domingo, julho 21, 2013

Meia Maratona da Bahia 2013, sob outros olhares

 

Diferente de outros domingos a postagem de hoje será um tanto atípica, não a estranhem e perdoem por ser extensa. Mas vale a pena ser lida!! Em princípio diferenciada por que não participei da corrida  "correndo" e sim fiz todo percurso pedalando e ajudando amigos. 

Explico motivos! Este é um percurso que desde que surgiu o evento nunca me agradou muito. Não sou adepta aos circuitos fechados, para mim já basta as provinhas de 10k desta forma. Embora tivesse ganho uma inscrição na I Meia da Bahia, naquela época passei o presente de grego para meu amor, que correu e se "divertiu". Sendo assim de todas as edições da Meia da Bahia jamais participei, mas acompanhei todas muito de perto. O circuito fechado em meia, principalmente aqui em Salvador desanima muito, digo a mim. Pode não ser também a todos os corredores. Mas acredito que mudando com certeza terão mais inscritos. Não tenho dúvidas!! O calor que faz em quase todas as edições é muito desgastante e quando se tem uma prova linear isso ajuda, pelo menos a "cabeça".

Mas embora não fosse correr, fiz questão de convidar amigos de outras capitais para participar. Para não só virem correr no evento, como conhecer a capital, isso quem não conhecia. Um deles que aceitou o  convite muito fácil e em menos de duas semanas para a realização da prova foi o Sidnei Barbosa de Juiz de Fora - MG, que por sinal infelizmente nem conseguimos nos encontrar; outros já não tão incomuns em Salvador foram os BALEIAS Diogenes e Cida com os amigos Fernando, Aléssio e Rivanilda de Aracaju.

Equipe BALEIAS representada na Meia da Bahia -  eu ainda sem camisa BALEIAS de ciclismo (mas ela virá)

Acompanhei o evento desde o lançamento das inscrições, notícias no jornal... Como montagem - quando ontem estive no local com meus amigos de bike, até a largada e premiação. Percorri todo o percurso e fiz questão de assistir, dando apoio aos amigos que estavam correndo. Afinal quem não sabe que este apoio nos ajuda e muito. Sinto esta falta aqui em Salvador. Os staffs deveriam fazer este papel. Mas só vi dois no maior incentivo, na verdade eram marcadores de ritmo.


Enquanto corredora amadora, não sou das mais comuns que aceita qualquer coisa apenas por AMOR a corrida sem levantar minhas opiniões. Mas também não sou das mais exigentes, já vi corredores piores, tento ponderar minhas opiniões e saber se com todos foram da mesma forma ( claro que nem sempre foi assim). Embora tenha minhas críticas a fazer, tento as fazer da melhor forma possível. Hoje tento acertar. Digo meu intuito não é nem nunca foi denegrir a imagem do evento, afinal valorizo o trabalho de todos. Mas percebo que enquanto blogueiros e formadores de opinião temos sim de servir de exemplo e opinar com certeza. 

Levantar ressalvas e olhares que por ora parece que os organizadores, por estarem atrelados a muitas demandas, esquecem de observar ou fingem não ver. Então penso eu, que somos o olhar que irá ajudá-los a acertar cada vez mais.

Nesta postagem, por não estar inscrita, tentei trazer alguns olhares de corredores que de fato correram inscritos e de outros que acompanharam de forma diferenciada como eu.

Começo pelos pontos positivos para que não fique a má impressão de que eu só quis falar os pontos ruins. Ou seria melhor inverter a ordem?? Para ficar a boa impressão no final. Bem, começo por dizer que o amigo Sidnei, oriundo de Minas Gerais gostou e muito do evento, embora tenha sofrido com o calor. 

Eu particularmente fico muito feliz por isso, afinal meu receio seria convidá-lo e o mesmo voltar chateado.

