segunda-feira, julho 30, 2012

18ª Corrida dos Carteiros - Salvador


Depois do domingão passado - de pedal, este foi de corrida. Estava inscrita na Corrida dos Carteiros e embora tenha dormido muito tarde, não foi este o motivo por ter acordado tão atrasada. Simplesmente meu celular não despertou, devido um tal de som de aplicativos estar desativado. Resultado só acordei por que Lucas me ligou às 6:35 para saber o horário da largada da corrida, afinal o mesmo não estava inscrito e sairia apenas para fazer um treino (coisa rara). 

Abalada com o horário, corri primeiro para cozinha é claro. Afinal se não comesse assim que acordei era capaz de colocar para fora o café da manhã na hora da corrida. Tinha pouco tempo e simplesmente bati uns 500ml de vitamina de banana com leite de soja e engoli (nossa só depois fui ver que havia tomado demais). Corri para o banho me arrumei e ainda antes de sair, engoli um pãozinho integral com carne afinal o receio era por não ter engolido nada salgado. Preciso comer algo salgado sempre. O meu café sagrado infelizmente não pude tomar, caso tomasse não daria tempo de pegar meu número de peito que ainda nem estava em mãos.

Devido a morar na mesma quadra dos Correios, levei menos que 4' para chegar ao local. Também sai em disparada, pois a largada era às 7:20. Ufffaaa!!! Nem sei como cheguei. Confesso que pensei em desistir de ir. Mas BALEIAS que é BALEIAS não desisti nunca.

Pouco tempo para falar com os amigos, Paulo, Sandrinha Grisi, Zezé, Augustinha, Nice, Rebeca, D. Gina sua mãe... e já era dada a largada. 

Paulo, o amigo, eu , Gugu e Sandrinha Grisi (pessoas queridas)
D. Gina e Rebeca

Não sei o que me aconteceu este fim de semana, mas não sei se devido as aulas diurnas de segunda a sábado,  tenho me sentido um pouco cansada. E acreditem se quiser, o cansaço bateu no meio da corrida. Fiquei ali me perguntando, mas que diabos estou fazendo aqui? Poderia estar em casa dormindo. Nesta hora até lembrei da minha mãe. Foi justamente quando eu já estava próximo de cruzar os 5km e no mesmo momento em que avistei dois rapazes, aliás um menino novo e um de mais idade cortando o caminho da corrida. Pensei novamente - MAS QUE COISA FEIA.... E segui.

Foi a hora em que no meu desânimo, escuto alguém gritar "Bora Baleias!!". Era o grito de Berilo e que naquela hora me reergueu. Bora embora Baleias...desencalha desta colônia. E mantive o pace. 

Outra surpresa do outro lado da pista. Avisto um laranjão, ops???!!! Um Baleias?? Como, se em Salvador só tem eu e Lucas? Ah mas é claro, era justamente ele. Estava treinando e apesar de ter feito o mesmo percurso que todos, não se utilizou de nada da prova. Coisa que há muito alerto meus amigos. Querem usar a pista, tudo bem. Mas levem seus pertences e não usem da organização. Afinal não queremos ser rotulados de penetra.


Ao avistar meu Baleizinha, sai mais feliz. Sabia que lá atrás vinha alguém me acompanhando...apesar de lá no fundo (mas com um ótimo tempo -hihhiii). E infelizmente ao cruzar ali perto do Centro de convenções quase fui atropelada por uma mulher mal educada. Gente precisava uma falta de educação destas? Esta vendo um evento acontecendo, corredores passando, precisa uma grosseria destas? É por isso que eu continuo afirmando AMO MINHA BAHIA, mas ôhhh povinho SEM EDUCAÇÃO. Não estou falando de todos, mas de uma maioria mal educada, que não se coloca no lugar do outro. Xinguei a mesma de tudo que é nome.... aíii que raiva.

