente. Pelos postos que passei vi que a organização cumpriu com todos eles, além disso encontrei apoio de resgatistas de vermelho nas duas praia (muitos passam tão rápido que não enxergam. Mas eles estavam sentados debaixo de um sombreiro o tempo todo. Ainda acenei com a mão. Teve também um na segunda praia perto da base Tamar. Tinha um helicóptero da GRAER também avisado e que em determinados momentos desceu. Por exemplo no momento da confusão). Mas eu estou retratando a minha experiência. Aprendi desde a primeira Daventura que esta é uma prova para superar mesmo. Tanto que o perfil dela e lema é este - vencer, superar. Na primeira cheguei a me queixar, só depois aprendi como era esta corrida.

Preparar-se para tudo é importante. Como vimos no relato de Roberto ele se preparou. Infelizmente o erro no caso destes 8 fugiu do controle e devemos respeitar a dor deles. Nada tem a ver com a preparação ou condução dos próprios atletas dentro da corrida. Eles fizeram tudo direitinho.

Justificam erros humanos quando um evento foi organizado há meses? Não... Mas se fugiu do controle. Precisa massacrar todo o evento sem antes tentar uma negociação, retratação e conversa? Também acho que não.... O diálogo será a melhor forma de conduzir as coisas e isso ficará a critério deles. Por isso não opino, falo sobre minha vivência neste blog.

Neste momento após comunicado oficial da empresa, acredito que o mais importante é levantar a cabeça, quem quer que seja que agrediu quem, se desculpar. E tentar seguir adiante. Eu também me chateei, por ver que muita gente chegou a desrespeitar o corredor amador. Como se só a elite merecesse respeito e que estivessemos lá por recreação. Como disse no início da postagem cada pessoa tem seu perfil e merece respeito como qualquer outro. Nem todo mundo quer ser campeão nem levar a vida que eles levam. Vai para se divertir e ponto final. O respeito é merecido a todos igualmente. Principalmente quando vindo de professores e assessores, esta educação e respeito deve ser ainda maior. Ressaltando por sinal que quem mantêm uma corrida deste porte ou TODAS somos nós, a classe amadora. Nenhuma corrida sobrevive com 50 atletas de elite, 200, sei lá quantos. Quem de fato mantêm o evento é a classe geral e se não gosta é decidir não ir e pronto.

Não quero prolongar ainda mais este escrito. Apenas deixar claro que independente de tudo, respeito todos e deixo expresso meus Parabéns aos que me são conhecidos João, Roberto e todos que seguiram pelo caminho oposto não por que erraram, mas por serem conduzidos pelos batedores. Nos chateamos, mas invalidar a prova como um todo dói.

Independente de tudo, vocês são merecedores e tem ciência disso. Esta não é a única corrida, temos diversas e vocês são exemplos para todos nós. É triste e complicado. Mas sei que superarão os fatos. Lembrem-se de Wanderlei Cordeiro quando foi retirado da prova em Athenas, mesmo tendo sido jogado para lateral ele se reergueu e continuou a prova chegando em segundo lugar. Anos se preparando, mas ele teve espírito esportivo para seguir. Sei que ambos também vão ter. A vida é imprevisível demais. Esta sempre por um triz e desmorona tudo a qualquer momento…

Fica o meu carinho por vocês, o respeito por serem pessoas de exemplo e pela equipe como um todo.

Enfim sendo redundante mais uma vez. Não tomo partido de ninguém mas deixo minha opinião de que manchar a imagem da marca por um fato atípico que durante estes 6 anos nunca ocorreram é muita injustiça e falta de humanismo. É deixar de pensar que eram seres humanos trabalhando e que tentaram conduzir de forma adequada, mas erraram. Eu erro, você erra, quero saber só quem nunca errou. Que levante o dedo. Por isso coloco a minha opinião no blog. Porque sei que alguns estavam esperando e me pediram.

Alguém pode não concordar e eu respeitarei. Peço o mesmo que respeitem minha opinião! Sou amadora e sempre deixei bem claro isso, se é que ser amadora não traz experiência. Ai ai. rsss!! Mas desde já digo que completei os mesmos 21km de todos e não vejo ninguém melhor que ninguém a não ser em suas velocidades. Sem mais respeito todos....

Quando tenho de reclamar de qualquer corrida reclamo diretamente. Já reclamei muitas vezes. Se tem uma coisa que aprendi com o tempo é que é preciso reavaliar nossas atitudes determinados momentos. Ponderar e olhar os dois lados. Não agir apenas com a emoção. Contar 10 vezes ou quantas forem preciso.

Houve preparo corporal, mas faltou o preparo psicológico diante da situação.