Pontos positivos: 
Segundo Sidnei  Barbosa o  "cotovelo" no km 9 a 12 não compromete a prova, nem a deixa desinteressante. A hidratação foi um ponto forte da prova - "A organização está de parabéns, pois a hidratação foi perfeita, de 2 em 2km, o que evitou certamente problemas sérios com a desidratação, pois o sol é fortíssimo na Bahia, onde não existe inverno."  Este também foi  um ponto positivo levantado pelo corredor Aléssio de Aracaju. O mineiro ainda complementa "que a medalha foi de bom material, faz referência à Bahia (Senhor do Bonfim) e fez jus ao preço pago pela inscrição e esforço na corrida. Pós prova: Massagem, foto gratuita, banana (boa, de qualidade), maça (excelente tamanho e qualidade), Gatorade, água à vontade. – Muito bom!!!  

O corredor traz pontos a serem melhorados. Para Sidnei a largada deveria ter sido separada, os que iriam correr a meia dos 5km e 10km, pois alguns se enganaram e largaram com a Meia sendo posteriormente desclassificados. A divulgação precisa ser maior. Para o mesmo houve pouca participação na meia maratona em si, mas isso se faz com o tempo e ações de marketing (palavras de Sidnei). No entrega do kit não havia camisas tamanho M suficientes. "O atleta fez a inscrição pedindo a camisa M, mas muitos não receberam. Precisa ser revisto." É uma dica para as próximas edições! Em si o corredor faz questão de ressaltar que a prova foi bem organizada, houve respeito com o corredor representado pela boa camisa do kit, pela excelente hidratação e pela alimentação pós prova.

Tendo trazido para esta postagem apenas o olhar positivo deste atleta, mas você que também correu pode ao fim da postagem comentar sobre o que achou. Vamos lá as minhas intervenções e ao olhar de um outro corredor. 



Como já fiz menção, me ausentei em princípio devido ao percurso da corrida, nada contra a organizadora em si. Mas quero trazer outras condições que precisam ser analisadas e há muito já não faço aqui no blog. De vez em quando precisamos retomar algumas questões que ficam esquecidas.  Este ano tenho me segurado bem $$$ com relação a inscrições.. A questão tem sido séria, o BOOM não tem volta e é preciso que nos seguremos financeiramente para o crescimento de corridas na cidade de Salvador. 

Não dá para a gente querer correr todo fim de semana $$$. E digo não só por que não queremos pagar tão caro para correr, mas passamos a permitir certos preços e esta tendência será aumentar cada vez mais. Sei que hoje muitos, dos amigos, que começaram a correr na época que eu comecei já não correm tanto as provas. Principalmente devido a este fator.

O que sugiro??...

Penso que por parte dos organizadores é preciso repensar novas estratégias para rebuscar aqueles corredores que não querem mais correr devido aos preços. Uma delas, alguns já estão pondo em prática, que é a criação de kit básico com preço mais em conta
Ao corredor que já tem anos de corrida o kit já é algo que já não faz tanta diferença e acredito que por exemplo o organizador dizendo é x pelo número de peito sem isso e sem aquilo com certeza o atleta não deixará de correr por que era tanto $$ a corrida. Digo isso por experiência de amigo, que ontem, na entrega do kit foi surpreendido por um senhor que queria comprar apenas o número de peito. O que ele queria era correr e nada mais!! Há quem queira correr, e há quem queira apenas o kit. Cansamos de ver pessoas que no 1km já não conseguem mais correr, mas que se inscreveu para ter aquela bela camisa. A gente sabe que isso é comum. E tendo o número de peito o corredor não precisará se sujeitar correndo de pipoca como estão fazendo.
Quem acompanha meu blog sabe que sempre fui e mantenho minha posição contra pipoqueiros. Penso que se não pagou não se deve entrar de penetra. Mas minha forma de enxergar o pipoqueiro é da seguinte forma: aquele cara que vai a prova dizendo que vai usufruir da rua, mas que além de correr faz uso dos pertences da organizadora. Ahh ai já é demais!!! Correr até pode, mas pegar a água da galera e isotônico NÃO. 


Pois bem!! Mas também não concordo com a organizadora propor uma campanha anti pipoqueiros, nas redes sociais e até buscarem nosso apoio, mas na prática e no desenvolvimento da corrida agir de forma incoerente com o proposto. 