Mais a frente o trânsito se tornou um caos, simplesmente os carros invadiram a pista. Engraçado tinha policiamento. Motoristas invadiram a pista a ponto dos corredores terem de correr em cima do canteiro. Foi a solução encontrada por mim, afinal melhor correr em cima do canteiro cheio de buraco, a querer competir com carros. Logo ao meu lado, uma cadeirante quase atropelado por um caminhão.

ABSURDO.... A iniciativa de ter categoria para corredores com necessidades especiais é boa, no entanto, se os Correios se propõem a fazer uma corrida que integre cadeirantes bem como outras necessidades, precisam dar condições para aos mesmos participantes. Uma corrida que nem sequer tinha condições de um corredor tido como normal correr, imagine um da categoria PN?? Em que carros quase atropelam corredores, cadeirantes no mínimo isso se chama falta de responsabilidade e precisa melhorar. 

Enfim, se eu gostei da corrida?? Bem eu continuo afirmando que corridas promovidas pela FBA e AVAB sempre irei apoiar e gosto muito delas. Por mais que estas, às vezes, deixem  a desejar, penso também no corredor humilde que não tem condições de correr provas glamourosas e promovidas por grandes organizações. Que a FBA e AVAB precisam melhorar os eventos nós já sabemos. Mas neste caso, diferente de muitos corredores, penso que não é deixando de participar que iremos ajudar. Sempre vou afirmar, que me sinto mais segura correndo provas destas organizadoras, em que aceitam no máximo 600 atletas correndo. Nestas são 600 atletas para 2 ambulâncias, diferente das glamourosas que correm com 5mil/6mil atletas e mantém-se 2 ambulâncias. Sem falar que nestas corridas lotadas já presenciei muita coisa chata (sem falar nas mortes). Vale mais apoiar uma que se dedica ao corredor e que você de fato encontra os verdadeiros apaixonados por corrida, que participar de outras que se dedicam apenas ao comércio. Não que eu deixe de participar das demais, EU AMOOOOO CORRER. E participo sim, das que acho que valem a pena AINDA. Por fim é esta minha opinião, claro que nem todos precisam pensar da mesma forma que penso.

Apesar dos pesares conclui a prova tranquilamente no meu garmim com 58'20. O percurso foi aferido corretamente. Mas para completar a FBA arbitrou errado, meu tempo saiu com 1:00:16, sendo que no garmin marca tudo direitinho. Erro de arbitragem não só em meu tempo, mas de outros corredores. Ponto negativo também. Tiveram sorteios de 2 bicicletas para corredores de fora, e 2 bikes para funcionários. A vantagem do evento, sempre é reencontrar os amigos.

 Reginaldo Holyfied, espia só a gente num close

terça-feira, julho 24, 2012

E mesmo quando não se corre, se pratica!!! 52km de Pedal!!!


E mesmo quando não se corre, se pratica. Dada a minha decisão de não fazer a Meia maratona da Bahia (devido a vários motivos: 1. Odeio circuito fechado, 2. Havia corrida a Meia do RJ dia 08 de julho e feito os 10k da Corrida da Independência, 3. Odeio calor. Sim, odeio e é esta minha opinião. Odeio calor e isto só atrapalha mais minha "alergia"!!).Se não irei correr nenhuma meia Bahia?? Bem quem sabe?? Talvez!!!...Nunca pronuncio o Nunca!

 Pois bem!! Mas deixar de estar na ativa? Jamais...

Aproveitei para aceitar o convite dos amigos para pedalar pela cidade. E o domingo foi incrível!!! Saímos da Pituba, justamente do percurso da Meia Maratona. Onde deu pelo menos para eu assistir os primeiros que chegaram... E claro a Vitória não poderia ter sido melhor. Veio da minha cidade!!! Claro é ele Giomar Pereira. Não teve queniano certo. Ambos primeiros lugares foram de baianos. Só deu para Bahia!!! Foram eles o já citado, e Marily dos Santos. Lembrando que sou uma grande admiradora do Cruzeiro. E a ocupação do pódio masculino foram de três corredores do Cruzeiro... "Dali" Cruzeiro!!
Ao assistir a Meia da Bahia, enquanto esperava os amigos... ainda tive tempo de fotografar alguns amigos...os primeiros que vinham chegando dos 5km e 10km. AMOOOO A CORRIDA!!! Mas confesso aquele sol estava de "lascar" e fiquei bem tontinha com o sol. Claro para não me dar mal, antes do pedal, já que sabia que ia ser brabo aproveitei para tomar uma água de coco.

