quinta-feira, dezembro 02, 2010

Há um tempo atrás - viagem pela Europa...


Gente esta semana arrumando o meu armário encontrei um caderno que me serviu de espécie de diário de bordo enquanto participei de intercâmbio na Suécia (2008). Parece estranho vir falar disso agora, mas durante todo o período fiz relatos no blog e justamente quando saí para conhecer outros países, apesar de prometido neste espaço, que depois compartilharia das minhas experiências, após voltar não tive coragem e bateu preguiça para digitar tudo.

Hoje ao retomar o caderno em mãos, pensei: “Poxa não posso deixar que mais um ano se passe e os relatos deste caderno fiquem por aí perdido sem que ninguém leia”. Tomei coragem para digitar tudo e aproveito agora, antes tarde do que nunca para compartilhar, caso seja do interesse de vocês sintam se a vontade!

Espero que tenham paciência para ler, visto que jogarei todos os relatos juntos...

Na viagem que relato passei pelos seguintes lugares: Estocolmo, Copenhagen, Malmo (sul da Suécia), Paris, Londres . Caso alguém tenha interesse de saber os valores que paguei naquela época, pelas passagens, pode me escrever – e-mail ao lado do blog:

Vamos lá galera:

Em 26 de Maio de 2008 foi o início da minha viagem. Desde já quero dizer que a viagem foi feita sozinha, infelizmente não tive companhia, a não ser as que fui conhecendo ao longo do caminho. No início fiquei meio assustada assim que passei pelo portão de embarque pois não sei por qual motivo quase sempre o portão apitava quando eu passava, daí vinha um monte de policiais apalpando e nada a ser encontrado, afinal o que eu teria se não um monte de casacos.

Dentro do avião da Norwegian de Umeå para Estocolmo, minha primeira viagem completamente sozinha, além de fora do país, eu estava me sentindo livre e com asas, não de passarinho mas de avião por poder atingir diversos lugares.

Ao chegar em Estocolmo o meu voo para Copenhagen atrasou uma hora, e eu que pensava que isso só acontecia no Brasil. Mas claro lá eles avisam quando irá sair, ou seja não ficamos parecendo idiotas esperando que avisem algo. O atraso me rendeu uma “amiga” de passagem e mais alguns docinhos que acabei comprando. Para quem acompanhou o blog quando estive fora... Nada de bananas no aeroporto, muito cara no aeroporto, uma banana custava 6kr o equivalente a R$1,80 (naquela época).

Como já cheguei tarde em Copenhagen não pude pegar ônibus e então foi minha primeira vez de pegar um trem pela Europa. Nada muito complicado, pois todo lugar que passava eu fazia amizades e como sempre dizem “quem tem boca vai a Roma”. Fui assim até Malmö (sul da Suécia) onde seria hospedada por uma baiana que conheci no orkut e que estava também fazendo intercâmbio por lá – a Laís.

Eu e a Laís

O intuito era sair de Malmö no outro dia para passar o dia em Copenhagen. Tive uma ótima noite de sono e no outro dia acordei cedo para visitar Copenhagen. Peguei o trem e a princípio não sabia para que lado ir, mas no trem fiz amizade com duas meninas que vinham de Malmö fazer compras no shooping da cidade, imaginem de um país para o outro em tão poucos 20 minutos eu estaria na Dinamarca. Na cidade vi um ônibus deste de tour similar aos de Salvador, aberto em cima e que passava pelos pontos turísticos da cidade. Peguei um deles e realmente foi dinheiro jogado fora, a cidade era minúscula eu poderia ter percorrido sem necessitar dele, isso por que ando. Paguei 120 DKK por um dia de ônibus, mas de qualquer maneira fiquei feliz pois pude conhecer The Little Mermaid, o lugar onde fica a sereia que o pai do meu namorado tanto recomendou que fosse ver.

The Little Mermaid

Conheci o parque Tivoli, famosissímo, por sinal encontrei um colega que estava também na Suécia, imaginem que mundo pequeno viu sair de lá e encontrar um cara da universidade de Umea lá. Risos!! Conheci a Langeline, Stroget...muitos lugares , também fui ao shopping, com direito a compras também. 

Parque Tivoli
                                                                       Ruas de Copenhagen

O que não posso me esquecer de dizer é que quando eu estava para pegar o ônibus de tour, havia um casal embaixo decidindo se saía ou não, a moça dizia “Bem, este ônibus demora”. Eu perguntei de onde eram por causa do Português, me disseram ser de São Paulo e acabamos indo juntos no ônibus onde ao longo do dia compartilhamos de alguns pontos juntos. O dia em Copenhagen foi ótimo, com direito até a protesto, eu já não gosto da coisa hem...risos!! 