Faz-se uma campanha contra pipoqueiros mas na hora de contratar marcadores de ritmo querem serviço quase que gratuito. Pera lá!!! Para tudo....que a gente desce... Os corredores em si "pagaram" R$80,00 para correr, será que não dá para pagar os marcadores?? Ser marcadora de ritmo quase que gratuita???? usufruir e explorar o trabalho dos corredores  em troca de um kit de corrida, ou seja R$80,00 que não será líquido é esquisito. Ai não condiz com a campanha que a organização levanta. A organizadora que se propõe a fazer uma campanha destas deveria no mínimo pagar o marcador de tempo para poder dá exemplo. Parece um tanto "mesquinho", eu ganho de vocês e é isso!! Lembro que na Golden Four Asics alguns amigos meus foram marcadores e estes ganharam além do kit, um conjunto com o tênis lançado para a prova, bermuda e camisa da marca.

Quando comentaram comigo a respeito do assunto, perguntando se eu queria ser pacemaker (marcadora de tempo) apenas agradeci e passei para quem quisesse. Acredito ser uma experiência diferente, mas estaria concordando com o fato.

Algumas vezes já ganhei kit de corrida por possuir blog, aceitei e sei que isso se deve ao fato de publicarmos postagens ao fim e dá uma visibilidade maior a organização. Não me senti usada, pois em todas as postagens mantive minha opinião sem censura. Não precisei ser boazinha e mentir até por que seria infiel de minha parte agir desta maneira com quem lê o blog. Há quem pense diferente. Talvez por que ainda não tenha enxergado a corrida além do evento em si. Leiam mais, procurem saber mais além dos bastidores!!! não precisa ser amigo de ninguém para saber de nada, basta ler revistas de negócios, sobre economia, política. Saibam que até nelas vocês irão encontrar coisas sobre corridas. Não só as meras revistas propagandeadas.

Precisamos despertar para os rumos que o mercado de corridas vem tomando, não só em Salvador mas no Brasil. Esta foi uma das posturas da organizadora que me deixou encabulada e de certa forma chateada! Perdoem, mas precisava me posicionar, pois estava me incomodando ver esta situação ocorrer. Embora amadora, olho também pelos atletas que são profissionais e vejo o pacemaker como profissional.

Valorizo, acolho bem, incentivo o povo a participar e quero que mais eventos deste porte retornem para Salvador até por que foi bem organizado, bonito. Mas espero que não só respeitem corredores amadores, como  profissionais. Seria justo R$400 no pódio de quinto colocado geral numa estrutura de corrida deste porte?? Olha prefiro nem enveredar para este outro lado, se não é hoje que esta postagem não conclui.

Sei que não sou a única que discorda de certas coisas impostas por este mercado, no entanto muitos se calam. Sabe aquela história de que é melhor ser seletivo nas batalhas, estar em paz, que estar certo? É mais ou menos assim que alguns pensam e se deixam levar pela emoção de correr. Aliás pela PAIXÃO que nos move.

Bom saber que não se trata de uma maioria. Por exemplo acompanhando a corrida de hoje, logo cedo encontrei o amigo corredor Ivan Hostil que não inscrito ainda assim fez questão de participar todo percurso carregando um cartaz de protesto. Como disse NÃO apoio pipoqueiros. Mas admirei a coragem e garra do rapaz, que fez  questão de não se utilizar de recurso algum do evento - nem tampouco água, apenas seguiu correndo todo percurso com seu cartaz de protesto. E que por sinal foi apoiado por muitos. Hoje pode ser um, amanhã diversos, assim pensei!

Segundo Ivan seu protesto deve se aos preços praticados pelas organizadoras. Ele acredita que as corridas precisam manter o caráter popular. "Se são necessários preços tabelados, que se criem descontos para que um cara que ganhe um mínimo, possa arcar com uma, duas provinhas de boa estrutura por mês. Eu poderia ter sacrificado algumas coisas e ter feito a prova, mas se a gente cede todo o dia, todo ao ano haverá reajustes e as corridas mais queridas e populares vão ficando cada vez mais distantes das pessoas menos privilegiadas financeiramente. 