Saímos mais ou menos umas 9h em direção a Ribeira e desta vez meu amor Lucas foi. O que nos motivará?? Bem, Comer pastel na pastelaria da Ribeira e tomar sorvete na melhor sorveteria e SSA. Já é de praxe em nossos pedais tomarmos sorvete nesta sorveteria. Eu adoro!

Pedalamos num grupo de 15 pessoas mais ou menos, com o grupo da Lúcia e os de sempre Eduardo, Adinaildes, Helena, Lourdes, Carlos....diversos.  Destes homens e a  minoria mulheres. Exatamente 5 mulheres. No pedal ainda somos a minoria, mas temo que esta estatística venha a crescer.

Em Ponta de Humaitá

Pegamos a via ciclovia Pituba, no largo das baianas atravessamos a rua - sentido Visconde de Itaboraí, Rio Vermelho, Vasco da Gama, Fonte Nova, Comércio, Humaitá (onde fizemos a parada claro - naquele local lindo) seguimos Ribeira.... 

Ao longo do caminho pegamos um túnel, coisa que não gostei muito. Achei desconfortável e perigoso pedalar, mesmo que de dia. Eu não enxergava nada dentro dele, além dos carros passarem muito rápido. É preciso muita segurança para passar dentro de túneis. 

Chegando na Ribeira, não podia faltar o sorvete maravilhoso. Disparei para o sorvete, já que a pastelaria ainda não havia aberto. Enquanto tomávamos sorvete uma outra parte do grupo foi para a Praia de Bogari tomar uma... água e comer. 


Ao terminarmos também seguimos para a barraca de praia, aguardar a Pastelaria abrir.Cansados de esperar, fomos literalmente abrir esta, e daí sim tudo foi festa.

Praia de Bogari - Ribeira

Abrindo a Pastelaria!

Alimentados com pastel. Saímos em direção ao nosso retorno, desta vez evitamos o túnel. Em contraposição tivemos de enfrentar o ladeirão da Contorno. Mas nada que assustasse a turma. Ao subir a ladeira. Pegamos Canela, subimos outra ladeira,  na qual fomos dar na Perini e descemos sentido Farol da Barra, onde encontramos o amigo ciclista - que também pedala conosco, fotografo Alain. Este tirou diversas fotos nossa. Concluída a sessão de fotografias, retornamos sentido Pituba. Claro o pedal sempre com paradas para água de coco.

Maravilhosa turma!!!

"Concluímos" o passeio com 54km. Para mim 52km já que fiquei na Pituba. Cheguei em casa as 16h e agradeço a todos os amigos que me proporcionaram este belo domingo. Ah! Lembrando que na quinta-feira também pedalei 29km a noite, com uma parte do grupo. 

MARAVILHOSO!!! Estou AMANDO cada vez mais pedalar.

Eu e meu amor!

domingo, julho 15, 2012

Circuito Salvador Powerade - Corrida da Independência

A corrida?? Maravilhosa!! Mas o troféu continuou lá

Aí aí!!! Com descanso de apenas 6 dias depois da meia do Rio. Eis que devido a já estar inscrita na corrida da Independência, me arrisquei a mais uma prova. O que eu não contava, era que depois de todo aquele aguaceiro no Rio  ficaria gripada de novoooo!!! E pior que ficar gripada, foi  não poder tratar com remédio. Já que todo remédio da gripe que tomo, com dois dias me dá tiuti (alergia feia).