Fica ainda a minha solidariedade a organizadora em um momento delicado destes, em que pessoas que nem estiveram no evento se pronunciam por tomar as dores dos colegas, bem como fica minha solidariedade aos corredores que se sentiram prejudicados”.


No mais, avante e vamos a minha corrida no próximo post da Running Daventura .....
Aguardem!!!



ps: Link do comunicado oficial da DAVENTURA:


Link de uma mensagem bastante esclarecedora sobre os fatos e de tamanha lucidez da equipe Corpus Vitalle, https://www.facebook.com/corpusvitalle.corpusvitalle/posts/451753338302656
Parabéns pelo profissionalismo. Já tivemos discordâncias, mas neste caso tenho de concordar com tal depoimento.

sexta-feira, maio 23, 2014

Véspera de corrida. Uma LOUCURA!!! Um turbilhão de emoções



Os colegas, professores, amigos (todos que não correm) não busquem entender a gente. Nem nossas famílias entendem. Nem minha mãe entende esta sensação gostosa em véspera e pós corrida. Esta coisa gostosa que faz a gente acordar às 4 horas, viajar para outras capitais, países, somente para correr. 

É muito doido. Eu sei!!! Parece paixão de adolescente. Só que pior, ela não cessa. É um vício dos menos malignos, mas que não finda.. Rs! Vício gostoso demais. 

Mas pode deixar amigos. Eu vou deixar de correr, mas só depois desta corrida. Aliás das próximas.... Ops esqueçam.... Vou correr toda minha vida. Não me peçam para parar!! Nem minha mãe eu vou obedecer, por que eu irei correr uma Maratona! Sem data ainda... Mas um dia irei!! 

Deixem-me correr só mais esta. Lembrem da música de Zeca Pagodinho.... Se eu quiser correr eu corro. Rs! 

Bjos nos   de quem não nos entende! A gente perdoa vocês também. E se quiser vir, vem com a gente. Nem que seja para passear.

sexta-feira, maio 16, 2014

Contagem regressiva para a Running Daventura 2014...........


A contagem regressiva para o Running Daventura já começou!!!! Não aguentei a curiosidade e a convite passei no escritório da Daventura para bisbilhotar como andam os preparativos. Um papo delicioso...se deixasse virava a noite. rs!!!

Camisa, brindes, tatuagem e kit premiação tudo lindo e caprichado. Desculpa, mas tenho meus motivos para amar esta corrida. Ela é um DESAFIO e amo desafios!!! Não posso me dar ao luxo de me jogar em todos eles, mas vou fazendo a medida que deixe energia para outros afazeres. 

Então é isso galera!!! Só um aviso a quem deixou para última hora: as inscrições foram prorrogadas. Não pega o preço do início, mas este é o preço que se paga em deixar para última hora. Segue o site: http://www.running.daventura.com/noticias_interna.aspx?id=115

Vamos que vamos.... Contagem regressiva. Uma semana de provas na faculdade e os dias passarão bem rápido. 

Eles passarão, eu passarinho!!! Ando bem poética este dias. O que seria a vida sem a poesia. Ela nada seria...

Galerinha RD. Uma equipe/família linda!!!

terça-feira, maio 13, 2014

Réplica da Taça da Copa do Mundo - Coca Cola

Um presente especial, reservado a poucos pela Coca Cola - patrocinadora oficial da Copa do Mundo. Acabo de receber uma réplica em miniatura da Taça FIFA, maior objeto de desejo entre as seleções participantes desde 1974.

Surpresa linda!!  Adorei! 

Obrigada Victor Bicca, Luiz Felipe Schimidt e Scheila pelo prestígio ao blog Vida Corrida. 


Amei!!! 



#tourdataça #cocacola #copadomundo #blogvidacorrida

quinta-feira, maio 01, 2014

Tour da Taça da Copa do Mundo em Salvador - Vida Corrida marcou presença!!!

Dia especialíssimo!! 

Através de convite feito pela Coca Cola, ontem tive a oportunidade de participar da Cerimônia de Abertura do Tour da Taça da Copa do Mundo em Salvador. Como convidada blogueira "especial", tive não só acesso ao evento antes do público, como no momento da coletiva de imprensa. Com direito a todos os requintes e mimos oferecidos pela marca. Um verdadeiro "sonho"!! Principalmente pelo tratamento dispensado. Muito grata pelo reconhecimento aos escritos feitos neste blog, que por sinal constava nome na lista como Vida Corrida/ Dart. Tenham certeza que todas as postagens são feitas com muito carinho e paixão ao esporte.

Mas vamos lá ao evento:

Cheguei bem cedinho a este - 7h da manhã. No mesmo momento que os jornalistas, fotógrafos e meios de imprensa tiveram acesso. Tudo fechado só para a gente!! O que me deu a possibilidade de curtir toda a área vip, conhecer o espaço com tranquilidade, tirar fotografias, brincar nos jogos interativos (de totó, dança, corrida), além de bater um papo (do jeito que eu  gosto) e assistir a cerimônia de abertura + coletiva de imprensa.


