quarta-feira, dezembro 21, 2011

Contagem regressiva para 2012!!!! Agradecer....

Mais um ano que chega ao fim (aliás ainda faltam 10 dias).... Mas já na contagem regressiva de corredora - à espera da Corrida Sagrada. Vou finalizando meu ano, aqui no blog, esperando que este período de festas passe rápido e logo chegue a corrida de abertura do ano de 2012.... rs!

O ano de 2011 passou muito depressa!!! Mal pude fazer tudo que queria e ele já esta findando.

Vem aí Natal, Reveillon e um ano novo cheinho de corridas!!! Cheio de percursos novos, outros mais antigos.... Novas metas! Planos....Vontades demais....

E antes que eu me adiante desejando a vocês um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo, quero agradecê-los pela companhia durante todo o ano. Por ter compartilhado minhas conquistas, outras vezes frustrações, com vocês e por ter sido agraciada pela amizade de muitos que leem este blog.

Saio do ano de 2011 muito feliz!!! E como boa baiana de alma lavada, por ter cumprido minhas metas e tudo que desejei para este ano. Primeiro por ter realizado o grande desejo de correr na Golden Four Asics e completar os meus primeiros 21km. Isto eu consegui!!! 

E mais que isso!! Por ter concluído uma segunda meia-maratona na cidade do meu amor. 

Este também foi um ano que conheci muita gente....Muitas amizades boas. Consolidei as amizades de outrora. E compartilhei muitas corridas ao lado dos meus amigos baianos, gaúchos, mineiros, paulistas...enfim de muitas naturalidades.

Só tenho a Agradecer!!! E meu agradecimento vem da seguinte maneira. Assista!!! E caso queira, comente!



Desejo a todos um FELIZ NATAL e um Próspero Ano Novo.... Que o bom velhinho seja bem generoso com todos!! Sejam generosos com o próximo também!! 

Para aqueles que gostam de correr... 
Um 2012 cheinho de corridas,

Para os que não gostam...
Um 2012 de mudanças...

segunda-feira, dezembro 19, 2011

Entrevista nº 7 - Fábio Namiuti


Antes de findar o ano não posso deixar de fazer a entrevista de dezembro e trazê-los mais um corredor. Este foi o primeiro corredor que entrevistei sem conhecer pessoalmente. No entanto que já conheço via redes sociais e blog há um bom tempo - Por sinal já me tirou de muitos sufocos!!!Ele sabe disso! Como já deixei expresso em entrevistas anteriores trago para este blog pessoas as quais admiro e este não poderia ser diferente. Escolho Namiuti por admirar sua história.  Conheçam um pouco mais deste cara:


 
Nome – Fábio Namiuti

Idade – 40, Mas bem melhor hoje que aos 30, em todos os sentidos,
O que faz? – Além de correr? Vendo livros (sou o autor novato de “Melhor que o caminho é o caminhar”), assino o site pessoal Arquivo de Corridas de Fábio Namiuti e, quando sobra tempo, trabalho como analista programador.
Há quanto tempo corre? – Oito anos de corrida, seis e meio de corridas oficiais.
Equipe – 100 Juízo, os malucos do asfalto. Agora também na Bahia!
Onde mora – São José dos Campos, São Paulo.
De onde é - Idem




Como surgiu a corrida em sua vida?

Ressurgiu... Pratiquei vários esportes quando criança e adolescente: futebol, basquete, handebol, vôlei e também o atletismo. Nunca tive habilidades especiais para nenhuma modalidade, mas sempre curti muito praticar todas elas. Gostava mais de distâncias curtas, provas de pista. Numa corrida de revezamento 4 x 100 metros no longínquo ano de 1987, ganhei a primeira medalha como corredor. Ficaria, depois disso, 15 anos totalmente parado: sedentário, viciado em cigarro, muito trabalho e quase nenhum lazer, péssima alimentação e muitos quilos a mais... Até descobrir que isso tudo havia me deixado doente, vítima de um mal comum, silencioso e traiçoeiro: a hipertensão arterial. O susto foi grande, mas a mudança de vida também. Parei de fumar, mudei hábitos alimentares e, principalmente, redescobri a atividade física. Primeiro, as caminhadas. Que não demorariam a se transformar em corridas. E mudariam a minha vida para sempre.

Qual a sua maior realização frente a este esporte?