Como os meninos estavam tão animados, não tinha como não ir. Tinha de aproveitar a boa maré. Depois de mais de 6 meses sem correr com a gente,  Paulo estava retornando e para completar conseguimos fazer com que Lucas Monteiro também acordasse cedo para correr. 

Era claro MOTIVO de ALEGRIA!!!


Lucas Monteiro, eu , Lucas e Paulo

Saímos todos juntos para o evento. Eu, Lucas (amor), Lucas Monteiro e Paulo. Chegamos no Farol umas 6:50. Foi o tempo que deu para encontrar os amigos, confabular, tirar fotos....e colocar as coisas no guarda volume.

A largada foi dada no horário certo, achei ótimo  isso. A única coisa que acho que falharam foi na largada dos percursos. Talvez tivesse sido melhor largar a turma do percurso de  5km primeiro, afinal a elite de 5km depois teve de ficar desviando de uma galera. Mas enfim isso foi o de menos.... Por que a corrida foi muito bem hidratada, 4 postos de hidratação para 10km. Pensem.... Kit bonito. Gostei muito!

Pude reencontrar os amigos, Samuel, Cris, Lucas Andrade, Ivone, Emerson (saudades), Sônia, Neuza, Dora, Jussara, Júlio, Oliveira, João, Robson, muitaaaa gente! 

João, Dora, Cris, Júlio, eu , Lucas

Em compensação!!! Dona Dart, que por sinal nem deveria estar correndo!!! Saiu muito forte. Eu simplesmente não conseguia controlar meu pace. Sabe quando você corre e nada senti e nisso vai cada vez mais aumentando? Pois bem, ainda em Ondina eu já ia num pace de 5'44. Muito pior?? Eu não conseguia recuar. Chegando no km 5, eu ainda me achava muito rápida e já tinha saído de casa pensando em fazer uma corrida tranquila.


kkkkkkkkkkk.................

Minha ideia era fazer em quase 6'. Na dificuldade de achar o pace ideal, fui encontrando alguns váriossssssss corredores. A Maira. Passei bom tempo conversando com ela. Minha respiração?? Bem, kkkk parecia sinfonia,  de tão ofegante que estava por conta da gripe. Estava com nariz entupido, daí respirando mal e surdinha.

No ponto de sempre reencontro o Robson, como sempre em frente ao ISBA. Fomos juntos boa parte do caminho. Ora eu reduzia e depois o acompanhava, ora ia junto lado a lado batendo papo, mesmo com a respiração péssima. Engraçado por que recentemente uma amiga disse que eu corria muito séria e não falava com ninguém correndo. rssss! Hoje eu conversei. E lado a lado CHEGUEI com Robson. A chegada foi triunfal, ao lado de Robson, digna de um BALEIAS.

Tem chegada mais bela que esta??? Não existe!! Isto no mostra o que a corrida faz conosco. Contagia nossa alma!!!

Num tempo melhor do que havia planejado. Tá vendo?? Como faz bem desencanar com tempo... isso é uma coisa que não me pertence mais. Ainda mais por ser BALEIAS!!! Graças a Deus. 


Se baixo tempo bom vamos comemorar, se não baixo não sofro e fico falando para os outros. Nossa é incrível como as pessoas assim que você vai cumprimentar mal falam com você, já ficam se explicando que não fez uma boa prova, que o tempo foi tal. Mas eu nem perguntei. Falam como se tivessem cometido o maior pecado do mundo.... desencana gente. Affff!!! particularmente o meu lema é EU CORRO é PARA MIM, e não PARA OS OUTROS. Corro POR QUE SOU FELIZ CORRENDO. Pois bem, para os interessados...rss!! acabei concluindo a corrida num pace de 5'56, e fechei em 58'20'' ocupando o 3 lugar na minha faixa etária (de 7 corredoras).


Gostei MUITO do evento. Bem planejado! Depois desta tem mais uma no circuito, a noturna. Também quero correr a noturna, valeu a pena ano passado.