Luiz Felipe Schmidt, gerente de Comunicação da Coca-Cola para a Copa do Mundo deu abertura a recepção. Esta contou com a presença de Bobô (ex-jogador do Bahia), Bebeto (Tetracampeão pelo Brasil na Copa do Mundo), Lázaro dentre outros. 

O Bebeto, Membro do Comitê Organizador do Mundial se emocionou muito ao rever a taça. Dizia estar com saudades!! A beijou, assim como acarinhou fazendo o gesto do "nana neném". Sem deixar de demonstrar a sua simplicidade, quanto suas origens, comentou sobre o bairro de Brotas. Do quanto ainda quando menino sonhou em um dia chegar a conquistar um mundial. Das dificuldades encontradas por todo caminho por ter uma família tão grande. Sua mãe tivera 8 filhos. Não bastasse adotou mais 2. Ao olhar para trás ressalta que a luta foi grande. Aproveitou para elogiar o Esporte Clube Bahia pelo título, mas não deixou de expressar o seu amor pelo Vitória (embora tenha começado sua carreira naquele).

Bebeto ainda aproveitou para comentar as dificuldades encontradas na realização de uma Copa no país. Refleti que enquanto jogador eles nem imaginavam como era trabalhoso estes trâmites. Mas hoje senti presencia estes percalços. Acredita que a Copa irá deixar um grande legado para o país. Eu não tenho dúvidas.... E as lembranças serão incríveis, principalmente por "termos" feito parte desta história!!

Como diria a Sheila quem não se recorda o que estava fazendo nas Copas passadas? Ahhh eu me lembro bem. E ao olhar para aquela taça linda, reluzente, me vieram tantas lembranças. Lembranças ainda de menina. Quando vivia no interior. Na rua da minha avó jogando bola, em plena tarde de jogo.... E como não lembrar quando o Brasil perdeu para França. Eu estava compartilhando aquele momento com amigos na AABB de Jacobina. Aiii que raiva senti. Ainda lembro, Copa de 2009 comendo feijoada em Salvador, no play do meu tio. Ahhh COPA!!!!Ahhh esporte!!

Quantas lembranças boas nos trazem e quantos sonhos!!!.... 


Lembrar dos problemas dos nosso país é valido mas a busca por melhorias emerge de diversos setores. As palavras do Bebeto ficaram guardadas em minha mente e na volta para casa eu refletia sobre o quanto o esporte move sonhos e pode mudar a vida das pessoas. Bebeto sonhou quando criança. Não foi único e nunca será!!! Diversos sonham mundo afora e podemos sonhar, fazendo por onde.

Acredito na possibilidade de que o esporte aliado a educação é tudo para nosso país. Não basta dar educação, é preciso também promover qualidade de vida. E esta vem com o esporte, o lazer. Independente da sua modalidade. 

Ao sair do evento presenciei uma fila com vários olhinhos, de crianças de escola pública,  brilhando para ver a taça. Ela realmente é linda, é deslumbrante e dá para sonhar com ela que podemos algo melhor. Fica claro que em cada uma daquelas crianças  além de sonhos havia uma expectativa. Mesmo que suas condições não fossem das melhores todas elas possuem sonhos e a busca na realização deles deve existir independente de suas condições econômicas.

Bebeto - Tetracampeão!!!

Sonhar como Bebeto sonhou lá do Acupe de Brotas, talvez seja  a melhor forma de lutar por um país melhor. Não apenas atrelado ao esporte, mas a tudo. É preciso sonhar para que o primeiro passo seja dado. Se querermos lutar por um país que lutemos para ser reconhecidos!! Mudar fazendo bonito!! Ser Brasileiro é enfrentar tudo que enfrentamos e ainda assim curtir nosso futebol. Por que tenham certeza, quer queira quer não ele também realiza o sonho de milhões.

E por falar nissooooo..... Fiquei tão doidinha pela taça, que fui mais uma vez vê-la. Na verdade não aguentei ficar sem mostrar ao meu amor. Ele se encantou tanto com a taça - pessoalmente, que quase me trocou por ela. rsss!!! Não parava de curti-la. Fiquei mais uma vez na área vip. Desta vez com direito até de levar uma tacinha de lembrança e com direito mais uma vez aos comes e bebes.


Quero aproveitar para agradecer a Coca Cola e a querida/linda que me convidou  para este evento. Sinto-me honrada em poder ser uma das blogueiras contempladas. Obrigada pelo carinho!!! Voltem sempre a Bahia. #Quero voar com a taça no avião da Coca Cola!!! rssss!!! Me levem junto!!! kkkk.....