São muitas as realizações nesses oito anos de corrida. Mas nenhuma delas se compara à recuperação da minha saúde. Perdi trinta quilos, remodelei meu corpo, ganhei disposição, energia e qualidade de vida. Sem falar nos inúmeros amigos que fiz pelo caminho e das muitas histórias boas que contei e sigo contando, através do meu site Arquivo de Corridas de Fábio Namiuti (http://www.fabionamiuti.hd1.com.br).

A corrida atrapalha ou influencia sua vida? O que ela muda em você?

A corrida hoje é o meu estilo de vida. Não atrapalha em nada, muito pelo contrário. Costumo dizer que ela me fez uma pessoa melhor. Não melhor que ninguém, por simplesmente praticá-la. Mas muito melhor do que eu era antes dela.

Quais são seus horários de treinamento e em média quantos quilômetros costuma fazer por dia?

Tenho o hábito de treinar no final da tarde, após o horário de trabalho, aproveitando para zerar, no final do dia, o ponteiro do “estressômetro”. Meus treinamentos são muito variados: faço tanto treinos regenerativos com quarenta minutos de duração apenas e em “ritmo de passeio”; quanto longões de 32 km ou mais, dependendo da prova-alvo para a qual esteja me preparando.

Você faz alongamentos antes da corrida? Ou pratica outra atividade para ajudar na sua perfomance?


Faço alongamentos, mas não necessariamente antes ou depois da corrida. Acredito que a flexibilidade é uma das características que ajudam não só na corrida, mas na vida como um todo. Alguém que deseja estar em forma pode não conseguir abaixar para pegar um objeto que cai no chão ou se esticar para pegar algo na prateleira mais alta do supermercado? Outro aspecto que considero fundamental é a força e resistência muscular. Muita gente me pergunta como é que eu estou correndo direto há tanto tempo, praticamente sem nenhuma lesão mais séria... É só ir lá ver o trabalho duro que eu faço, duas vezes por semana, na academia. Musculação não é só hipertrofia, ficar “bombado”. É equilibrar a briga contra a inevitável passagem do tempo.

No dia anterior a corrida como costuma ficar?

Hoje em dia, com quase duzentas corridas no currículo, bem mais tranquilo. Já fui muito ansioso, do tipo que passava noite em claro na véspera de uma prova importante. Aprendi a administrar bem isso. Mas adoro aquela boa ansiedade, aquele friozinho na barriga que deixa a gente mais ligado, focado no que deseja fazer. No dia em que não sentir mais esse frisson, acho que está na hora de procurar outra coisa para fazer.

Dentro deste esporte qual foi o fato mais engraçado que já enfrentou?

Muitos. Daria até um livro. Aliás, até já deu! Um capítulo inteiro dele, pelo menos. Foram tombos, escorregões, pés na lama, encontros e diálogos com personagens inusitados (bebuns, normalmente), “propostas indecentes” (hoje em dia não adianta mais, “tô” casado!), troféus que escaparam das mãos por pouco, lugares muito estranhos para correr... Até uma corrida que terminou, ao invés de um pórtico, no balcão de um bar, veja só... As pessoas que só correm provas chiques devem ficar horrorizadas com a simplicidade das corridas que eu já encarei. E adoro! Para mim, correr é bom em qualquer lugar, seja o mais sofisticado ou o mais “franciscano”.

Quais as dificuldades que você enfrenta? (Pode ser na vida ou dentro do próprio esporte).

Apesar de ter perdido peso (e ganhado saúde), continuo não sendo um atleta típico, com porte de corredor, o famoso “canela seca”. Muito pelo contrário, aliás. Praticar corrida é contrariar o meu biótipo, algo que faço com dificuldade e esforço. Se fico uma semana sem treinar, meu condicionamento cai a zero (e a balança acusa!). Mas é aquela tal história: dizem os cientistas especializados que o besouro, pelas leis da aerodinâmica, simplesmente não poderia voar. Mas é teimoso, vai lá e voa do mesmo jeito. Ou será que não contaram isso para ele?

Qual foi sua maior prova?

Em distância? Em número de participantes? Em emoção? Bom, tenho sete maratonas, cinco delas concluídas, duas em que não foi possível chegar até o final, mas que me trouxeram muito aprendizado, de qualquer maneira. Algumas provas de 25 a 31 km, dezoito meias maratonas, corridas de montanha, de praia, em trilhas, em escadaria de prédio... São muitas as corridas, todas elas muito importantes no “conjunto da obra”. A maior e melhor é sempre a que está por vir.


Caso tivesse que dar alguma dica para um sedentário que esta começando a correr, o que você falaria?