 Pós corrida eu, João e Lucas, ainda aproveitamos para ir assistir e prestigiar os triatletas na 3ª Etapa do Campeonato Baiano de Triathlon, que estava acontecendo no comércio. Enquanto na Barra estava aquele solzinho, chegamos no comércio chovendo. Mas logo passou! Foi bem legal. Adoro ir ver os triatletas.

Assistindo o triathlon no comércio

quarta-feira, julho 11, 2012

A corrida!!!!! 1ª vez na Maratona da cidade do Rio de Janeiro

  Na chegada....super emocionada, que nem conseguia rir

Já que o Dundes não aguenta esperar pelo prato principal, melhor eu me apressar, para que alguma coisa ainda sobre. Rs! Na verdade, o motivo maior desta minha demora de relatar sobre a Maratona do Rio deve-se ao fato do quanto este evento me encantou. É certo que fora de Salvador, participei de poucas provas ( exatamente três - Golden Four Asics RJ  - 2011, Circuito Athenas (21k) - BH e Golden Four Asics BH - 2012), mas nenhuma se compara ao que foi este evento.

Depois de tanta demora para decidir se ía ou não para a Maratona da Cidade do Rio de  Janeiro, hoje agradeço ao Miguel por ter insistido para que eu participasse. Apesar de ter pago trinta reais a mais de quem se inscreveu no início, digo que cada centavo valeu!!!!! Valeu e muito, por isso agradeço também a Spiridon pelo bom atendimento quando precisei. Em momento algum eles deixaram de dar assistência, foram super prestativos.

Mas vamos lá, sei que vocês estão MUITO curiosos para saber o por que tal evento é tão bem falado.

Se comparado com Salvador, começo a relatar da delícia de correr no Rio devido ao clima e ao respeito com o corredor, iniciando o evento cedo - a meia por exemplo largou as 6:40 e a maratona às 7:30 (ops tiveram atraso de alguns ônibus, que tiveram problemas para chegar). Até mesmo para quem correu a maratona o clima estava delicioso. Opa diga se de passagem né! Para quem gosta de chuva. Desde a sexta-feira o grande temor da turma era o fato da frente fria que estava chegando e que de fato daria aquela chuva. Dito e certo, enquanto, ainda, estavámos pegando o ônibus da organização, uma chuva fina já havia começado.

Na noite anterior, pela primeira vez consegui dormir cedo - às 22:30 e direto, só acordando no dia seguinte.  No entanto acordei com uma baita dor de cabeça, não sei se foi o horário (3:50). 

Estavámos alojados (eu e alguns Baleias  - Miguel, Elaine...) no próprio Aterro do Flamengo,  próximo ao local onde iríamos pegar o ônibus da organização.

 
Devido a forte dor de cabeça, que afetou até mesmo minha alimentaçao de manhã, tomei um dorflex e segui com o pessoal para pegar o ônibus.


Era aproximadamente umas 4:30 quando saímos de casa. A rua já era tomada por uma fila imensa de corredores. Ao tirar uma foto da turma pegando ônibus, recordei-me de uma fala da minha mãe, quando ainda estavamos indo para o aeroporto em Salvador. Ao avistar um corredor às 5h da manhã correndo, ela disse "ôhhhh povo que não tem o que fazer. Isso não é coisa de gente normal, sair numa escuridão desta e na chuva para correr". Foi nesta hora que para tornar a cena ainda mais semelhante, começou a chover também. 

 A fila de loucos por corrida. Mais  de 5mil atletas, MUITOOOOO MAIS!!!

Pensei, quantos daquela fila estavam precisando de um bom médico. ÔHHHHH  haja médico para tratar de tantos doidos como  os da foto. Que levanta-se às 3:50 para correr. Ahhhhh poupe-me viu!!!! Tem coisa melhor que isso???

SÓ QUEM DE FATO CORRE, SABE O QUANTO VALE A PENA.....
 e como vale!!! Vale muitooooo!!