"O percurso escolhido é legal e dinâmico. A alegria dos estreantes e a determinação do público diferenciado da meia torna aqueles minutos pré prova e do pós mágicos - Ivan". Os corredores se identificaram bastante com o protesto que decidi iniciar. Recebi aplausos, afagos, palavras de carinho. Estou certo de que hoje foi passada uma mensagem, a voz de um corredor e que os iniciantes, público-alvo de quem cobra tão caro, levem a frente essa ideia. Quem sabe não se cria um preço padrão ou mais justo para as provas no Brasil após isso?"


Enfim é isso gente, vou tentar não me estender mais por que sei que vai ficar cansativa a leitura, se já não esta. 

Agora sobre o meu olhar com relação ao  evento

Sob meu olhar de cima da bike a corrida foi bonita, super tranquila, sem grandes problemas. Não presenciei pessoas passando mal - embora estivesse quente, a hidratação de fato foi positiva vi o pessoal comentando, falaram da boa aferição do percurso que bateu certinho. Assim como muitos amigos  falaram super bem da organização. Gente que até baixou tempo neste calor. Ou seja os pontos que levantamos a serem melhorados são poucos.


Eu particularmente me diverti bastante pedalando e incentivando a turma. Sei que a turma gostou do apoio hoje e com certeza irei repetir em outras provas que não esteja inscrita.

Espero que goste da postagem e caso queira deixar seu comentário sinta-se a vontade para comentar. Fale como foi sua corrida, o que achou, tenho certeza que estes comentários ajudarão aos organizadores.

Por fim quero Parabenizar o campeão masculino da prova. Aliás as mulheres, a Maryli, aos corredores das categorias PNE que admiro demais e todos os corredores que concluíram esta prova mesmo debaixo de um sol de rachar. 

Tenho lá meus motivos especiais para parabenizar Giomar, um deles por ser meu conterrâneo e um GUERREIRO. Somos da mesma cidade, Jacobina. 

Então parabéns Giomar!!!!


BOA SEMANA turma, bons treinos!!!.... 

ps: novas imagens serão inseridas

11 comentários:

ALEX disse...

O percurso vai-e-vem facilita muito a organização. Não acho ruim, porém o percurso farolfarol com chegada na Barra é bem mais bonito, porém o mesmo ser em set já é bem mais quente. A Latin melhora a cada ano, esta é a terceira que corro e o evento está melhor. Tbm concordo que deva ter um kit básico só com número e chip. Do kit não vou usar nada: a meia é tam 35, a caminha não gostei da cor e é cheia de propagandas e toalha já tenho uma igual, pois nado tbm. Paguei R$86 por muito coisa que não uso.

ALEX disse...

se esta prova fosse aqui e Elisa não quissesse competir (pois ela sempre pega pódio na categoria) seria mais barato pagar uma bicicleta (R$50) para nos acompanhar na hidratação, do que pagar 2 inscrições R$172
Com 1 ano de corrida já acumulamos demais material de kits e com qq promoção da centauro ou megashops combramos n materias de kits sem propaganda alguma...

Luiz Souza disse...

Olá Dart.
Também já reclamei bastante dessa forma como a "empresa" quer empurrar goela abaixo esse tratamento discriminatório. É um abuso mesmo. Mas não consigo ir numa prova e correr no meio da galera sem a inscrição, eu me sinto "nu" numa corrida sem aquele "papel na pança".
Abraços

Rodrigo Salazar disse...

Parabéns pela maturidade usada em sua, muito boa, análise.

Indago: não seria o momento dos organizadores olharem as provas no Nordeste com outros olhos, não só quanto ao preço, mas especialmente na questão do horário e condições climáticas?

Corri ontem e senti muito o calor de 31C! Sim, 31 graus! Em Chicago e Berlim já cancelaram provas em condições mais favoráveis.

Abs e parabéns pelo blog

Runner Hostil disse...

Ontem foi o dia que tirei para bradar, Dart. Se tivesse carinho pelas provas da O2, como tenho pelas da Latin, semana que vem estaria na Adidas, em sentido oposto ao povo com meu cartaz novamente. Está beirando o absurdo... Eles tentaram aqueles 120 da Night Race, mas deram pra trás e diminuíram o valor em 25 reais. A galera pagou e parece que será esse o padrão.