Corra com prazer e responsabilidade, respeitando o seu corpo, cuidando-se bem sempre. Não vá naquela onda de “a dor é temporária, desistir é para sempre”. Desistir pode ser temporário, corrida tem toda semana (ou ano). A dor de ficar sem correr é que pode ser para sempre, ou pelo menos parecer que é. Suba um degrau de cada vez, não queira entrar para a galeria da fama do atletismo logo de cara. Procure seu próprio caminho, aquele que te dá satisfação. Não queira correr uma maratona só porque aquele seu amigo de infância pelo qual ninguém dava nada conseguiu. Mas, se quiser encarar um grande desafio, seja qual for a distância dele, prepare-se bem. A corrida é um esporte onde mesmo pessoas comuns, com saúde, vontade, disciplina e determinação, podem fazer coisas extraordinárias.

Por fim deseja nos dizer mais alguma coisa?

Claro! Conheçam mais sobre esse corredor teimosão, cabeça-dura, que transformou a sua vida através do esporte e adora contar as suas histórias e fazer amigos, no livro “Melhor que o caminho é o caminhar”, que acabo de publicar. Ele está no site http://fabionamiuti.loja2.com.br/. Abraços a todos!

domingo, dezembro 11, 2011

Corrida Noturna de Verão

 Detalhe para a lua atrás....


Desde o primeiro de dezembro eu não arriscava uma corridinha pela orla. Não por vontade de ficar em casa, mas por que fui obrigada (pelo médico) a suspender a corrida por uns dias por conta da alergia. Que não me perguntem...mas....continua. Tratando!

Incrível foi constatar como quando estamos sem correr, o tempo passa depressa no sentido de perda de resistência e condicionamento. Perdemos tudo neste curto espaço de tempo. Pelo menos eu, parece que volto a estaca zero.

Não recomendo descanso prolongado....

Tendo sido liberada na sexta-feira  parar correr, decidi que iria participar da Corrida Noturna de Verão. Já estava inscrita  e como fazia um tempo parada seria uma forma de retornar. 

Inscrita para 10km, ainda antes da largada tive oportunidade de mudar para 5km. No entanto influenciada pelos meninos acabei mantendo os 10km e ME ARREPENDI. Foi meu PIOR tempo desde que corro 10km. Até a minha estreia na quilometragem foi melhor. Sinceramente não sei o que houve....deu tiuti!! Mas me consolo com as palavras da minha amiga Sandrinha Grisi "não existe melhor nem pior tempo. Todos os que chegaram fizeram um ótimo tempo".


A largada da corrida estava prevista para as 20h. Mas como havíamos marcado para encontrar Vera Fahel antes da concentração, saímos de casa muito cedo 18:20 - Eu, Lucas (meu namorado), Lucas Monteiro e Paulo Lameira e tive o descuido de não comer antes de sair. ACREDITO que o erro começou aí. Pensava que como faltava muito tempo ainda iríamos parar para comer em algum lugar. Resultado: comi apenas um bejuzinho na rua e tomei uma água de coco. Coisa que no meio da corrida senti.

 Na frente da casa de Vera Fahel  e do local da largada

Mantida nos 10km, quando foi dada a largada eu já estava com fome - QUE VERGONHA. Sempre escaldei quem dizia isso e agora cometo o mesmo erro. Com fome e com cólica - mais uma vez, já é a terceira corrida que isso ocorre e pelos meus cálculos na corrida Sagrada posso estar do mesmo jeito...que meleca viu.


Assim que foi dada a largada saímos juntos, eu,  Lucas, Lucas, Vera, Paulo e por um bom tempo estivemos juntos. Aos poucos Lucas (meu namorado) sumiu, depois Lucas Monteiro, na sequencia Paulo e lá para o 5km quando minha fome já estava para lá de baguidá Vera também "se picou" (na melhor das intenções)....



Eu costumo tomar o gel de carboidrato no 7km, normalmente em provas de dia e quentes. Mas como percebi que o combustível estava pifando, agilizei pelo 5km mesmo e tomei o Carbup. Maldita hora...O gel era de chocolate, o único que tinha em casa, veio no kit da Pampulha e nunca havia provado aquele sabor. Tomei todinho e quando bateu no estômago, que coisa horrível. Muito ruim...Não recomendo gel de chocolate. Horrível.

Se  a coisa não estava bem por conta da fome, não era aquilo que ía passar. Pelo contrário fiquei enjoada. Mas pelo menos segura de carboidrato estava. Reduzi minha corrida, que aliás rápida não estava.
No sentido contrário avistei Sandrinha Grisi, dei um grito e disse vai que te espero. Como já estava sozinha pensei que dava tempo esperá-la. Reduzi mais ainda meu passo, mas nada, nada dela chegar.