No fim da tarde havia um protesto no meio da rua em que professores reivindicavam preços salariais e novamente pensei, achava também que isso só ocorria em países subdesenvolvidos e eu lá estava com a placa ajudando os professores a reinvidicar. Risos!! Movimento organizado e colorido.

Confesso que esperava mais da cidade de Copenhagen, ainda acho estas cidades daqui, claro pequenas demais com relação as cidades do no nosso país. Mas já com relação a Malmö achei grande e mais desenvolvida comparando com Umeå, onde vivi durante o intercâmbio. 

Hoje dia 28 de Maio de 2008 – dei um passeio por Malmö e voltei a Copenhagen onde sigo viagem para Paris, ficando por lá por 5 noites. 





Castelo e Museu em Malmo

         Brincadeira em Malmo


Na ida para Paris, como sou que nem “peru de natal” e morro de véspera...fui para o aeroporto de Copenhagen muito cedo, desta forma fiquei no aeroporto esperando o voo durante o tempo. Neste tempo todo conheci um iraquiano que tirou muitas fotos minha e batemos papo “adoidado”.

Ainda com o avião descendo em Paris meu celular não parava de tocar e eu sem pensar acabei atendendo – não devemos. Era o brasileiro que havia me oferecido ajuda, através do orkut, para minha chegada até a cidade. Nossa!!! Se ele não aparece na estação garanto que até pelo menos 3 da manhã ainda não teria achado o albergue que eu ía ficar. Fiquei encantada com Paris, mas muito diferente de onde estava – Umeå, risos!! Afff!!! Quando cheguei em cidade “grande” e ouvi todo o barulho de trânsito de carros, depois de 3 meses sem estar acostumada com isso, pedi para voltar a Umeå, que saudades eu senti da calmaria.

Mas que nada!!! Estava alí realizando um sonho, que na verdade não cultivei. Um sonho que sei que Lucas teria aproveitado muito... Cada lugarzinho que eu ía, cada passo eu pensava no quanto ele estaria amando e por isso eu curtia por mim e por ele ao mesmo tempo. Eu estava em Paris, a cidade das luzes... Estava super cansada, ainda de Copenhagen, os pés estavam de bolhas, mas eu só tinha sede de conhecer mais.


1º Dia em Paris:

Acordei bem cedo e logo no café fiz amizades com alguns estudantes, mas sair para rua sozinha. Como eu estava hospedada no centro, optei por sair andando pela cidade, não quis pegar nenhum metrô. Andei a Bastille toda, fui até o Notre Dame … 


Entrei, mas não achei muito legal as fotos que tirei por lá, pois ficaram escuras demais. Neste lugar, os franceses sabem falar inglês, simplesmente se recusam, passei sufocos. Em Paris encontrei brasileiros por metro quadrado.

Do Notre Dame sai andando pelo jardim, ao redor do Rio Sena. Avistei um tal de Batobus e acabei por me aproximar para ver do que se tratava. Um boat que percorre o rio fazendo paradas nos principais pontos turísticos, A Tour Eiffel, o Museu d'Orsay, o St-Germain-des-Prés, o Notre Dame, Jardim des Plantes, Hôtel-de-Ville, Louvre e Champs Élysées. Comprei um ticket para 2 dias com direito ainda a desconto com minha carteirinha de estudante, saiu por 9€ , achei barato com relação aquele bus que peguei na Dinamarca, até o próprio ônibus para os mesmo passeios em Paris custam 24€. Para mim muito mais interessante ir de boat, que não era costume. O ticket me deu direito ao dia todo e ainda podia sair e depois voltar.

Eu entrei no Notre Dame, mas desci logo no Louvre, fui conhecer o famoso museu. E não é que a famosa Monalisa continuava sendo famosa. Afff!! Ninguém dava sossego a coitada da Monalisa. Todas as setas indicavam a mesma, e a corrida era para chegar até o famoso quadro. Novamente brasileiros por metro quadrado.

                                                                                             
O que achei da Monalisa? Olha para minha cara...
 
Passei umas 3 a 4 horas no Louvre, mas impossível ver tudo, eu na verdade fiquei “presa”. Por que tentava sair da pirâmide mas só pegava o caminho errado. Muito lindo, muito grande, muito tudo... Meus pés já gritavam pedindo socorro. Dart para por favor....risos!