Devido a quantidade de corredores, 22 mil corredores inscritos neste evento (8mil para a meia maratona, 6 mil para a maratona e demais para a Family Run), por algum momento achei que o evento iria atrasar. Dado que não ía dar tempo de todos nós sermos transportados ao mesmo tempo. Por que é claro, a maioria dos corredores pensaram igual - pegar os últimos horários dos ônibus.

Mas a Spiridon foi ainda mais inteligente. E independente da chegada de todos os corredores, deram a largada no horário correto e deixaram o tapete funcionando. Ideia sábia, já que o que vale é o tempo líquido. Resultado, larguei o pórtico depois de 11 minutos  dado a largada.

Quando chegamos no local da corrida, estava bastante frio por conta de um ventinho, apesar da temperatura estar em 22 graus.  Não deu muito tempo de respirar, já que acredito que a corrida já tinha começado; Só deu tempo de deixar as coisas no guarda volume e seguir a procura do pórtico, já que era uma imensidão de gente. Foi o tempo em que encontrei os demais amigos do Bando - a Ezilda,  Dani, Ênio, Claúdio, a Jéssica que estreiava em meia maratona e outros. 

Claúdio Dundes, Dani, Ezilda, Jéssica, eu, Elaine
  
Antes de largar também encontrei diversas pessoas de Salvador, na qual eu os reconhecia devido a roupa da equipe. Encontrei o pessoal da Triação, da Corpus Vitalle, Equilibrium. Falei com Edson da Zogby, que por sinal me deu um pedaço de uma barrinha de proteína. Aí sim estava abastecida. 

E era o momento de começar a corrida. Fiz um alongamento bem "meia boca" e larguei. Assim que passei pelo pórtico, ainda ouvi os gritos de motivação de Josie Dantas e Ana Carolina. Confesso quando você corre numa cidade diferente e encontra pessoas conhecidas, isso incentiva muito. Pois bem, não foi difícil não encontrar gente conhecida. A todo momento encontrei conhecidos, quando não alguém me perguntava se era a Dart que escrevia na Contra Relógio. Engraçado por que você nunca espera que alguém vá se recordar do que você escreve.

Só quando comecei a correr, foi que me dei conta de que não sabia nada sobre o percurso. Eu não costumo olhar estas coisas antes da corrida, pois sou péssima com mapas. A única coisa que sabia, era que era uma reta, o que eu gosto muito - via orla. Comecei e na verdade só esperava a subida do Joá. Não cogitava que havia uma subida tão longa logo no início do percurso. Vejam o percurso:


Para quem não treina ladeiras, até que a subida foi boa!!!Acho até que subi forte demais, para quem estava no início. Fiquei a todo tempo entre 5'55 e 5'58min/km. No meio do percurso fui encontrando algumas pessoas. Alguém toca em meu ombro acho que no km5, oi Dart. Era o Rodrigo Suzart que vinha muito bem. Logo em seguida, já na subidinha do Niemeyer encontro Nely da Zogby, falo com ela e sigo.No km 17 o João me ultrapassa.

Após aquecida com as subidinhas, aí sim começa a grande EMOÇÃO. É passado a sinalização da água, gatorade e lá vem a grande primeira surpresa. Este ano a organização caprichou e ao invés de usar copinhos, tivemos Gatorade de saquinhos. Imaginem que delícia!!! Além de não sermos afogados pelo copo  não precisavámos parar para aguardar encher os copinhos como em outros eventos que já participei. Uma grande ajuda para quem queria quebrar tempo. Sempre geladinho, não peguei uma água ou gatorade quente e segundo o pessoal dos Baleias, foi assim mesmo na maratona.

Corre, corre, corre....