Estava tão devagar e quase desistindo que minha sorte foi Leonardo que apareceu do nada...Veio do meu lado e confesso se não fosse ele talvez eu tivesse desistido. A companhia dele seja no papo pelo menos distraiu a minha corrida. Até hoje me pergunto o que houve naquela noite. O clima estava bom, ainda que estivesse ventando era uma noite confortável, mas parece que eu não estava afim. Sei lá....

O evento?? Foi maravilhoso....logo mais comento...
Mas enfim acho que faltou gás, talvez de fato o corticoide tenha me mantido molenga como alguns corredores amigos já tinham me falado!!! Prefiro não procurar chifre onde não tem e seja lá  o que for, é : tomara que pelo menos não precise continuar tomando corticoide. Caminhei durante esta corrida por pelo menos 1km ou 1,5km...Foi meu pior tempo. Mas ainda que seja chato reconhecer o péssimo tempo, ou que eu só enxergue o lado isso. Que fiz ruim.... Sei que foi SUPER VÁLIDO pelo menos voltar a correr. É ASSIM QUE VOU PENSAR e dane-se...

Se quiser voltar a fazer o tempo 56'51' que fiz nos últimos 10km  (30 de outubro) preciso treinar. Caso não viverei de passado.

Valeu a pena reencontrar os amigos corredores que há muito não encontrava. Boa parte na foto abaixo.


E ainda participar do belo evento que foi a Corrida Noturna de Verão. Quem não pode participar do evento realmente perdeu. Esta sim foi a única corrida Noturna em Salvador que deu SHOW. E não elogio a tôa não, por que basta conferir o perfil da corrida no facebook  para ver a quantidade de elogios.

Foi uma corrida super/hiper organizada. Nem corridas no turno da manhã costumo ver trancarem o trânsito como aconteceu. Você não via sequer um carro passando, os corredores ainda que à noite tiveram conforto e segurança. Música na largada e ao longo do percurso (onde tinha DJ). Policiamento...

Enfim foi uma festa linda, que para fechar teve uma bela lua iluminando os corredores.


 by máquina de Vera


Apesar de ter corrido mal, adorei o evento e recomendo a participação nos anos seguintes. 

Após a corrida demos uma esticadinha no Ponto sete para tomar Açaí. Cheguei cedo em casa, dormi 1:50 da manhã e não consigo até agora explicar como no domingo (hoje) acordei às 11:52. Dormi pesado... mais de 9 horas. Que cansaço foi esse??? Teria sido a fome, o bejuzinho?? o que foi???

sábado, dezembro 03, 2011

Novidade....Contra Relógio

Tenho novidade a revelar.... Desta vez, aguentei segurar a língua e mantive segredo por muiiiitooo tempo. Mas esta na hora de contar... e  vamos lá!!




Que significa isso?? Bem uma forma de expresar a alegria que estou  sentindo e de poder revelá-los que a partir de agora, a depender da criatividade mês a mês (nisso sou bem sincera) estarei escrevendo na revista Contra Relógio. Sou correspondente na e para Bahia.

Até agora só sabia que a minha matéria iria sair em dezembro e como aqui em Salvador a revista só chega na segunda semana do mês fiquei sabendo através do amigo Daniel Xavier de BH  que por sinal me pegou de surpresa ao me falar que já tinha lido minha matéria escrita para Contra Relógio. No mesmo dia recebo mensagem de Samuel daqui de Salvador (que por sinal esta em BH para correr a Pampulha) me avisando a mesma coisa... Pensei será que só em Belo Horizonte chega Contra Relógio!!! #aisim - como diria o amigo Colucci - corredores assíduos na leitura.

Antes de tudo também tenho muito a agradecer! Aos meus amigos de corrida que compartilham o asfalto comigo, ao meu namorado Lucas e principalmente a Eduardo Irving que foi quem me alertou para a necessidade da Contra Relógio de alguém na Bahia, e a Vicent Sobrinho (uma pessoa que me conquistou desde que comecei a ler seus textos em blog, quando ainda nem sabia que o mesmo escrevia para a CR) e que por sinal foi a ponte. Obrigada Vicent. Sem contar o agradecimento aos que estrearam na minha primeira matéria - Samuel, Roberto Encarnação e Rebeca Peleteiro.

AGORA é aguardar galera...logo mais teremos Contra Relógio de dezembro em Salvador...!!!confiram as páginas 74-75.