Comi um pouco e não dei sossego aos pés, ainda pegue o bota e fui na Torre Eiffel, caramba!!!Andando naquele boat eu só pensava no quanto seria bom se Lucas estivesse alí. O passeio era bom, mas sozinha eu não podia compartilhar com ninguém. Me sentia sozinha, mas estava ao mesmo tempo amando. Dava vontade de toda hora ligar para o Brasil contando as novidades, como eu fazia quando estava na Suécia, pelo skype. Da Torre Eiffel passei pelo Champs Élysées mas não desci, fui direto o Notre Dame. Volta para casa ía pelo caminho certo.. inventei de entrar numa loja para ver roupas e simplesmente saí por outra porta. Resultado, fiquei pelo menos 1 hora perdida para voltar para Bastille. As ruas são muito parecidas e pelo que percebi até o franceses andam com GPS. Ao contrário do que as pessoas falam, encontrei muitos franceses educados, claro que também devo ressaltar que encontrei uns brutos. No mais tudo tranquilo, correndo bem e os pés agradecem, mortos...


2º Dia em Paris

Café reforçado, novamente pernas para que queria, e os passeios por enquanto seguiram a pé, fora o boat que havia comprado o ticket e ainda era válido neste segundo dia. Para chegar no boat passei de novo pelo Notre Dame, segui para o Rio Sena, fiz novas amizades. Desci no Champs-Èlisées caminhei pela Place De La Concorde (Praça da Concórdia), pelo Jardim des Tuileries, L'Arc de Tromphe Du Carrousel, Louvre (de novo) e peguei o boat. Fui a Torre Eiffel, alguns passeios foram repetidos mas prazerosos pois todos feitos de boat ou caminhadas, eu precisava aproveitar o último dia do boat. 
 

3º Dia em Paris

Tirei a tarde para passear pela Rue Lafayette, tive ousadia de entrar naquelas lojas... claro só para olhar e babar, por que até mesmo o vestido que gostei e estava na promoção com 40% de desconto custava 275€ naquela época. Na mesma rua também tinha C&A mas não quis entrar. Fuia na Zarah e um vestidinho lindo que gostei estava de 24,90€ mas seria mais um preto para meu guarda-roupa, o que me fez desistir da compra. 



 



Passei pela praça da Ópera e sempre me relacionando legal. Ainda me referindo aos franceses, tenho os visto como pessoas educadas, com exceções. Hoje ao pedir informações a uma senhora de como pegar ônibus e me mostrando meio perdida, a mesma acabou me dando um ticket que dava que servia para ônibus e metrô, no entanto na volta a catraca ficou não era liberada, não sei por que (talvez tivesse passado o tempo), eu ia ficar presa sem saída. Mas uma moça fez sinal para que eu passasse junto com ela na catraca. Imaginem!! A gente se entendendo, ela com o francês e eu no inglês baianês...risos! Pelo menos me compreendia.

Descobri no meu albergue 5 brasileiros mas que estavam voltando naquele dia. Na saída eu falei para eles que queria tanto ir com os mesmos, estava feliz, mas como diz os gringos faltava a alegria da nossa gente.

4º Dia em Paris

Pela manhã peguei uns 3 metrôs, mais ônibus para ir a Basílica do Sacre Ceur. Encontrei conterrâneos de Salvador por lá. Em seguida após passar pela Basílica, desci o morro sem muito saber onde estava e para onde ir. Mas meu intuito mesmo era conhecer a Pigalle ainda com um certo preconceito por ser uma rua de cabarés... mas fui na cara e coragem. “Pigalle é um bairro oficial de casas de strip-tease, prostituição, não sei se chamam assim, e de perversão para todos os gostos” é o que diz no Guia criativo para o viajante independente na Europa de Zizo.

                      Sacre Ceur                                                            Moulin Rouge

                                                                  Concórdia

Fui até o Moulin Rouge, claro que somente por fora, por que até um show de cabaré é super caro. O Moulin Rouge é o mais famoso cabaré de Paris, fundado em 1889.

Continuei minha caminhada sem rumo … andei até cansar e voltei ao albergue. Mais tarde decidi novamente ir a Torre Eiffel, meio que me despedir, visto que no outro dia eu viajaria. Espero voltar a esta cidade, da próxima vez acompanhada.





Dia 02 de Junho de 2008, mais uma vez chego cedo demais ao aeroporto, desta vez a viagem era para Londres. Muito tempo esperando e acabei conhecendo um casal de brasileiros, eles estavam tendo problemas com excesso de bagagem, mas não compreendiam o que o atendente falava. Sendo assim eu perguntei se queriam ajuda e traduzi o que o cara dizia. Ficamos juntos para fazer o check in. Na hora da apresentação dos passaportes para fiscalização, uma polícia mostrou meu passaporte para o outro policial, eu comentei com o casal “Poxa devem estar rindo do meu nome”, mas o outro policial em português disse não se preocupe, não é nada demais. Eu até aproveitei da situação e pedi o carimbo de saída do país em meu passaporte.