ALEX disse...

Das meias na bahia a que gostei mais foi a farolfarol em 2010 organizada pela corpore! show de bola. Das meias da Latin esta foi a melhor. O ideal seria saída 6h. Vamos juntos pedir uma meia Golden Four para a Bahia. Seria muito bom. A última farolfarol que participei foi em 2011 e achei que faltou água gelada e poderiam colocar mais isotônico. O problema da farolfarol é ela ser em set, porém se sair 6h ela fica perfeita!!!!

Samuel disse...

Brilhante relato. A corrida foi muito boa e o percurso para aqueles que tem condições de melhorar o seu tempo são ideais é claro tirando o forte calor. Dois problemas que vi foram na largada onde muitas pessoas que foram correr os 5 e 10 ficaram atrapalhando a largada dos 21 km e o outro e o mau cheiro no primeiro e último km próximo (Costa Azul). Talvez alterar o local da largada/chegada para o Jardim Alah e aumentando essa diferença no decorrer do percurso.

Helena Clebsch Vidal disse...

Dart Querida, gostei muito das suas reflexões. Também já tive o privilégio de ganhar inscrições de provas para correr e poder dar minhas impressões dos eventos. E quem acompanha o blog, sabe que SEMPRE coloco os pontos positivos e negativos. Sempre há alguma coisa a ser melhorada. Recentemente, fui procurada por duas empresas de tênis para fazer textos deles. Isso sim me aborreceu. O blog é pessoal e aceitar uma coisa assim o tornaria comercial. É desse jeito que fiz minha parte neste quesito. Dei um "não, muito obrigada". Sei de amigos que aceitaram, mas não acho legal. Desculpa o desabafo.
beijos querida e parabéns pelo treino. Pedalar com amigos é uma delícia.
Helena
correndodebemcomavida.blogspot.com
@Correndodebem

Fábio Pangaré disse...

Bom dia Dart,
Primeiramente parabéns pelo blog e pela iniciativa de deixar o leitor comentar, não tinha visto esta possibilidade anteriormente.
Não participei da meia de Salvador, pois fiz a maratona do Rio neste ano, vou fazer a 10 milhas Mizuno e a Farol a Farol.
Também acho as aprovas muito caras, a sugestão de ter um kit só com o número do peito e chip é interessante, mas não vai rolar.
Um dos atrativos para o patrocinador é corredor ostentar a propaganda da empresa na camisa. O que poderia ocorrer é realmente uma diferenciação de kit: um com chip, número e uma camisa básica, com preço menor e outros kits mais luxuosos para quem faz questão e está disposto a pagar bem mais caro. Isso seria uma forma de aliviar o preço para quem só quer participar da prova.
O organizador está aí para ganhar dinheiro, obter lucro (não há nada de errado) o que a definirá o valor da inscrição é a lei de mercado, oferta e procura, enquanto houver gente pagando eles vão aumentar o preço, quando houver pouca inscrição eles abaixam. É o que ocorreu com a noturna da 02 que não participei, pois o valor era abusivo, eles baixaram mais continuou muito caro e não participei (também sou contra o pipoca que usa a estrutura, mas não paga).
Assim, salvo melhor juízo, boicotar corrida cara é a melhor solução para baixar o preço.
Forte abraço,
Fábio Pangaré.

Rebeca Peleteiro disse...

Belíssimo post. Adorei as suas reflexões e concordo com o seu posicionamento. Salvador vive realmente um boom, mas todo momento assim chega um momento que esfria. Não se sustenta. Acredito que as melhorias precisam vir. Como você mesmo falou para esta prova as inscrições não foram encerradas. Já as provas com preço e condições mais justas têm sido sucesso. Adorei.

Anônimo disse...

Corro há um ano, estou desempregado e participo de corridas na pipoca mesmo, levo minha água e acredito que o que importa é correr, não ligo para vestimentas e nem número no peito, se as corridas variassem entre 30,00 e 45,00 num kit básico eu pagaria. Abraço a todos.