E no km 10k para o 11km quando vou virando para o Leblon, vem aí uma grande emoção. Aquela praia linda!!!! Mesmo com o dia feio, chovendo por toda corrida - para a meia maratona sem ventar muito, não tinha como não se emocionar com a paisagem. E não só com a paisagem, mas como toda a dedicação da organização. Simplesmente ao chegar na praia, vem aí um grande tablado de frutas - banana e tangerina descascadas e sendo entregues na mão. Quem me conhece sabe que banana só como cortadinha, não em pedação. Mas com aquele mimo todo sendo oferecido era impossível recusar. A moça entregou em minha mão e como se estivesse faminta, estava eu ali desgustando daquela banana sem conter as lágrimas que caiam dos olhos. 
Ao mesmo tempo que eu chorava, a chuva molhava meu rosto e eu refletia "Quanta dedicação!" Por que não corri esta prova antes.Apesar da chuva...esta não foi motivo para afastar pessoas da orla. Havia muita gente animando e dando incentivo aos corredores.Vi diversos adolescentes, de 13 a 15anos gritando o nome dos corredores. Eles olhavam no número de peito o nome e chamavam bora fulano de tal. Uma corrida que dificilmente um corredor para para caminhar. Você só sente vontade de correr, dado os incentivos que recebe por todo percurso. São pessoas anônimas, e até empresas que contratam pessoas para incentivar e ajudar a todos. Lembro que haviam pessoas de perucas, da Unimed que ficavam pulando e divertindo o povo. Havia música em alguns trechos.

Outro momento muito emocionante, foi quando quase no km20, passei por uma bandinha contratada pela Light. Pense na animação dos músicos. Passei gritando e dando com a mão como se conhecesse os músicos. Sabe quando suas pernas saem correndo sozinhas??? Mas também havia uma vontade imensa de ficar alí dançando. Naquele momento eu já nem sentia que estava correndo. As pernas íam por mim e foi nesta hora que pensei, de fato corrida de 21km no RIO se torna pequena. Deu vontade de voltar e completar 42km.
A emoção por estar chegando era tão grande, que faltando 500m achei que fosse dar um piripaque. Reduzi um pouco minha velocidade para sentir o corpo e fui devagar, afinal achei que estava correndo muito bem,  por isso preferi manerar.
 By Irá

Bati mais uma vez meu recorde pessoal SEM SENTIR e SEM treinar para uma MEIA. Quem ver minha agendinha de corrida toma até um susto. Mas claro não desviei de uma poça d'água sequer. Pisei em todas as poças. Conclui a corrida em 2h05min48s. 
SÓ ALEGRIA!!!! Esta foi uma corrida para não colocar defeito. A única coisa que eu sugiro a organização, seria a mudança de local de entrega de kit, por ser pequeno o espaço para tanta gente. Mas no mais, é uma corrida que com certeza IREI REPETIR.

Após concluir a corrida, eu e outros corredores descemos para o barzinho Belmonte, o point onde os corredores costumam se encontrar após a corrida.. Lá ficamos no aguardo dos amigos maratonistas e Baleias. Dalí em diante foi uma festa!!! Valeu, valeu a pena!!! 
Uma parte do BANDO de Baleias
 Baleias - Dani, Edilson, Marinês, Elis e Robson com o amigo Jorge Ultra

Obrigada Spiridon pela oportunidade de fazer minha inscrição mesmo depois de esgotado. Nunca mais farei isso. Minha inscrição será uma das primeiras. Parabéns pelo belo evento.

O pós prova foi melhor ainda. Devido a alguns Baleias partirem no mesmo domingo para BH, como combinado passei a noite na casa da Elis. O que foi melhor do que eu imaginava. Os filhos da Elis são uns amores, uma família  linda, educados e eu me senti muito bem acolhida.