Lá dentro conhecemos mais 3 brasileiros e na fila seguinte em Londres todos congelando com medo da imigração. Quando chegou perto da nossa vez, a polícia mandou um casal sentar, era deportação com certeza. E enfim chegou a minha vez, apresentei todos os documentos, ainda com direito da policial me dizer que eu era muito organizada, perguntou-me quais pontos eu queria conhecer e perguntas básicas. Só no ônibus me dei conta que a policial ao envés de me dar o carimbo de 3 meses em Londres, como é o normal para turista, a mesma me deu carimbo de estudante para 6 meses.

Londres estava em água, já era tarde e não parava de chover. Eu não conseguia encontrar o hostel que ficaria. Comecei a ficar preocupada, debaixo de chuva, na escuridão por que em Londres 21h já tá escuro, diferente da Suécia naquele período. Pedi informações a várias pessoas, perguntei a dois rapazes americanos e eles também disseram não saber. Eu já tava toda molhada e os olhos em lágrimas, continuei a caminhar. Os dois rapazes parece que ficaram com pena e e seguiram para tentar ajudar. Rodamos tudo, até encontrar.... debaixo de chuva.

No hostel novamente apresento o passaporte e o rapaz faz o mesmo que o policial, mostra para o outro recepcionista. Desta vez fico calada, só comentei a dificuldade que foi encontrar o hostel e e o outro moço da recepção com meu passaporte responde em português “Difícil encontrar por que?”, mais um brasileiro. Eu já sensibilizada por não encontrar o hostel me senti bem recepcionada naquele momento só por ouvir o português. Me despedi agradecendo os meninos que me ajudaram a chegar ao hostel, e subi para dormir.

Em Londres:

Os dias em Londres foram chuvosos e cinzentos, a cidade não parava de chover. Por isso fiz um passeio novamente naqueles ônibus de tour. Conheci os principais pontos da cidade, no entanto passei apenas 2 noites em Londres, visto que a libra era muito cara. Bobagem minha, dava para ter ficado mais, mas como fiz compra de passagens e paguei os lugares em que me hospedei antecipado fiquei com receio de acrescentar mais dias.





Meu maior arrependimento destas viagens foi não ter ido a Itália...um dia irei lá.

De Londres voltei para Estocolmo e Umea e depois de alguns dias voltei para o Brasil. Mas antes passei um tempo em Estocolmo e em Portugal tive a oportunidade de conhecer a festa do padroeiro de Portugal, Santo Antônio. Varei a noite na rua na festa que foi realizada, chegue de manhã no hotel pegando mala e seguindo para Salvador. Foi uma ótima experiência , achei linda a cultura portuguesa, apesar ter tido pouco tempo para conhecer. Mas pelo menos no quesito Fado me encantei. Muito bom!!!

Na volta em Portugal:

 Paquerando Fernando Pessoa (não pode vir a Portugal e não passar por aqui)






Festa em Portugal (maravilhosa, parecia um carnaval)







E para aqueles que passaram a frequentar o blog agora, como meu amigo Miguel e os estão postando comentários de que gostaram da postagem, bem como me enviando e-mails,  seguem mais algumas fotos, mas caso queiram saber os casos destes outros lugares bastam retornar as postagens do blog no período  a partir de março de 2008. Confiram as minhas experiências, por que não só de museu se vive...risos!! O tempo passou  e a luta agora é outra.
 Estocolmo - Suécia
                                                                                                            Umea - Suécia
                     Umea - Suécia

 
                                                                           
  Lapland - Suécia   

3 comentários:

Avicor disse...

Caramba menina !1 que viajem linda fiquei sem folego rsrsr .

As fotos ficaram linda tb seu sorriso ficou radiante !! parabéns e continue com essa felicidade!!

Um abraço e bons treinos !!

Romildo freitas

Dart Araújo disse...

Oh Romildo obrigada. De fato foi uma viagem incrível, ainda mais sozinha. Pensei que não teriam paciência para toda esta leitura,ainda mais depois de tanto tempo, são tantas fotos que se eu postasse todas, imagine.
Cada uma mais linda que a outra.

Abraços e obrigada pela visita. E você treinando muito??

BALEIAS disse...

Olá Dart. Nunca vi num blog um comentário resumir tudo tão bem. Romildo falou tudo. Ficou mesmo tudo muito lindo. Eu não sei viajar sozinho. Nesse ano quis ir numa grande maratona mas não consegui parceiro e larguei para lá. Ficou tudo muito lindo.
Abraço. Miguel Delgado.