Para nossa surpresa, no dia seguinte apesar da temperatura estar muito baixa, tivemos o prazer de encontrar o Ênio e o Claúdio. e Aproveitando, fizemos um belo passeio de segunda-feira. Foi a segunda mais divertida deste ano. Fomos ao Passeio Claúdio Coutinho, ao Pão de Açúcar ( a casa da Elis é de frente para o Pão ) e além de tudo isso ainda ticamos uma das coisas da lista da Elis (que esta devia fazer antes de ir embora). Foi a  passagem no barzinho da Urca. Ohhhh tarde boa!!! A noite todos ainda foram me levar no aeroporto, e o Claúdio e o Ênio ficaram conversando comigo até que desse o horário de partir. Opssss de tanto conversar, quando entrei no embarque já era a última chamada do meu voo. Vai gostar de conversar assim lá adiante.

Elis, Claúdio, eu e o Ênio

terça-feira, julho 10, 2012

Véspera da Maratona da cidade do Rio de Janeiro

Esta foi minha primeira participação na Maratona do Rio de Janeiro, evento promovido pela Spiridon.  Considerada a corrida mais bonita do Brasil segundo votação na Revista Contra relógio, confesso que esta sendo difícil até mesmo começar a escrever esta postagem, dado o brilho que foi esta corrida. Temo através da escrita não conseguir passar a grandiosidade deste evento.Acho que é por isso que sou do tipo, só acredito vendo.

Vou dividir este relato em dois. Começo relatando a véspera do evento e em seguida descrevo sobre a corrida.

Um pouco indecisa se iria ou se não participar da Maratona do Rio - isto por que Lucas também não queria ir, demorei muito a fazer minha inscrição. Só depois de muita insistência e motivação do Miguel foi que decidi me inscrever. Pagando mais caro que os demais que já haviam se inscrito e depois de muito sufoco. Afinal as inscrições da meia maratona, que era o percurso que eu fiz se esgotaram muito rápido.

Bem, se é para ir vamos!

Cheguei no Rio de Janeiro no sábado que antecede a prova. A Elis e o Robson seu marido, apesar de ainda não os conhecer, foram me buscar no aeroporto. Também aguardamos a chegada da Marinês e do Edilson. De lá partimos direto para a entrega de kits, onde após a Elis me dar assistência logo seguiu me deixando curtindo a feira. 

Diferente do que imaginava (que ficaria sozinha, por não ir com Lucas) não tive descanso um minuto sequer e o fim de semana foi MARAVILHOSO. Por incrível que pareça, na própria retirada de kits encontrei diversas pessoas (que antes mesmo de eu reconhecer), que me reconheceram do facebook - Hélida, Fernandinha Runner, bem como diversas pessoas da Bahia. Encontrei muitos amigos na feira. O Luís Eduardo, Colucci, Sueli, assim como alguns amigos Baleias.

 Daniela Sommer, Hélida, Elis, eu e Fernanda Runner

E como confirmado com o Colucci, sai da retirada de kits direto para o Restaurante Real Astoria, onde tive uma tarde divertidissíma com diversos corredores. Além do almoço, assistimos uma palestra com um fisioterapeuta. Ocorreram sorteios - onde fui uma das sorteadas, levando para casa um kit da Meia do RJ do ano passado. Lindíssimo por sinal.

 Eu, João Zortea, Sirlei, Colucci, Pinguim, Luis Eduardo, Fredison (Bicampeão da Maratona da Disney) e Eduardo Pierre


Pude reencontrar o queridíssimo Vicent Sobrinho, pessoa linda de coração. Conhecer o Pinguim. 

Eu e o Vicent

O almoço foi um sucesso e sai junto "com o lixo". Fechamos o almoço, saímos de lá umas 18:50.  Onde fui direto para o jantar de massas com o MEU Bando Baleias

 Elis, Toledo, eu, Marinês, Edilson, Elaine e Miguel

Aí sim também foi maravilhoso. Mas como era noite, muito corrido. Saímos cedo do La Mole por conta da corrida. Teríamos de acordar muito cedo. Ainda assim o tempo foi bem aproveitado. Com um bom. Como ainda não conhecia todo o bando. Neste jantar pude conhecer pessoalmente o Gilmar, a Elaine, Ezilda, Toledo, Ênio, Claudio, Sheyla, entre outros.